CRIADO (ABRIL/2009) PARA INDICAR VÍDEOS DE E PARA EDUCADORES, ALÉM DE SUGERIR DIVERSOS RECURSOS TECNOLÓGICOS COM FINS EDUCACIONAIS.
Imagens: 3 filmes indicados aos educadores: A Cor do Paraíso e Filhos do Paraíso, de Majid Majidi (Irã) e Cinema Paradiso, de Giuseppe Tornattore (Itália).

domingo, 23 de agosto de 2015

Educação.doc (Série de 5 documentários sobre a Educação)




O vídeo acima Educação.doc - Levanta o Braço, descobri visitando o Portal Educador, e trata-se do Episódio 1, de uma série de cinco documentários sobre Educação, com média de 25 minutos casa, produzidos por Láis Bodansky e Luiz Bolognesi, visitando algumas escolas públicas brasileiras, de um universo de 180 mil, colhendo ótimos depoimentos de professores, gestores, pais, alunos, pesquisadores e outras pessoas ligadas ao tema, com diversas passagens relevantes para um amplo debate sobre o papel da escola e da Educação na sociedade.
Neste primeiro episódio, conforme apresentação:

A Chapada Diamantina é uma região pobre, localizada no interior da Bahia e que está chamando a atenção dos especialistas, pela surpreendente qualidade do ensino em 20 municípios da região.
Tudo isso tem uma explicação muito especial: eles conseguiram que as mudanças na política, não interrompam os projetos na educação.
Escolas convidadas: E.M. de Caimbongo (Ibitiara) e E.E. Prof.ª Ivani Oliveira (Seabra).

No segundo vídeo, Educação.doc - Diretor de Harmonia | Episódio 2 (logo abaixo):

Além de se abrir para a comunidade, a Escola Municipal Presidente Campos Salles está dando uma aula de democracia. Localizada em uma das maiores favelas de São Paulo em Heliópolis, essa escola sem muros, está conseguindo virar o jogo na luta contra a violência.
Enquanto em Andaraí, no Rio de Janeiro... a Escola Municipal Epitácio Pessoa precisa pedir para os alunos irem para casa, porque lá eles gostam mesmo é de estudar!



O Educa Tube Brasil destaca algumas falas que são mais que interessantes, não apenas como relato mas propostas educacionais como: "Foram estabelecidas prova orais, debates, ao invés de provas escritas, tradicionais; o aprender a história de cada um, antes da história do estado, país, mundo; a escola dos sonhos, escrita em nuvens de papel e coladoss estes cartazes nas paredes da própria escola, para reflexão e acompanhamento".

No terceiro vídeo (logo a seguir), Educação.doc - Eu Acredito | Episódio 3, a apresnetação destaca que:

Em uma pequena cidade de economia rural, em um dos estados mais pobres do Brasil, a Escola Augustinho Brandão em Cocal dos Alves (PI), já acumula dezenas de medalhas em Olimpíadas de Matemática e Química, e prêmios nacionais de astronáutica, astronomia e física. No Enem, está acima da média nacional.



É demonstrado no vídeo acima que o foca principal do processo educacional é o aluno, e que o professor, se quer ser gestor ou outra atividade na escola, que seja por opção e qualificação, mas não por que quer sair da sala de aula.

No quarto vídeo, Educação.doc - Linha na Pipa | Episódio 4, mostrando:

No Rio de Janeiro, em Padre Miguel, uma escola está conseguindo diminuir a taxa de abandono escolar. O Colégio Estadual Monsenhor Miguel de Santa Maria Mochón inova em suas aulas, criando projetos que deixaram os currículos mais atrativos e lá os alunos gostam da escola!



Este episódio, por sinal, com a participação de Emicida, traz um interessante depoimento do ex-aluno e hoje famoso cantor, de que "os quadrinhos foram uma porta maravilhosa para a literatura" e que "a professora Rita de Cássia entendeu que os quadrinhos eram uma porta fundamental" para que ele entendesse seu conteúdo, transformado em quadrinhos pela dedicada educadora. Conforme Emicida: "O livro é uma porta que deve estar sempre aberta e não deve ser lido por obrigação", fato que o Educa Tube Brasil concorda plenamente, pois o livro trabalha o imaginário do leitor e abre realmente uma porta para outra dimensão do conhecimento.

