CRIADO (ABRIL/2009) PARA INDICAR VÍDEOS DE E PARA EDUCADORES, ALÉM DE SUGERIR DIVERSOS RECURSOS TECNOLÓGICOS COM FINS EDUCACIONAIS.
Imagens: 3 filmes indicados aos educadores: A Cor do Paraíso e Filhos do Paraíso, de Majid Majidi (Irã) e Cinema Paradiso, de Giuseppe Tornattore (Itália).

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Expressão corporal, uma linguagem universal a ser refletida além de telas, vidros e espelhos




O vídeo acima, Girl Makes Dolphin Laugh (Menina faz golfinho sorrir, tradução livre deste blog), descobri via redes sociais e trata-se de curiosa e divertida ação de uma jovem humana que desperta com suas acrobacias a atenção de um outro mamífero, só que um golfinho dentro de um aquário gigante.
Mais do que acrobacia, o Educa Tube percebeu este vídeo como um pequeno exemplo de interação entre seres de espécies distintas do reino animal que estabelecem um interessante contato imediato, ainda que mediado pelo vidro do tal aquário, mas que permite refletir sobre o poder da expressão corporal como uma linguagem universal, e que muitos educadores já se apropriaram deste recursos como meio de sensibilização de um público em sala de aula ou em alguma atividade extracurricular.
Saber se expressar, não somente com os códigos escritos e de fala, mas com todo o corpo e alma é um talento natural para alguns, mas que requer exercício diário para outros.
Atualmente, mais do que nunca, o alunado parece um peixe no aquário, diante de telas, sejam de fones celulares, notebooks, televisores etc e saber despertar a atenção destes para o ensino formal é um desafio tão grande como o da menina acrobata. Mas como ela, há que ser autêntico, divertido, criativo, irreverente, para que seus gestos, mais do que sincronia possuam sintonia com o público alvo, sejam eles jovens mamíferos da espécie humana ou jovens mamíferos golfinho...
Conforme apresentação do referido vídeo, a jovem Bonnie Anna atua na FunDipped Productions, que é uma companhia de circo teatro baseada em Orlando, Flórida (EUA), dedicada à educação e ao mesmo tempo entreter todas as idades.
A arte, cultura, e acima de tudo, afetividade, criatividade, empatia são formas de encantamento, de motivação, mas ninguém sensibiliza o outro, nem a si mesmo, se não fizer algo com gosto, com vontade, sinceridade, sejamos professores de educação física, educadores ambientais ou qualquer atividade que exerçamos em sociedade.
A própria inclusão de TIC, mídias e redes sociais no ambiente escolar requer essa troca de saberes para que volume imenso - como um oceano profundo - de informação torne-se um mar navegável de conhecimento a todos. Do contrário, seremos eternos peixes fora d'água.
Eis algumas reflexões, além do vidro que separa a jovem do golfinho, que esta postagem traz aos visitantes do Educa Tube.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

“Sala de Estar dos Videogames”: Portal "Arquivo da Internet' libera cerca de 900 jogos de fliperama na web




Imagem acima, trata-se de notícia socializada pelo CANAL DO ENSINO a respeito de iniciativa do portal “Internet Archive” (Arquivo da Internet, ONG que preserva a memória da rede mundial de computadores, [que] liberou cerca de 900 jogos de arcade ou fliperama que foram sucesso entre as décadas de 1970 e 1990 para serem jogados no computador por meio dos navegadores (de preferência o Firefox).
Ainda conforme notícia: "Os jogos fazem parte de um dos esforços da entidade voltado à manutenção de games, chamado de “Sala de Estar dos Videogames”, criado em dezembro de 2013. Já eram oferecidos títulos para consoles clássicos como Ataria 2600, Atari 7800 ProSystem, ColecoVision, Magnavox Odyssey 2 e Astrocade.
Para disponibilizar games comuns em fliperamas, a Internet Archive criou uma nova categoria, a “The Internet Arcade”. Os games, como “Super Pac-Man”, “Golden Axe” e “Street Fighter II”, podem ser jogados no computador, graças a um trabalho de adaptação, que, porém, não é perfeito (Veja aqui)".

