sábado, 14 de setembro de 2019

Professora Esperança: homenagem de ex-alunos "à mestra com carinho" que dedicou mais de meio século à educação




O vídeo acima Professora Ausonia Donato é homenageada por ex-alunos, foi indicação de uma aluna e uma colega da direção da escola onde atuo, durante o Conselho de Classe, e é um material profundamente reflexivo, pois é um experimento social do programa Criança Esperança, de levar alunos para escolha de futuras profissões e a que menos tem procura é justamente a de professor. Logo essa, que é a que forma todas as demais profissões.
O mais interessante no vídeo é a grata surpresa que ex-alunos da professora Ausonia Donato, do Colégio Equipe (SP), que em seus 74 anos de vida dedicou mais de meio século à educação (54 anos); Uma homenagem e ação comovedora, pois Ausonia é adepta da pedagogia do afeto em seu fazer escolar, tentando conhecer o aluno, seu perfil, suas necessidades, seu contexto social e seus talentos. Algo que me lembrou aquele filme clássico "Ao Mestre Com Carinho" (veja imagens ao final desta postagem).
Vejam também, logo a seguir, entrevista com essa grande educadora:





Por essas e outras que, talvez, o professor seja o maior contador de histórias, matemáticas ou contábeis, literárias ou pedagógicas. O bom professor dá esperanças ao aluno, de sua vida ressignificar.
Nem todos os professores, como a Ausonia, têm a dimensão da importância na vida de seus alunos como espelho e referência. O mestre é aquele que fica feliz quando seus discípulos o superam e seguem os próprios caminhos, sem desistir de seus sonhos.

Como os filhos enxergam as mães: vivemos por símbolos, sentimos por metáforas!




O vídeo acima, encontrei no Facebook e é de uma lindeza sem fim, intitulado "Como os filhos enxergam as mães".
De fato, uma forma criativa de mostrar sentimentos já que como humanos, vivemos por símbolos e sentimos através de metáforas. E as mães simbolizam essas feras protetoras que representam ao mesmo tempo a natureza humana.
Um ótimo material para uma dinâmica de grupo ou reunião de pais para valorizara a maternidade mas também para saber lidar também com a superproteção, com o exagero e tudo mais.
Não são apenas a mães que agem assim com os filhos alguns professores fazem o mesmo com seus alunos.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Mundo Geográfico: canal de vídeos e blog educacional que tratam da Geografia como "a ciência da sua vida"




O vídeo acima é a apresentação do canal de vídeos MUNDO GEOGRÁFICO, do professor Leonardo Miranda de Belo Horizonte (MG), Brasil, que é graduado em Geografia pela UFMG, mestre pela mesma universidade, professor de cursos pré-vestibulares e preparatórios. O referido canal trata da "Geografia em todos seus aspectos, geofísica, geopolítica, cartografia e muito mais. Comentários, resoluções de exercícios, tire suas dúvidas, a geografia no Enem, a geografia 'ciência da sua vida'".
A seguir, um dos vídeos, cujo tema é atualíssimo: "Por que o desmatamento na Amazônia afeta sua vida?"



O Léo Miranda possui também um blog para tratar do mesmo tema, vide links abaixo:



MUNDO GEOGRÁFICO - CANAL DE VÍDEO NO YOUTUBE



MUNDO GEOGRÁFICO - BLOG

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

A parábola de "A Verdade saindo do poço": pintura, literatura, ficção e realidade




O vídeo acima A verdade saindo do poço, pintura de 1896, do artista francês Jean-Léon Gérôme, escultor e pintor francês, e está ligada a uma conhecida parábola do século XIX e que dialoga de forma intertextual com a atualidade e o fenômeno das Fake News.
Um belo vídeo com interpretação do ator Silvio Matos, que narra a referida parábola que serve para uma reflexão sobre o cotidiano, para uma aula de filosofia, arte, produção textual, e muito mais.
Um material que mostra como é possível promover um diálogo entre literatura e pintura, ficção e realidade, educação e sociedade.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Matemática de um jeito diferente: graças a incentivo de professor seus alunos já ganharam centenas de medalhas em competições nacionais