Por fim, o quinto e último vídeo da série, Educação.doc - Escola do Futuro | Episódio 5, pergunta:

Como será a ESCOLA DO FUTURO?
Neste episódio, os cineastas acendem os holofotes para uma importante reflexão: como será a escola daqui a 50 anos? Quem responde são professores, alunos, diretores e pensadores.



Destaco fala de professor que diz que se "planeja o futuro, com base no passado", algo que me remete a expressão ciunhada por um amigo meu, de "Paradoxo do Curupira", entidade das florestas e lendas brasileira, que para fugir de seus perseguidores, tem os pés invertidos, coonfundindo que seguir seus rastros. NO caso desse paradoxo, disse meu amigo que "nós somos o Curupira, com os olhos voltados para o futuro, mas os pés virados e plantados no passado". Algo para refletir sobre as ações pedagógicas que muitas vezes são desenvolvida sindividualmente pelço professor e depois encampadas pela escola, mas não se tratam normalmente de um projeto político pedagógico da instituição, mas uma exceção.
O relato do educador em que a música ligada ao conteúdo, a partir de Vivaldi, Luiz Melodia, Cartola, Egberto Gismonti, que o professor pode trazer para seu fazer pedagógico, unindo arte e cultura à educação é algo que o Educa Tube Brasil sempre vem destacando em suas postagens.
E o mais interessante em tudo é a declaração de diversos educadores e gestores de que "a boa educação não é por acaso" e de que as boas escolas encontram um modo próprio de funcionar. Uma grande verdade que precisa ser destacada, divulgada, debatida com outras escolas e educadores do país.

sábado, 22 de agosto de 2015

Literatura Fundamental e Universal (Série de Entrevistas da TV Univesp)




O vídeo acima, Literatura Fundamental 83: As Aventuras de Huckleberry Finn, trata-se de entrevista com Alzira Allegro (tradutora e professora de literaturas de língua inglesa Alzira Allegro, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, SP, Brasil), para a série da TV Univesp, intitulada Literatura Fundamental, com clássicos da literatura universal, neste caso, o episódio nº. 83, com a obra de Mark Twain.
Conforme apresentação no portal da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP):

A UNIVESP TV reuniu, em uma playlist, autores e obras da literatura universal. Entre as obras selecionadas estão: Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes Saavedra; Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões; O Estrangeiro, de Albert Camus; Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust, entre outros grandes nomes da literatura mundial.
O especial de vídeos faz parte do programa Literatura Fundamental, que convida especialistas para comentar as obras. Os professores entrevistados compõem os quadros das principais universidades do país e até dos Estados Unidos: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Universidade da Califórnia Davis.

Para assistir às demais entrevistas do programa Literatura Fundamental, basta clicar no link abaixo:

LITERATURA FUNDAMENTAL - TV UNIVESP

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Manuel Castells e a obsolescência da educação e na sociedade




O vídeo acima A obsolescência da educação, descobri nas redes sociais e trata-se de fragmento de entrevista de Manuel Castells, sociólogo espanhol, ao Fronteiras do Pensamento (2013), em que "analisa o sistema de ensino contemporâneo na era da rede. De acordo com Castells, além de informar, a escola sempre interpretou outro papel: transmitir os valores dominantes e as formas de poder - as normas que as crianças precisarão aprender para viver em sociedade. Porém, argumenta, a obsolescência destes papeis nunca foi tão grande. Primeiramente, porque 80% da informação mundial está contida na Internet. Segundo, porque as instituições de ensino estão preparando "objetos submissos", que não podem ultrapassar o conhecimento do professor, que não deve ser desafiado, algo visto na proibição do uso da web nas salas de aula. Ou seja, as relações verticais de poder seguem perpetuadas e a interação e a construção conjunta do conhecimento seguem negadas".
Uma ótima fala de Castells que me remeteu imediatamente ao videoclipe The Wall, da banda Pink Floyd, em sua ácida visão sobre a escola tradicional, e suas formas de poder, vide abaixo:



Entrevista e videoclipe para refletir sobre a obsolescência da educação e do modelo calcado na trasmissão de informação, quando esta de fato está a disposição do alunom cabendo ao educador ser esse mediador, organizador e transformação da informação em conhecimento, em atividade menos mecânicas e mais significativas, utilizando metodologias e didáticas que favoreçam a interação, em que as tecnologias, mídias e redes sociais, vistas e utilizadas em um contexto de trocas de experiências, divulgação de projetos e atividades, canal de comunicação com a sociedade.
Como resslata Castells, a partir de dados que toda a informação do mundo, cerca de 90% digitalizada e 80% na internet, e que cabe ao professor e escola estabelecerem critérios de acesso e utilização.
O termo obsolescência, normalmente é utilizado aos equipamentos que em pouco tempo, de atuais, já estão ultrapassados, e de cobicação como sonho de consumo, logo já tornam-se lixo eletrônico ou peças de museu.
Entretanto, cabe aos educadores e à própria educação buscarem formas de não tornarem-se também obsoletos, ultrapassados, passíveis de substituição por máquinas, ou tornarem-se seres autômatos, meros reprodutores de conteúdo pré-estabelecido, padronizado, sem lçevar em conta a realidade local.
Para ampliar o conceito de obsolescência, indico abaixo, postagem do Educa Tube Brasil:

Obsolescência Programada e a Sociedade de Consumo (documentário: Comprar, jogar fora, comprar)

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Jogos online e gratuitos para aprender Física e Química (Via Catraca Livre)




A imagem acima, do seriado de TV, "Big Bang Theory", é meramente ilustrativa de postagem que encontrie no portal CATRACA LIVRE sobre como aprender FÍSICA (link abaixo), de forma divertida, através de 10 (dez) jogos online e gratuitos, que recomendo a professores e alunos que seguem este blog educacional:

10 joguinhos online e gratuitos para aprender física



No mesmo portal, logo abaixo, há também outros 10 (dez) jogos para aprender QUÍMICA (imagem acima do seriado "Breaking Bad"), de forma divertida, gratuita e online:

10 joguinhos online e gratuitos para aprender química

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O Uso das Tecnologias nas Séries Iniciais da Escola Básica (Vídeo em 4 partes)




O vídeo acima O Uso das Tecnologias nas Séries Iniciais da Escola Básica, descobri via Facebook do colega e amigo José Carlos Antonio, educador de Santa Bárbara do Oeste, SP, Brasil, editor do blog Professor Digital.
Trata-se da "primeira de quatro partes [as demais, ao final desta postagem] de um vídeo de Paloma Chaves sobre o uso das tecnologias nas séries iniciais da escola, produzido pelo Instituto Crescer para a Cidadania para o projeto "Diálogos e Subsídios de Formação", voltado para os professores da Rede Salesiana de Escolas (RSE) do Brasil".
Paloma demonstra que as tecnologias podem, tanto ser usadas como recurso transversal a serviço do currículo e das demais disciplinas (primeira abordagem) ou como um componente curricular (segunda abordagem), cujo conteúdo é a própria tecnologia (robótica e programação).
O material audiovisual está organizado, então em quatro partes: Duas partes teóricas, uma de multiletramento e outra sobre competências; o terceiro bloco, com ideias práticas de uso das TIC, como ferramenta a serviço currículo, e, por fim, as ideias práticas como componente curricular, para crianças de 4 a 6 anos.
Abaixo, demais partes do vídeo em questão:







domingo, 16 de agosto de 2015

Poeminha do Contra: Belo e poético curta-metragem de animação


Mario Quintana <3

Posted by Leituras Compartilhadas on Terça, 17 de março de 2015


O vídeo acima Poeminha do Contra, foi indicação via Facebook da colega e amiga Gô Butierres, arte educadora de Rio Grande, RS, Brasil, e trata-se de curta-metragem de animação do Grupos de Estudos de Animação da FURG (Universidade Fenderal do Rio Grande, RS), com direção de Wagner Passos e produção de Alisson Affonso (2008), dois amigos do editor deste blog, que têm se destacado em diversas produções artísticas.
Uma bela adapatação do famoso poema de Mario Quintana, publicado no Caderno H: "Todos estes que aí estão/ Atravancando o meu caminho,/ Eles passarão./ Eu passarinho!" Quintana em um banco de praça, vendo livros criarem asas e tornarem-se pássaros é belo, simples e poético, aliado a música de Grafus Martinscosta.
Unir poesia, animação, música em uma obra intertextual pode influenciar a professores a pensarem atividades interdisciplinares, utilizando-se também da arte, cultura, tecnologia etc, tornando o local, universal, e o universal adaptando à realidade local. Um fragmento de poema, de conto, uma notícia de jornal pode servir a uma atividade integradora de escrota e desenho entre professores e alunos, projetos que podem criar vida e dar literalmente asas à imaginação coletiva.

sábado, 15 de agosto de 2015

O que é mais importante para você? A imagem ou a vida?




O impactante vídeo acima O que é mais importante para você?, descobri na rede social e é otimo material para tratar de valores e limites éticos, políticos, sociais e educacionais, pois mostra uma situação vivida por uma jornalista, mas poderia ser aplicada a qualquer outra profissão e cidadão do mundo.
O vídeo mostra uma jornalista premiada por conta de uma fotografia, que antes de receber a premiação faz uma recapitulação do fato que promoveu aquele reconhecimento. Na verdade, a jornalista, em um local fictício de conflito, com o correspondente de guerra segue uma menina que foge das blas e explosões, escondendo-se num prédio bombardeado, que vem a ser também seguida e perseguida por um soldado que lhe aponta uma arma. Ao invés de socorrer, salvar a menina, a jornalista prefere apenas clicar aquele momento trágico. Algo que remete a chamada "Foto do Destino", na novela O Pintor de Retratos, do escritor brasileiro Luis Antonio de Assis Brasil, que conta justamente as peripécias de um jovem pintor de retratos, que vindo da Itália para o Brasil, se estabelece no Rio Grande do Sul, no final do século XIX, e acaba se tornando involuntariamente fotógrafo oficial de grupo envolvido na intitulada Revolução Federalista ou da Degola, no extremo sul do Brasil. Inspirado no grande fotógrafo francês Nadar, o jovem pintor clica o momento em que um soldado é degolado por outro, considerando aquela foto como a sua melhor e que lhe traria a fama. Na trama, quando conhece Nadal e mostra a foto ao seu mestre, este com repulsa o expulsa, dizendo que aquilo não é arte, mas barbárie.
Hoje, vemos em larga escala, pessoas preferindo clicar e filmar com seus telefones móveis brigas entre jovens do que apartar; fazem a famosa "selfie" diante de locais de tragédias, estejam as pessoas vivas ou mortas, expondo-se e expondo imagens degradantes; já houve caso de alguém preferiu filmar pessoa se afogando em rio, do que prestar socorro. Algo que deve ser criticado, pois demonstra justamente a falta de valores (humanos) e limites (éticos e profissionais).
Há que se discutir o uso adequado e equilibrado da tecnologia, na família, escola e sociedade...
Para ilustrar esta postagem coloco algumas imagens que descobri também nas redes sociais e que criticam essa postura e que servem para um debate sobre o que é mais importante para cada um, se o maquinário ou o usuário, se a imagem ou a vida:







quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Aprenda a lidar com a deficiência dos outros: Dicas de relacionamento e exercício de alteridade