Uma iniciativa que serve também como diálogo entre gerações de pais e filhos, professores e alunos sobre o imaginário de cada geração a partir desta "Sala de Estar dos Videogames", que pode proporcionar essa interação entre jovens e adultos.
Segundo Jason Scott, que integra o projeto JS MESS, há a intenção de "disponibilizar na internet emulações de todos os sistemas já criados, para que sejam executados por qualquer navegador. Já foram alvo do trabalho desse grupo os sistemas de consoles como Master System II, Neo Geo, Nintendo GameBoy, além do sistemas de computadores da Apple, Ataria, Comodore e Tandy.
Para Scott, algumas pessoas vão jogar títulos pela nostalgia, outras tentarão games dos quais nunca ouviram falar. 'Minha esperança é que um punhado, uma pequena porcentagem, começará a construir formas de usar esse material em pesquisa, em textos e remixando esses velhos games para entender seus contextos'".

Abaixo, link para visitar o referido portal de jogos:

ARQUIVO DA INTERNET - VIDEOGAMES

sábado, 18 de outubro de 2014

WhatsApp: Colégio usa aplicativo para se comunicar com pais de alunos e Projeto o utiliza para contar histórias a crianças




O vídeo acima Colégio usa WhatsApp para se comunicar com pais de alunos, descobri no Twitter do Olhar Digital e como o próprio nome indica, trata-se de iniciativa "Para aumentar a participação dos pais no processo de aprendizagem dos filhos e oferecer mais segurança, [em que] algumas escolas passaram a adotar ferramentas tecnológicas já bastante conhecidas do nosso dia a dia. Neste colégio, em São Paulo, os telefonemas e reuniões presenciais deixaram de ser o principal canal de comunicação entre pais e mestres".
O WhatsApp é um aplicativo "de mensagens multiplataforma que permite trocar mensagens pelo celular sem pagar por SMS. Está disponível para smartphones iPhone, BlackBerry, Windows Phone, Android e Nokia".
Pesquisando nos vídeos correlatos do portal do programa OLHAR DIGITAL, encontrei este interessante Projeto usa WhatsApp para contar histórias a crianças (abaixo):



Como disse Pedro Penteado, publicitário, usar algo individual (o celular e seu aplicativo) de forma colaborativa. Bela, simples e criativa iniciativa educacional, tecnológica e social. Educação, tecnologia, sociedade e solidariedade.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Jogos para a educação infantil e anos iniciais




A imagem acima é do portal Educação Infantil que reúne jogos educativos online para a educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental, divididos em categorias como Alfabeto, Coordenação Motora, Datas Comemorativas, entre outras atividades e possibilidades, descobri visitando o blog Oficina de Educação, da colega e amiga Gládis Leal Santos, educadora de Joinville, SC, Brasil.
Abaixo, link para o portal educacional:

JOGOS EDUCAÇÃO INFANTIL

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Sapato de moedas: animação de inestimável valor




O incrível vídeo acima Sapato de Moedas, descobri nas redes sociais e mais do que uma divertida animação em stop-motion brincando com o imaginário feminino - que é o gosto pelos sapatos - é um vídeo que serve para discutirmos criatividade, criticidade, arte, cultura e sociedade etc.; quando são reunidas dezenas de moedas com um resultado surpreendente.
Algo que serve para pensar a possibilidade de criação de outras animações deste tipo, em parceria entre professores e educadores, utilizando outros materiais.

sábado, 11 de outubro de 2014

O Castelo Mágico (oficina de criação literária com alunos de pré-escola)




O vídeo acima, O Castelo Mágico, trata-se uma História de fadas, resultado de oficina de Lego Poema com os pequenos escritores da pré-escola, turma da professora Daniele Medeiros, da EEEF Adelaide Alvim, Rio Grande, RS, Brasil, ministrada pelo educador José Antonio Klaes Roig (editor do Educa Tube Brasil), no dia 06/10/2014, durante I Feira do Livro da escola, utilizando de peças coloridas de montar (para mostrar como se formam palavras, frases e contos), livros infantis (pedindo que alunos selecionassem uma palavra ou imagem) e de slides da história “O menino que queria voar”, escrita por ele e ilustrada por seu filho Allan, em 2013.
Com estas palavras soltas no quadro verde da escola, em parceria com a prof. Dani, usando editor de texto e datashow fomos organizando-as em grupos, depois em frases de uma pequena narrativa infantil que tornou-se “O castelo mágico”.
Posteriormente, a professora Daniele aceitou o desafio deste educador de as crianças ilustrarem a própria história, reunindo texto e imagens no livro acima.
Um presente que este educador, escritor e poeta recebeu dos alunos e professores da EEEF Adelaide Alvim, quando da abertura da I Feira do Livro, do qual é patrono, no dia 10/10/2014 e que tem um valor profissional e sentimental incalculáveis. E que é uma ótima postagem para o Dia das Crianças. :-))