A imagem acima é sobre uma incrível história de vida e de trabalho de Professor de escola da Zona Oeste [do Rio de Janeiro RJ, Brasil] ensina matemática de jeito diferente, que graças a sua dedicação, metodologia e didática tem conseguido que seus alunos ganhem centenas de medalhas em competições nacionais.
O professor se chama Luiz Felipe Lins e trabalha em escola pública, valendo-se do jogo para desenvolver a aprendizagem socioemocional, que incentiva trabalhar em equipe e em conjunto, a partir do 6º ano do ensino fundamental.
Como destaca uma das alunas incentivadas pelo professor a matemática é puro raciocínio lógico, que vem da filosofia. br /> Através desse estímulo do professor, a escola já acumula 630 premiações em Olimpíadas de Matemática Nacional e Estadual. E pelo que se percebe pelos depoimentos dos alunos, mais que ensino e aprendizagem a participação do professor é na descoberta de talentos e na ajuda do autoconhecimento e da autoestima dos alunos. Um mestre completo.
Abaixo, link para a reportagem completa do programa RJ2 cujo tema é "Olha Essa História", destacando histórias de vida:

Olha essa História: Professor de escola da Zona Oeste ensina matemática de jeito diferente

domingo, 8 de setembro de 2019

Quadrinhos nas Aulas de História: encaminhamentos didático-pedagógicos para abordagem do contexto histórico




O vídeo acima Quadrinhos nas aulas de História, descobri no Linkedin de Norton Frehse Nicolazzi Junior, que é Coordenador da Assessoria de História, Filosofia e Sociologia na Editora Positivo e traz no referido audiovisual o tema: A Segunda Guerra Mundial em quadrinhos.
O projeto "Quadrinhos nas aulas de História", segundo apresentação do mesmo no YouTube, traz "sugestões de encaminhamentos didático-pedagógicos para a abordagem do contexto histórico da Segunda Guerra Mundial, utilizando como fonte de trabalho quadrinhos diversos e destacando as potencialidades que o referido tipo de linguagem oferece para favorecer o processo de aprendizado histórico".
É inegável que os Quadrinhos ou HQs são uma forma de aprendizagem, antes mesmo das crianças adentrar à escola, se alfabetizando primeiro por imagens como dizia Paulo Freire, noutro contexto: "A leitura de mundo antecede a leitura da palavra" em A Pedagogia da Autonomia.
Desse jeito, trabalhar com múltiplas linguagens na sala de aula sejam Quadrinhos, álbuns de figurinhas, animes etc, são formas de trazer a realidade social e cultural do aluno para o ambiente escolar. Promover um diálogo entre a bagagem cultural que o professor possui frente ao que o aluno carrega, aliando outras formas de linguagem como jogos, vídeos, músicas etc.
De certa forma, o planejamento, a metodologia e a didática de um professor não deixa de ser uma História, em quadrinhos. Cada aula é planejada dentro de seu tempo e espaço, dos recursos que serão utilizados, da busca dos objetivos, trabalhando as competências e habilidades do alunado. Quadro a quadro, dia a dia, passam-se meses trimestres, anos. Quadro a quadro, giz a giz, datashow e computador, assim são os elementos que permitem aproximar o conteúdo de uma disciplina ao universo da criança e do jovem.
Múltiplas linguagens e abordagens pois além de mostrar quadrinhos sobre história, literatura e outras áreas, é possível pensar numa oficina de HQ para que alunos transformem sua aprendizagem também em recursos gráfico de reflexão e ensino para outros alunos, criando assim um banco de dados com diversas histórias em quadrinhos de cada turma, quue poderão ser feitas através de aplicativos como o Hagáquê (link a seguir), desenvolvido pela UNICAMP. O Hagáquê, conforme descreve o Colégio Dom Pedro II, do Rio de Janeiro (RJ), Brasil: "é um software educativo de apoio à alfabetização e ao domínio da linguagem escrita. Trata-se de um editor de histórias em banda desenhada (BD) com um banco de imagens com os diversos componentes para a construção de uma BD (cenário, personagens, etc) e vários recursos de edição destas imagens".