O vídeo acima Aprenda a lidar com a deficiência dos outros, descobri na rede social, através do blog Para Surdos e trata-se de material contra a discriminação e buscar respeito à diversidade (e à adversidade) humana.
Como destacado: "deficiente não é doente", e toda a ajudam é bem-vinda, quando necessária, desde que perguntado antes, para não subestimar, mas sim, dar atenção.
Impossível se identificar com a pessoa sem se colocar no lugar dela, sem conhecer sua realidade, portanto, exercitar a alteridade é essencial para se pensar questões como inclusão, acessibilidade, educação e sociedade.
Conforme apresentação: deficiência intelectual não é deficiência mental, e há a necessidade de respeitar as pessoas como elas são, em prol de uma sociedade inclusiva, em que todos podem conviver em harmonia, respeitando justamente as diferenças.
Conforme dados, vídeo produzido para o Albert Einstein Hospital Israelita, tendo como fonte o Manual de Dicas de Relacionamento com as Pessoas com Deficiência, da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, da Prefeitura da cidade de São Paulo, SP, Brasil.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

O melhor jardim de infância do mundo: Fuji Kindergarten do Japão




O vídeo acima Takaharu Tezuka: O melhor jardim da infância que você já viu, foi indicação indireta via jornal virtual do professor Marco Ananias, educador do Rio de Janeiro, RJ, Brasil, matéria destacada também pelo Portal Porvir.
O vídeo apresentado pelo arquiteto Takaharu Teruka, mostra escola de educação infantil japonesa que foi projetada pela empresa Tezuka Architects, com sede em Tóquio, Japão.
As inovações começam pela estética, o visual em círculo que se conecta à ideia de espaço infinito de interação. Em círculos vivemos e convivemos, em círculos nos aproximamos das pessoas, criamos laços de afeto, de trabalho, de estudo. Melhor ainda: o respeito ao meio ambiente, já que foi constuido em torno de árvores que já existiam no local e que fazem parte, não apenas da "arquitetura", como da funcionalidade e das possibilidades de interação de professores com alunos e estes com a própria natureza viva, no meio da escola e um parquinho no telhado.
O conceito de rede social, começa pela colocação literal de uma rede de cordas, para que as crianças possam subir ao telhado (um espaço também de convivência e aprendizagem, e descer aos demais cômodos, como numa brincadeira, como num parque de diversos. Pelas imagens é possível ver dezenas de crianças em torno da árvores, sobre a rede de proteção, brincando, subindo nos galhos das árvores, que atravessam a escola, de cima para baixo e vice-versa, dependendo do rumo da interação.
Na borda do telhado há grades de proteção, que servem também como local de apreciação de atividades pelos alunos, como num estádio, teatro, para atividade no centro do piso inferior da escola. A ideias simples, o visual incrível e a praticidade é ótima.
Este jardim de infância, segundo Takaharu Tezuka, é aberto a maior parte do ano, sem divisões entre interior e exterior do prédio, que é praticamente um telhado, sem proteção acústica, para favorecer justamente a interação dos alunos, evitando o silêncio. Todos ouvem a todos... De fato: o silêncio, espaços fechados não combinam ou deveriam não combinar com a educação infantil. Mas para isso, deve ser uma filosofia da escola, aceita pela comunidade, num outro contexto social em que a insegurança exterior não invada, logicamente a paz interior. Não podem (ou não deveriam) ser uma bolha, prisão, como muitas são, por questões de violência no entorno da instituição. Mas infelizmente e compreensivelmente, muitas são...
A arquitetura da escola não prevê divisões entre turmas e alunos, todos convivendo com todos. Como o espaço é circular, aquele aluno que não deseja ficar na sala, logo, pelo conceito do círculo, ele voltará... Então, as crianças que saem das salas de aula, logo retornam as mesmas, apenas circulam pelo ambiente...
Outra questão interessante é a concepção de silêncio e barulho, pensando a educação infantil, em que a interação funciona melhor com o barulho do que no silêncio, algo que quem convive com crianças percebe bem... E esta geração audiovisual e multifocal consegue fazer diversas coisas ao mesmo tempo, em uma aparente bagunça, organizada.
Há árvores dentro de certas salas, e todas estas possuem pelo menos uma claraboia, que além de favorecer a iluminação natural, permitem atividades extras, como "Papai Noel" entrar na época de Natal. E o espaço permite não apenas liberdade individual, mas ações coletivas, de crianças ajudam a outras crianças a subirem e descerem árvores, escadas, rampas, edes etc. E o mais interessante, na apresentação de Tezuka é apresentação de dados como que a circunferência da escola (183 metros) e o deslocamento de um menino, durante 20 minutos equivale a cerca de 6 quilômetros durante a manhã. Confome dados, as crianças nesta escola percorrem em média 4 quilômetros ao dia, praticando atividades atléticas de correr, pular, subir, descer etc Mas não existe um treinamento específico, apenas ficam livres pela escola. Não há controle nem supreproteção, o cair faz parte do próprio processo de apendizagem do correr, caminhar, viver...
Tezuka diz: "Penso que a arquitetura é capaz de mudar o mundo, e a vida das pessoas"; algo que remete ao livro do filósofo Alain De Botton, chamado Arquitetura da Felicidade (Vejam vídeos sobre o mesmo, ao final desta postagem). Realmente, o espaço escolar, familiar, social deve ter uma arquitetura que favoreça a sensação de bem estar, levando em conta a finalidade, a função social que terá.
Para saber mais sobre a escola, vejam o link da matéria no portal Porvir:

Por dentro do melhor jardim de infância do mundo

O Fuji Kendergarden do Japão, lembra-me outras experiências de escolas com a educação infantil, levando justamente em conta a questão espacial como um dos fatores, junto às questões temporais e de ensino, na formação das crianças, como oytras duas escolas que o Educa Tube Brasil já destacou neste blog, como a Escola de Reggio Emília, na Itália, e a CEI Raio de Sol, de Joinville, SC, Brasil, conforme links abaixo:

As Escolas de Educação Infantil de Reggio Emilia, Itália (Univesp TV)

CEI Raio de Sol (Joinville, SC) e Os espaços sustentáveis através da arte e educação

Há também a Telefonplan School, de Estocolmo, na Suécia, "A escola [que] tem um projeto arquitetônico inovador, com poucas paredes e salas, e vários espaços pensados para aguçar a criatividade dos alunos. A tecnologia faz parte do dia a dia dos estudantes e professores, que usam laptops para estudar e trabalhar. A aprendizagem é baseada em projetos, de acordo com interesses individuais e feita de maneira colaborativa", conforme link abaixo:

TELEFONPLAN SCHOOL

A seguir, "documentário [2006] em três episódios, [em que] o escritor e filósofo Alain de Botton defende que devemos morar em casas que reflitam nossos valores e a época em que vivemos. O autor faz um tour pela filosofia e psicologia da arquitetura, com exemplos que vão da Holanda ao Japão. E sugere uma forma de habitar que leve em conta valores como flexibilidade, tecnologia, contato com a natureza e vida comunitária. Afinal, o mundo contemporâneo é um lugar para sentir-se em casa".
O primeiro episódio, A Morada de Hoje, destaca que "Nossas casas devem refletir a época em que vivemos. O mundo mudou e a arquitetura deve seguir suas transformações".



No segundo episódio, "Gosto Se Discute", discute "O que é a beleza e o que é a feiúra? Quando falamos que uma casa é bonita, estamos dizendo que seríamos felizes nela?"



Por terceiro e último episódio, A Casa Perfeita, De Botton reflete sobre "A morada deve promover o encontro do mundo interior com o exterior. Seus pilares devem ser os conceitos e estéticas da atualidade":



Para finalizar a postagem, recomendo o blog ARQUITETANDO IDEIAS, link abaixo, da amiga Elenara Stein Leitão, que divulga diversas postagens relativas a arquitetura em geral e algumas sobre educação, em especial:

ARQUITETANDO IDEIAS - BLOG

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Nikon Symphony: Música feita com câmeras fotográficas (Reinvenções)


Brilliant!!! Music from the DSLRs

Posted by Willy Foo - Photographer, Marketer, Technopreneur on Segunda, 1 de setembro de 2014