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Câmera colocada em camelo faz mapeamento de deserto pelo Google Street View




O vídeo acima, Explore Liwa with Google Maps - Google , descobri no Twitter, via Revista Superinteressante e trata-se de exploração pelo Google Street View (que é o mapeamento do Google Maps em 3 dimensões) de deserto nos Emirados Árabes Unidos, próximo ao Oásis de Liwa, um sítio agrícola de Al Gharbia (Região Oeste).
Conforme dados: "A câmera do Google foi carregada pelo camelo Raffia, de 10 anos, que passou um dia inteiro percorrendo o local".
O resultado pode ser visto no link abaixo:

Explore o deserto de Liwa com o Google Mapas

Pensando como educador, sem toda a sofisticação tecnológica do Google Maps, bem que os professores de uma escola poderia mapear o entorno da mesma com fotos e vídeos de seus alunos, capturados por câmeras fotográficas,m telefones celulares, tablets etc e montar depois uma exposição sobe este múltiplo olhar dos alunos sobre sua comunidade.
Mais que isso, todo bom educador deveria mapear o espaço de seu alunado, seja por fotografias e/ou entrevistas, para com essa base de dados pensar estratégias de interação educacional.
Abaixo, link para outras expedições de mapeamento do Google na Amazônia:

O Google Maps vai à Amazônia

domingo, 5 de outubro de 2014

A geometria da natureza: Vídeo em time-lapse mostra a formação de flocos de neve




O belíssimo vídeo acima, Snowtime (Tempo de neve), encontrei nas redes sociais, via portal Somente Coisas Legais e foi gravado pela técnica do time-lapse (processo cinematográfico em que a frequência de cada fotograma ou quadro - frame - por segundo de filme é muito menor do que aquela em que o filme será reproduzido. Quando visto a uma velocidade normal, o tempo parece correr mais depressa e assim parece saltar - lapsing).
Vídeo "gravado com ajuda de microscópio por Vyacheslav Ivanov" e que mostra o processo de cristalização de flocos de neve e toda sua beleza geométrica, que ocorre a todo instante na natureza.
Vendo este vídeo lembrei-me doutro vídeo que trabalha com questões matemáticas e geométricas, logo abaixo:

A NATUREZA DOS NÚMEROS

sábado, 4 de outubro de 2014

A Sinfonia do Gol: pentagrama musical diferenciado unindo arte e matemática




O vídeo acima, The Goal Symphony (A Sinfonia do Gol), descobri no portal Hypeness e trata-se de criativo projeto do grupo JWT (formado por Raphael Taira, Caio Lekecinskas e Flavio Bernardes de Paula) que une ilustração, animação, música e matemática em um resultado surpreendente, pois transforma em "pentagrama musical diferenciado" a movimentação dos jogadores durante a jogada de futebol que terminou em gol, durante a Copa do Mundo no Brasil, em 2014.
No vídeo acima é "musicada" a jogada que levou ao gol do jogador Neymar, do Brasil, contra Croácia (3 x 1 ), na abertura da Copa do Mundo.
Foram criadas músicas para os gols considerados os mais bonitos e os jogadores tornaram-se notas musicais, e a combinação destas notas e sua movimentação em campo, geraram uma pequena sinfonia.
Uma criativa e original ideia com um resultado que une diversas formas de arte e cultura aliadas à educação musical e matemática. Um exemplo cristalino da interdisciplinaridade que pode inspirar a educadores e ser adaptada a projetos educacionais.
Para ver e ouvir outros gols desta curiosa sinfonia, basta clicar no link abaixo:

THE GOAL SYMPHONY

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Construa uma Escola na Nuvem: O Desafio de Sugata Mitra