HAGÁQUÊ - NIED - UNICAMP (Download direto)



O Hagáquê, imagem acima, é uma versão infantil para a construção de histórias em quadrinhos, mas há na interface gráfica um recurso, identificado pelo ícone de um carrinho vermelho, que possibilita que se insira imagens diversas inclusive de telefones celulares, podendo o aluno fotografar o entorno da escola a si mesmo etc e tornar-se personagem das próprias HQs, junto com os demais colegas de aula e de escola. Uma saída de estudos poderá ser um riquíssimo momento para coletar imagens que sirvam de cenário (pano de fundo), por exemplo. Enfim, a criatividade que será o limite para o software.
Além de softwares específicos é possível também, de forma criativa e simples, utilizar ferramentas desenhos de uma apresentação de slides, como o Power Point. Abaixo, um breve exercício que fiz, utilizando imagens de uma passeio com meu filho, para ilustrar essa possibilidade, numa oficina de HQ:



sábado, 7 de setembro de 2019

Canção Infantil: música, poesia, literatura, cinema, educação e sociedade (clipe repleto de alusões ao imaginário infantojuvenil)




O vídeo acima Canção Infantil, foi indicação de uma aluna do 2º ano do ensino médio e trata-se de comovente videoclipe de Cesar MC com participação da cantora Cristal, carregado de diversas referências às cantigas e canções infantis e alusões aos contos de fadas, relacionando-os ao cotidiano de uma comunidade da periferia das cidades, que pode ser brasileira ou outra qualquer que sofre com a violência o medo, o desencanto.
Quem conta um conto aumenta um ponto, diz a sabedoria popular em diálogo com a citação de que "quem canta seus males espanta".
No vídeo em questão há uma cativante e criativa junção da música com a poesia, do cinema com a literatura, da educação com a sociedade.
Um rico material para ser trabalhado em produção textual com a letra da música e com as imagens do clipe.
A cena final, quando o cantor declama alguns versos sem acompanhamento musical e que uma menina (Esperança?) adentra ao palco fazendo-o olhar para a escuridão da plateia que se ilumina com as lanternas dos celulares é mágica, ainda que trate de um tema trágico e complexo.
Um videoclipe para todos os educadores - sejam pais ou professores - verem com seus filhos e alunos.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

A leitura liberta: série de imagens que promovem reflexão sobre a importância do livro e da leitura




O vídeo acima A Leitura Liberta, encontrei na rede social e é um bom material para discutir, através de poderosas imagens, o papel do livro e da leitura no cotidiano. Que serve também para atividades que envolvem interpretação de textos (imagens) e produção textual.

sábado, 31 de agosto de 2019

O que forma nosso pensamento: um jeito poético de divulgação científica para crianças




O vídeo acima O que forma nossa pensamento é o peisódio 1 de uma série de pequenos vídeos produzidos pelo Instituto Serrapilheira, que desafiou o neurocientista Bruss Lima a apresentar sua pesquisa para crianças, universitários e especialistas de sua área. E diga-se de passagem, fez de uma forma criativa e poética ao comparar o pensamento com pequenos choques elétricos no cérebro que se parecem com tempestades. Não por acaso chama-se "brainstorm" (tempestade de ideias) uma das formas de pensamento inicial, visando organizar ideias para um projeto de aprendizagem.
Sempre comento que mais que o enunciado (o que se diz) é importante para um professor e para o aluno a enunciação (o como se diz). Saber modular o discurso, conforme o público, é uma arte. Temas complexos podem ser popularizados a partir de analogias, de metáforas, de jogos de palavras como no vídeo em questão.
Segundo a apresentação do vídeo no YouTube, Bruss Lima é "(...) biólogo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, [que] pesquisa o papel das oscilações neurais na comunicação cerebral. Para isso, ele faz experimentos usando eletrodos em macacos acordados, a fim de entender as atividades neurofisiológicas e elétricas do cérebro, o que as diferentes áreas cerebrais fazem ao mesmo tempo e como se comunicam".
Para verem outros vídeos interessantes, em áreas como física, biologia, química e matemática, recomendo visitação ao canal Serrapilheira, que é "uma instituição privada sem fins lucrativos, criada para valorizar a ciência e aumentar sua visibilidade e impacto no Brasil":

INSTITUTO SERRAPILHEIRA

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Brincando: sequência genial e alucinante que é analogia ao trabalho sintonizado e sincronizado em equipe




O vídeo acima 'Shooting Shaina's Sequence' BTS of Ep. 3 | Kidding | Season 1 como o nome indica é uma cena genial do episódio 3, da 1ª temporada do seriado Kidding (Brincando, tradução livre), em que mostra uma sequência alucinante em uma tomada única, que requer sincronicidade extrema entre a atriz, a equipe de câmeras, contrarregras, direção e tudo mais. br /> Mostrada toda a sequência em tela dividida, é possível acompanhar a cena, que por si só é incrível e se torna magistral ao se perceber a movimentação de todos nos bastidores.
Uma tomada que lembra uma orquestra sendo regida por um maestro que determina qual instrumento deve ser tocado no momento exato de uma sinfonia. Uma sinfonia com imagens! Um exemplo de interatividade.
Transpondo o referido vídeo para o universo escolar, há que se pensar a questão da divisão de atividades em uma escola, em que há necessidade de planejamento, organização, definição de metodologias, comprometimento da equipe docente, envolvimento do alunado e da comunidade escolar. Cada qual com seu papel no mecanismo educacional, possibilitando a execução de um objetivo em comum: o processo de ensino-aprendizagem relevante.
O professor, quando planeja suas aulas, levará em conta o tempo e o espaço disponíveis, quais metodologias (recursos) deverá utilizar, para que favoreça sua didática. Tudo é sequencial: metodologia - didática - tempo - espaço. Mas além da organização, requer doses de criatividade, originalidade e autenticidade (valendo-se da bagagem cultural dos atores sociais envolvidos nesse diálogo atemporal e universal).
Há que se levar em conta que muito se aprende brincando, interagindo, compartilhando saberes em grupo.
Não basta ter sincronia, há que se ter sintonia entre o grupo para que a ação obtenha bons resultados.

sábado, 24 de agosto de 2019

Projeto Redação Nota 1000: Site para correção de redação gratuita e online para ENEM [e canal de vídeos no YouTube para Correção Dirigida]




A imagem acima é do PROJETO REDAÇÃO NOTA 1000 que descobri via Twitter que se trata de Site para correção de redação gratuita e online para Enem.
Uma ótima ferramenta e ação coletiva, de estabelecer trocas. Uma plataforma ( https://projetoredacaonota1000.com.br ) para o envio de redações para combinar com outras pessoas a possibilidade de corrigi-las.
Além dessa ação social de CORREÇÃO GRATUITA DE REDAÇÕES, há também MATERIAL DE APOIO: Dicas, textos e vídeos sobre redação para ENEM, e TEMAS e MODELOS de redação para o ENEM 2019, com exemplos nota 1000 e temas mais cotados.



Na plataforma há inclusive espaço para BATE PAPO e espaço para Cadastro de corretor voluntário.



A iniciativa é gratuita e voluntária, mas quem quiser colaborar para sua manutenção, poderá fazer doação (segura e anônima) através do site VAKINHA.



Por fim, indico link do canal de vídeos da plataforma, no YouTube:

PROJETO REDAÇÃO NOTA 1OOO - CANAL NO YOUTUBE

E recomendo o vídeo abaixo, TEMA: O lugar da mulher no século XXI (Correção Dirigida ENEM), mais uma ação do Projeto Redação Nota 1000, no seu canal de vídeos no YouTube que trata de um assunto bem atual e necessário à reflexão:



quinta-feira, 22 de agosto de 2019

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Mulheres artistas são fantásticas: pequeno álbum com retratos têxteis (tecendo e costurando delicadezas)