O vídeo acima Construa uma Escola na Nuvem, descobri nas redes sociais e trata-se de apresentação ao TED 2013 do pesquisador educacional Sugata Mitra, reconhecido mundialmente por conta de seu projeto Buraco no Muro, em que colocou um computador com internet entre o muro que separava a empresa em que trabalhava e uma das maiores favelas de Nova Deli, Índia, observando os resultados da interação de crianças com equipamento e língua (inglesa) que desconheciam. Uma metodologia que Mitra denominou de Ambientes de Aprendizado Auto-Organizáveis (AAAO) em que as crianças são convidadas ao desafio de aprenderem sozinhas - sem o auxílio direto de um professor - mas interagindo uns com os outros, ensinando e aprendendo de forma coletiva.
No vídeo em questão, mais que uma proposta, trata-se de um desafio que Mitra pede ao público: "ajudem-me a projetar a Escola na Nuvem, um laboratório de ensino na Índia, onde crianças podem explorar e aprender umas com as outras - usando recursos e monitoria da nuvem".
Sua fala inicia com um questionamento essencial neste século XXI: "Qual o futuro da aprendizagem?" E em seguida rememora a história da educação e da escola, considerando a primeira como a grande máquina administrativa burocrática criada pelo império britânico, 330 anos atrás e que ainda continua atual e imutável sob diversos aspectos, dentre eles, de que a escola continua sendo a máquina feita para produzir pessoas para a outra máquina, uma engrenagem social, que me lembrou o documentário Escolarizando o mundo: o último fardo do homem branco.
Mitra, em sua fala, declara algo que todos sabemos: a está escola obsoleta e sistema de ensino desatualizado. Espaço e tempo escolar do século XXI ainda tenta reproduzir espaço e tempo do século XIX e as TIC, ainda, penso eu, são vistas como ferramentas de repetição, mecanismos de robotização e nem tanto de criação. Prova disso está na assertiva de Sugata de que é preciso "saber ler com discernimento", pois do livro impreso ao e-book, ainda falta ler e interpretar um texto - independente do veículo em que está expresso - de forma clara, o que nem sempre ocorre, haja a vista as falsas polêmicas que ocorrem no cotidiano, fruto de leituras rasas sobre temas complexos.
Há de fato que a "educação preparar pessoas para um mundo que ainda não existe, para trabalhos que ainda não foram inventados" e equipamentos que ainda são ficção científica. E para isso, o sistema de ensino, a escola, os gestores públicos e escolares, os professores e a comunidade escolar precisam dialogar, conhecer uns aos outros, sem o qual será impossível estes desafios serem superados.
Pensar a escola na nuvem, perdoem-me o trocadilho, mas parece algo ainda nebuloso para boa parte dos educadores que ainda resistem a utilizar as TIC - Tecnologias da Informação e da Educação de forma pedagógica e não apenas recreativa em seu fazer pedagógico.
Mas a ideia que Sugata Mitra, a partir de suas experiências, nos brinda é de que ocorre "o aprendizado como o produto da auto-organização educacional" também, quando crianças e jovens, e também adultos são desafiados a tarefas em grupo, utilizando o que alguns denominam de "inteligência coletiva" que é essa soma de saberes que se organizam através de trocas de informações que gerem conhecimento mútuo. Algo extremamente relevante em um modelo civilizatório, ás vezes excludente, individualizante e consumista.
Há que se ter, apesar disso, o incentivo do professor para que esse processo seja acompanhado, como o próprio Mitra o fez, para que possa ser avaliado e dado continuidade... Afinal, já dizia Paulo Freire: "Ninguém nasce feito, é experimentando-nos no mundo que nós nos fazemos" e conforme texto atribuído ao escritor José Saramago: "Sabemos muito mais do que julgamos, podemos muito mais do que imaginamos".
Construir uma Escola na Nuvem é um dos grandes desafios da educação do século XXI, a medida que possibilita uma interação ampla, além do espaço e tempo tradicionais, permitindo que o professor crie pastas e material pedagógico para ser utilizado extraclasse e extracurricularmente em proveito de todos, estimulando estas trocas de saberes entre alunos, professores, escola e comunidade escolar. Imaginem disponibilizar vídeos e áudios, imagens e textos e tudo mais, produzido no ambiente escolar e fora dele, não apenas aos alunos, mas a outros professores da escola e inclusive aos pais e/ou responsáveis pelos alunos, que poderão não apenas acompanhar o processo de desenvolvimento escolar do aluno, como faz parte deste processo de escolarização além da própria escola, no ambiente familiar. Algo desafiador e inspirador, que Sugata Mitra nos convida a construir coletivamente, mundo afora.