O vídeo acima Mulheres artistas são fantásticas, descobri no Facebook de Nadine Levé, e trata-se de como o subtítulo indica, de "pequeno álbum com fotos têxteis", na verdade, retratos, tecidos com ternura e delicadeza, destacando grandes mulheres da história, não apenas da arte, mas da própria Humanidade. Um primor de material que provoca o espectador para as entrelinhas, não apenas das costuras, mas das leituras de vida e de mundo desses modelos exemplares.
Uma boa metáfora para trabalhar produção textual com alunos sobre as entrelinhas da costura de um texto. Para discutir criação literária, arte, cultura e as delicadezas do cotidiano que passam muitas vezes desapercebidas. De como produzir um material simples e belo, com criatividade identidade e autenticidade.
Sempre lembram que a expressão "Texto" vem do latim "Textum" e refere-se a tecer algo, de tecido, de costurar, entrelaçar, com linhas.
Um exemplo de artesanato criativo, belo e original. Toda a escrita é de certa forma artesanal, precisando ser criativa e original.
Outra questão relevante é a aprendizagem que ocorria no passado, através de álbuns de figurinhas, dos mais variados temas, principalmente aqueles sobre ciências, arte e cultura, que "ensinavam" através de imagens e legendas muitas coisas, antes mesmo de adentrarem à escola. Eu mesmo, aprendi muito com dicionários antigos ilustrados, enciclopédias (antes do advento do Google), com histórias em quadros álbuns de figurinhas, almanaques de curiosidades distribuídos em farmácias e muito mais, como colecionáveis: cartões postais, selos, moedas antigas, fotografias etc.
Aprendizagem invisível que trata o pesquisador Cristobal Cobo, vide postagem antiga no Educa Tube:

Aprendizagem Invisível: Como aprender apesar da escola? por Cristobal Cobo

domingo, 18 de agosto de 2019

A surpreendente intertextualidade entre a ficção e a realidade, de "Como o fascismo se instaura silenciosamente" (música, poesia, literatura e televisão)




O vídeo acima Como o fascismo se instaura silenciosamente, encontrei no YouTube e trata-se de uma forma didática de mostrar através da Poesia e da Política as relações intertextuais entre ficção e realidade, a partir de cena emblemática e multi premiadada série The Handmaid's Tale, criada por Bruce Miller em 2017, inspirada no livro O Conto da Aia (1985), da escritora canadense de Margaret Atwood que encontra reflexos na contemporaneidade, devido a quantidade de regimes autoritários que vêm se instaurando mundo afora e que dispensa nomeá-los, já que estão bem expostos e impostos à sociedade atual, disseminando Fake News, discursos de ódio, intolerância religiosa, política, racial, sexual e muito mais.
O mais assustador é que no livro e seriado, de certa forma conta a trajetória de milícias e religião assumindo o poder e transformando uma nação em um estado totalitário, fanático e militarizado, dividido em castas, chamado de República de Gilead. Um país dentro do país, em que as leis não valem mais, que a opressão vigora, e que o poder é exercido exclusivamente pelos homens. Lembra algo?!? [Vide resenha literária ao final desta postagem].
As legendas da cena acima, do referido e impactante seriado me remeteram, de forma intertextual, primeiro aos versos da canção Monte Castelo (1986) da banda Legião Urbana: "Estou acordado e todos dormem todos dormem, todos dormem", quando a protagonista do seriado acima diz: "(...) Eu estava dormindo antes. Foi assim que deixamos acontecer. Quando aniquilaram o Congresso, não acordamos. Quando culparam os terroristas e suspenderam a Constituição, também não acordamos (...)". A vida imitando a arte?!?
No segundo momento, o vídeo em questão me remeteu ao poema equivocadamente atribuído, ora a Berthold Brecht, ora a Vladimir Maiakóvski, chamado "No caminho com Maikóvski", mas que é de autoria do poeta brasileiro Eduardo Alves da Costa. Abaixo, fragmento do supracitado poema, escrito em Niterói, Rio de Janeiro, Brasil, em 1936:

“Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada”.


A seguir belíssima interpretação/declamação de Ivan Lima do poema "No caminho com Maiakóvski":



Por essas e outras que regimes autoritários perseguem terrivelmente poetas, escritores, filósofos, atores, cientistas e artistas, pois trazem luz à escuridão dos tempos que são cíclicos, ora de trevas, ora de luzes.
Dois ótimos vídeos para trabalhar questões intertextuais, inter e multidisciplinares (Filosofia, Poesia, Literatura, História, Memória, Cinema, Televisão, Tecnologia, Arte Cultura, etc).
Para complementar esta postagem, encontrei mais dois vídeos interessantes que ampliam a questão. Primeiro, uma criativa animação feita por Rodrigo Jolee, a partir de alguns versos do poema de Eduardo Alves da Costa e que serve para reflexão visual:



O outro vídeo é a resenha crítica de Tatiana Feltrin, sobre o livro O Conto da Aia, de Margaret Atwood que recomendo visualização:



sexta-feira, 16 de agosto de 2019

O Broto e o Feijão, o Sonho e a Imaginação: belo clipe que permite uma reflexão sobre a arte e a cultura na educação




O vídeo acima "Sprout and The Bean" (O Broto e o Feijão, tradução livre), descobri via Twitter de Raimundo Ferraz e seu perfil Oficina de Chuva de Petrópolis, Rio de Janeiro Brasil, que também é editor do blog Brasa Palavra.
Trata-se de um belíssimo videoclipe de Joanna Newsom em que mostra uma jovem no meio de uma sala de aula tocando harpa, enquanto no quadro verde se revezam imagens vivas feitas com giz numa alusão à própria educação e que automaticamente me proporcionou uma reflexão sobre o tempo e espaço de ensino e aprendizagem e da importância da arte e cultura, da criatividade e da imaginação, do uso da bagagem sentimental do professor junto ao alunado nessa mágica travessia entre a informação e o conhecimento, duas margens de um rio chamado Vida.
O clipe permite recordar ao leitor de livros e mundos que fui, sou e continuarei sendo, remetendo a clássicos da literatura como O Feijão e o Sonho, de Orígenes Lessa que conta a história de um casal: O Feijão, a esposa realista e o Sonho, o marido que deseja se tornar escritor, portanto um sonhador. Mais que isso, que o tocar um instrumento musical é uma analogia, metáfora com o tocar uma alma, despertar acordes interiores dos alunos para a intertextualidade dos textos escritos, as imagens do cotidiano, as memórias individuais e coletivas.
Um clipe que vale-se de diversos recursos como animação provavelmente em stop-motion no quadro verde com desenhos de giz, da música, da cultura, do circunavegar da câmera em torno daquela que canta e encanta, em um ângulo de 360 graus. Uma experiência imersiva como chamo, de levar e elevar o aluno a uma realidade, não apenas virtual (com datashow, computador, internet, etc), mas à realidade local da turma, da escola do bairro em que se insere, da cidade, estado, país. continente mundo, sistema solar galáxia, universo exterior e interior. Do micro ao macrocosmos, através de pequenas viagens reflexivas entre o conhecimento prévio que o aluno traz de casa em diálogo com o processo formal que a escola proporciona, não apenas de socialização, interação inclusão, mas de instrução e preparação para vida e o mundo.
Quem disse que não é possível conciliar o Feijão e o Sonho, razão e emoção?
Quem disse que não pode haver diálogo entre o concreto e o abstrato, o objetivo e o subjetivo, o ideal e o possível?
Quem disse que não pode haver intertextualidade entre Poesia e Filosofia, Literatura e Matemática, Química e Arte?
Observação: Abaixo, link para a letra e tradução da canção:

SPROUT AND THE BEAN

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

A Matemaníaca: Youtuber que faz sucesso com videoaulas sobre matemática no cotidiano e nas profissões




O vídeo acima POLÊMICAS MATEMÁTICAS: Aventuras da Juju, trata-se de um dos inúmeros vídeos produzidos por Julia Jaccoud, Youtuber que criou o canal com a proposta de gravar videoaulas para popularizar a matemática, mostrando como ela está presente no cotidiano.



Conforme apresentação do canal feita pela própria Júlia Jaccoud que, recém formada, possui Licenciatura em Matemática na Universidade de São Paulo (USP), Brasil: "O objetivo aqui é bater um papo e apresentar a matemática da maneira bonita e divertida que eu vejo! Você vai encontrar muitos debates, questionamentos e poucas aulas expositivas por aqui. Quero te apresentar a beleza da "inutilidade" da matemática, isto isto é, mostrar que a matemática vai muito além de sua aplicabilidade. Mostrar matemática como forma de arte!"
No vídeo em questão Júlia entrevista diversas pessoas como: Rogério Martins, Marcelo Viana, Artur Ávila, John Bush e Khadim War, que responderam sobre as polêmicas envolvendo a origem da matemática, (se ela foi criada ou descoberta) e também, se o zero pertence ou não aos naturais.
O canal A Matemaníaca já possui mais de 50 mil inscritos, e aborda diversos temas além da matemática, como as profissões (astronomia, química, ciência da computação, economia, arquitetura, música etc).
Abaixo, link para o referido canal de vídeos:

A Matemaníaca por Julia Jaccoud