Observação: Ativem legendas na barra inferior esquerda da janela do vídeo acima.

sábado, 27 de setembro de 2014

Câmera escondida na Autoescola – Direção Agressiva (Viver seguro no trânsito)




O vídeo acima Câmera escondida na Autoescola – Direção Agressiva, trata-se de campanha do portal Viver Seguro no Trânsito, que aproveitou o tema da Semana Nacional do Trânsito 2014 - Cidade para as pessoas: Proteção e Prioridade ao Pedestre e fez um teste com futuros motoristas.
Interessante a reação de pessoas que estão aprendendo a dirigir, diante das atitudes de um instrutor que quer ensiná-las a fazer coisas absurdas ao volante. Situações que usualmente o mau motorista faz no cotidiano.
Mesmo assim, sem saber que estavam sendo filmados, os aprendizes demonstram a sua inconformidade com o que esta sendo pedido. Assim acontece na vida escolar, quando o aprendiz percebe que o mau educador ou explica algo errado, ou demonstra inaptidão para a disciplina ou conteúdos ministrados.
Segundo dados da apresentação do vídeo no You Tube: "nosso trânsito é um dos mais violentos do mundo, fazendo em média 150 vítimas fatais todos os dias".
Abaixo, outro vídeo cujo tema é a segurança no trânsito, intitulado A última mensagem para Pedro, uma campanha sobre o risco do uso de celular no trânsito. Material feito para a Disciplina de processos psicológicos básicos, disciplina Psicologia UFSM, RS, Brasil:



quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A semente do nosso futuro: Pais colocam sementes em cápsula do tempo para serem plantadas pelos filhos no futuro




O vídeo acima A semente do nosso futuro, descobri no portal Hypeness e trata-se de iniciativa de empresa de tratores de homenagear o Dia dos Pais, a partir de uma ideia simples e ao mesmo tempo universal e atemporal: "Pais colocam sementes em cápsula do tempo para serem plantadas pelos filhos no futuro".
Como bem destaca o Hypeness: "A vida é o resultado de nossas escolhas e essa é uma metáfora perfeita do plantio. Viver é semear diariamente, e cada uma dessas sementes resulta em algum fruto no futuro. Talvez o maior exemplo disso seja a relação que temos com os nossos pais. Escolher ter um filho é plantar uma semente no mundo. É preciso muito cuidado, carinho, proteção, e atenção para que ela sobreviva às adversidades da vida e consiga gerar excelentes frutos. Não é um trabalho fácil. Por isso, homenagear os pais nunca é demais".
A empresa, segundo dados, "viajou pelo país atrás de histórias de pais que estão realizando o rito de passagem de suas propriedades para os filhos. Além de gravar as histórias das famílias em um mini-documentário emocionante, eles coletaram as melhores sementes da safra atual de cada propriedade. Eles então enviaram estas sementes para um laboratório, passando elas por um processo que garante que elas durem por muito tempo. Depois disso, as sementes ganharam cápsulas especiais, e foram entregues aos pais, para que eles pudessem presentear seus filhos, simbolizando a continuidade da vida".
De fato, algo que remete à educação enquanto sentido mais amplo de pais com filhos, professores com alunos, em que cada qual passa à geração futura parte de sua herança de vida... Ou como dizia um radialista de uma rádio do interior, quando o editor deste blog era menino: "Da vida se leva a vida que se leva".
Os filhos e os alunos são a semente que plantamos no presente, e o nosso presente poderá ser o futuro deles, plantado agora para ser colhido um dia.
Que tal, educadores - sejam pais ou professores - reunirem numa cápsula do tempo - como faço com meu filho - seus trabalhos, fotos, e outras coisas para ao final de cada ano rever e refletir sobre essa plantação de sonhos e projetos, para futura colheita de resultados positivos?
Os professores de história poderiam falar sobre outras cápsulas do tempo, através de fotos e jornais antigos, de uma biblioteca escolar, uma visita a um museu, digital ou não, etc.
O editor deste blog tem uma pasta - que breve será uma caixa - com desenhos, cartões, mensagens e outras coisas que seu filho lhe presenteia - como uma cápsula do tempo - para um dia, quando este for adulto fazer o mesmo com seu herdeiro. :-)) Os valores e limites que passamos aos filhos e alunos são nossa melhor semente, que um dia darão bons frutos...

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Comovente exercício de alteridade: Pais também engravidam




O vídeo acima, Huggies: Dad's pregnant too (Pais também engravidam), descobri no Pavablog e trata-se de campanha de empresa de produtos higiênicos para bebês, produzido pela filial da Argentina para o Dia dos Pais do ano passado.
Como destaca o blog: "A ação permitiu que os pais sentissem fisicamente em suas barrigas o mesmo que as mães, quando o bebê chuta ainda dentro do útero. Isso só foi possível graças a um cinto que reproduz em tempo real as sensações causadas pelos movimentos do bebê, oferecendo uma experiência inesquecível aos emocionados participantes. A criação foi da agência Ogilvy & Mather".
Uma bela iniciativa que envolve publicidade, tecnologia, educação e sociedade, e que é para o Educa Tbe Brasil um belíssimo exercício de alteridade (de se colocar no lugar do outro). Somente passando pelas sensações que o outro passa - no caso, uma mãe - é que alguém pode dar-se conta daquela realidade. É comovente ver a emoção de pais sentindo os movimentos do filho, como se estivessem dentro de si, algo único e só sentido em sua plenitude por uma mãe. Mas pais de fato engravidam quando gravitam em torno da barriga de uma mãe, acompanhando a maternidade de ambos. :-))
Assim deveriam ser pais e filhos, professores e alunos, também, colocando-se vez em quando, um no lugar do outro, conhecendo a realidade de cada um. Muitos dos problemas de relacionamento e choques de geração poderiam ser evitados com uma simples expedição ao mundo de outrem, além do próprio umbigo.
Um belo vídeo que se presta a diversas reflexões.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

"O que você está pensando?" : Vídeo mostra como a felicidade “editada” das redes sociais não é real




O vídeo acima What's on your mind? (O que você está pensando?), descobri no portal Hypness e "mostra como a felicidade 'editada' das redes sociais não é real".
Um material para refletir sobre o cotidiano digital e real, em que pessoas cada vez mais compartilham fotos, imagens, vídeos mas nem sempre se relacionam de fato uns com os outros. Algo que nos propõe a pensar se de fato a felicidade é tão maravilhosa como mostrada em perfis de redes sociais. Se é preciso viajar, se expor tanto para se sentir feliz...
O título do vídeo de Shaun Higton é uma alusão à frase do Facebook e questiona este conceito do que é ser feliz.
Como educador - pai e professor -, além de editor deste blog, penso que em matéria de felicidade e realização pessoal e profissional, os verdadeiros projetos de vida e de trabalho eficientes e sustentáveis são os mais simples, que permitem justamente a continuidade, seja no ambiente escolar, familiar, social. Coisa que fazemos por que gostamos, que permitem as trocas de experiências com amigos e colegas seja online ou off, seja em tempo real ou armazenado em blogs e perfis de redes sociais.
A realidade é que, em contraponto, existe muito projeto educacional interessante que é pouco divulgado, curtido e compartilhado, pois seus autores acham se tratar de algo simples que todos fazem. Ou que divulgando-os serão taxados de exibicionista. Tudo depende de bom senso. Mas é justamente essa simplicidade que poderá incentivar outros professores e alunos mundo afora, adaptando ideias interessantes feitas numa comunidade para uma outra realidade local.
Ser feliz é acima de tudo fazer algo simples, eficiente e que possibilita a aprendizagem mútua. E, evidentemente, quando compartilhado em rede, que seja feito com bom senso, autocrítica e autorização de terceiros envolvidos.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

HQ digital feita com 14 telas de equipamentos eletrônicos em sincronia e mobilidade




O vídeo acima, que descobri via Twitter da amiga Elenara Stein Leitão a partir de postagem do portal do Rodrigo Toledo, e que trata-se de clipe da música Knock Knock (algo como onomatopeia para uma batida numa porta), da banda ucraniana Brunettes Shoot Blondes, que utilizou 14 telas de equipamentos eletrônicos (6 iPhones, 4 iPads, 1 iPod e 3 MacBooks) para contar uma espécie de criativa e original HQ (história em quadrinhos) digital, que ocorre em sequência de uma tela para outra, demonstrando total sintonia, sincronia, convergência e mobilidade entre os aparelhos e os seus usuários.
Algo que une arte (curta-metragem, música, cinema) com tecnologia de ponta.
Um exemplo das inúmeras possibilidades de comunicação, interação e criação que tablets, iphones, ipads, notebooks e outros equipamentos eletrônicos podem proporcionar, não apenas na arte, mas na educação e na sociedade, se educadores - pais e/ou professores - possibilitarem que conceitos como mobilidade, portabilidade, convergência, interação, multifuncionalidade, multifocalidade e outros deixem de ser apenas focados em maquinários e passam a ser utilizados - além de teorias progressistas pra práticas conservadoras - junto com usuários, em especial, os alunos, permitindo que tais equipamentos - na maioria proibidos ou usados de forma recreativa no ambiente escolar e familiar possam ser pensados de forma artística, cultural, educativa e social.
Existem outras tantas possibilidades de utilização de inúmeras funções de smartphones, tablets, notebooks etc serem usados na educação, de forma instrutiva, e basta fazer uma pesquisa no mundo virtual para achar preciosidades como este vídeos e outros mais.
No vídeo e na reportagem não existe menção das técnicas utilizadas, mas pode-se notar que a animação foi feita em partes, cada uma disponibilizada em um equipamento (tela) para serem sincronizadas e utilizadas numa sequência pré-estabelecida. Uma narrativa visual sem diálogos que bem poderia ter sido feita em stop-motion, via apresentação de slides, depois gravada como arquivo de vídeo e baixada para os equipamentos.
Independente da maneira como foi feito e de quais softwares e recursos utilizados, o que mais importa neste vídeo é o conceito de mobilidade e convergência entre pessoas e suas telas.

domingo, 21 de setembro de 2014

#PensadoresTIC - Martha Gabriel fala sobre o papel do novo professor e o uso das TIC na educação




O vídeo acima #PensadoresTIC, trata-se de fala de Martha Gabriel, "pesquisadora brasileira - considerada uma das 100 maiores especialistas em tecnologia no mundo - que fala sobre o papel do novo professor e o uso das TIC na educação; e discute com exclusividade para o Instituto Claro o novo papel de professores e alunos em um mundo em que real e virtual estão cada vez mais interligados. Ela defende ideias centrais, como a de cibridismo, e afirma que os problemas que ainda enfrentamos de infraestrutura (como o acesso à banda larga longe do ideal) não podem impedir os avanços".
Para saber mais sobre o tema, leia a reportagem completa na série #PensadoresTIC, no link abaixo, e conheça conceitos como cibridismo (corpo virtual), professor digital e mediador do conhecimento:

#PensadoresTIC - Instituto Claro

De fato, o professor do século XXI precisa estar mais conectado ao mundo do aluno, seja de forma digital ou não. Requer que conheça certos recursos, experimentando-os sozinho, com outros colegas e, principalmente, com os alunos, para ver possibilidades pedagógicos para equipamentos tecnológicos. Enfim, para ensinar em tempos de TIC,m requer antes aprender as potencialidades das Tecnologias da Informação e da Comunicação no espaço escolar, pensando a educação além da sala de aula (via redes sociais digitais) e além do tempo e espaço escolares convencionais. O termo conectividade e mobilidades associados apenas aos equipamentos e não às pessoas envolvidas num ambiente de ensino-aprendizagem torna-se paradoxal, pois pessoas mais do que máquinas é que precisam ter esta mobilidade além do espaço físico tradicional - fazendo pequenos "tours" pelo entorno da escola - e conectando-se num sentido educacional e social, não apenas tecnológico. De nada adianta utilizar notebooks, tablets, telefones celulares na escola, se não houver uma conectividade do ponto de vista afetivo e educativo.
Eis o grande desafio da educação neste século: tornar realidade esta virtualidade. Promover a convergência não só de equipamentos mas de pessoas.
Se é uma geração audiovisual que lida diariamente, via celular e internet como vídeos, clipes, filmes, músicas, dança, esportes, games que são linguagens visuais, corporais etc, cabe ao professor tornar-se um arte educador e um mídia educador, incorporando ao seu fazer pedagógico recursos tecnológicos que seus filhos e alunos utilizam mais de forma recreativa, nem sempre educativa, tornando o lazer em aprendizagem e ensino mútuos, à medida que aluno e professor interajam como piloto e navegador em uma prova de conhecimento, como uma corrida de rally, em que quem dirige o veículo é o jovem alunado, mas quem orienta e conduz essa navegação é o professor. Mais que uma metáfora, um dilema e um desafio a serem ultrapassados para que todos sejam vencedores.