O vídeo acima Willy Foo - Photographer, Marketer, Technopreneu, descobri na rede social e trata-se de criativa ideia dos diretores Von Wong e Andrew Keler de tranformar máquinas fotográficas em instrumentos musicais, numa curiosa sinfonia que requer um grupo com agilidade, sequência, harmonia, sintonia e sincronia entre o maquinário e o usuário para conseguir o efeito desejado.
Uma pedra é uma pedra, mas na poesia, uma pedra pode ser tudo, inclusive uma pedra, não necessariamente...
Na vida e na tecnologia, seja na educação, na arte, na cultura, no cotidiano, cabe aos educadores (artísticas ou não), pensarem todas as tecnologias além de suas possibilidades e funções de fábrica.
O vídeo de Willy Foo nos provoca a pensar além da pedra, da caixa, do manual de instruções, da receita de bolo as coisas que fazem parte de nossa vida.
Um exmeplo disso, que seguidamente cito em palestras, formações em pstagens neste blog foi quando o scanner de mesa de meu antigo trabalho estragou e não teve conserto, nem tínhamos verba para comprar outro e tive que apelar para o famoso "Plano B": usar a cãmera de meu smartphone para fazer fotografias de documentos, textos e outros dados, em um scanner de mão improvisado pela necessidade, mais do que pela criatividade e originalidade do mesmo.
Sempre digo que às vezes, entre o ideal e o possível, temos que saber lidar com as possibilidades que temos, nos reinventando e reinventando outras funções para nossos equipamentos.
Uma orquestra sinfônica de máquinas fotográficas ou uma câmera de smartphone utilizada como se fosse scanner são pequenas amostras de que podemos ampliar conceitos e funções, além do que previamente é determinado.
Muitas vezes condições ideias não permitem que estas outras possibilidades (criativas, inovadoras e originais) surjam.
Um pequeno vídeo para uma ampla reflexão sobre arte, cultura, tecnologia, educação e sociedade.

domingo, 9 de agosto de 2015

Sala de aula Intergeracional de escola pública canadense reúne crianças e idosos para aprenderem juntos




O vídeo acima iGen Classroom at Sherbrooke Community Centre sobre interessante projeto de escola pública canadense de "Escrita Intergeracional" reunidno crianças e idosos, descobri visitando o portal RAZÕES PARA ACREDITAR, um site que mostra o que chamo "o lado B (de Bom) da Vida", com exemplos simples e inovadores, situações nem sempre destacadas pela grande mídia.
O programa iGen, desenvolvido pela Saskatoon Public Schools, trata-se de uma experiência inovadora de reunir em sala de aula jovens e adultos, unindo de segunda à sexta a sabedoria dos mais velhos com a alegria, o imaginário, o sonho das crianças e jovens.
Conforme dados do portal RPA: "A sala de aula intergeracional foi lançada no Centro Comunitário de Sherbrooke, em Saskatoon, em setembro de 2014" e faz parte de um projeto de escrita intergeracional.
Com o segue a matéria: "As lições são recíprocas, com os residentes aprendendo sobre a tecnologia e o ritmo rápido de crianças do século 21. Celulares, iPads e computadores estão em sala de aula, e dois estudantes passam parte da manhã ensinando um residente como jogar um jogo online". E o mais interessante que "Além do currículo, os alunos aprendem empatia, compaixão, comunicação e as lições gerais de vida"; tendo como "os princípios básicos: leitura, escrita e aritmética, assim como nos velhos tempos".
De acordo com Patrícia Roe, porta-voz da Sherbrooke: “Essas crianças trazem tanta energia e vida e emoção aos idosos aqui” e o atendimento e serviço prestado no Centro Comunitário de Sherbrooke baseia-se na filosofia Eden Alternativa, "que tenta combater as pragas de cuidados de longa duração: a solidão, desamparo e tédio"; inclusive, "Trazendo plantas e animais para o ambiente foram os primeiros passos".
O Educa Tube Brasil, observando o vídeo acima, percebeu algumas questões relevantes a destacar também: "Arte, jogos, música, desenho, informática, contação de histórias, horta, meio ambiente, pintura, literatura e matemática em atividades conjuntas, algumas atividades individualizadas, outras inegradas usando uma máquina pro aluno ou uma máquina para diversos alunos (o que favorece a maior interação e colaboração)", que fazem parte do cotidiano da Saskatoon Public Schools, são questões que este blog educacional vem incentivando e divulgando desde a sua criação em 2009, através de diversas postagens sobre escolas, projetos e educadores que são inovadores, ainda que de forma simples, permitindo com isso a continuidade de suas ações, até pelo fato que escolas, públicas ou provadas, nacionais ou estrangeiras, quando reproduzem a realidade local tornam-se universais para outros educadores, alunos e escolas.
O que a escola pública do Canadá desenvolve de inovador é unir esses saberes entre gerações, não apenas em projetos estanques, mas numa filosofia escolar da instituição. E isso deve ser refletido, divulgado e adaptado ao cotidiano escolar.
Parece-me que a Escola da Ponte, do educador José Pacheco, de Portugal, também une alunos de diversas faixas etárias e séries, aprendendo em conjunto, mas a escola canadense amplia essa interação, com a participação dos adultos, com sua experiência de vida e a valorização dos idosos. Um bom exemplo que pode ser melhor conhecido, visitando o portal da escola, link logo a seguir:

Saskatoon Public Schools - Home Page

sábado, 8 de agosto de 2015

Do Amor e das Palavras: Curta-metragem documental




O vídeo acima Do Amor e das Palavras, foi indicação da colega e amiga Elisabete Pereira , educadora de Viamão, RS, Brasil e trata-se de curta-metragem documental realizado pelos alunos do Curso de Realização Audiovisual Unisinos - 2013 e com direção de Tainara Fraga.
Conforme sinopse: "Em meio ao caos barulhento da cidade de Porto Alegre, um pequeno refúgio se destaca à parte. Rodeado de livros, palavras e amigos, seu João e dona Irene criam um mundo particular, abarcando pedaços da cidade em encontros ritualísticos de amor e poesia. O universo que se desdobra na tela fala de paixão, amizade e de encontros que acontecem na vida. Assim, vê-se um pedaço da vida do sebo Garagem dos Livros, um coração pulsante próximo às margens do Guaíba na Capital gaúcha."
O amor aos livros e às palavras e o poder da leitura, aproximando as pessoas.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

O Poder da Empatia: A conexão com o outro




O vídeo acima O Poder da Empatia, foi indicação via Facebook da colega e amiga Marisa Barreto Pires, educadora de Rio Grande, RS, Brasil e trata-se de um divertido curta-metragem de animação de Katy Davis, com produção da AKA Gobblynne.
Muito interessante a distinção feita entre simpatia e empatia, que requer uma conexão com o outro.
Vemos muitos pessoas que tem a simpatia, mas não a empatia com nosos projetos d etrabalho e de vida.
Da mesma forma, existem educadores que conseguem uma empatia (conexão) para seus projetos, seja com outros colegas e alunos. Há que se taer mais empatia do que simpatia, de fato, para angariar o interesse dos alunos. E essa empatia, muitas vezes, pode ser obtida através de projetos e ideias simples e inovadoras.
O educador do século XXI precisa ser um arte e mídia educador, e para isso, precisa angariar, não a simpatia do aluno, usando vídeos, músicas, filmes etc, de forma recretativa, mas a empatia para estes recursos dentro de um foco educacional, que dê significado a sua prática escolar, colocando-se literalmente do lado do outro, conhecendo o outro, observando, interagindo...
Nem paizão nem sargentão, o educador do futuro precisa ser aquele que sabe se comunicar de uma forma objetiva, direta e significativa, percebendo as possibilidades de interação com outros colegas em atividades inter e multidisciplinares, usando temas transversais, propondo autoavaliações dos alunos.
E essa conexão que a empatia proporciona, deve ser pensada no espaço tradicional ou no ambiente virtual, mas também na comunidade em geral. Diversos educadores têm mostrado a outros formas simples e eficientes de interação e este blog sempre divulga tais manifestações, em que são usadas as mais variadas formas de conectar-se ao outro, seja pela música, dança, esportes, teatro, meio ambiente, cinema, informática etc.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Pela valorização do professor: Um papo reto sobre o trabalho docente




O vídeo acima, Pela valorização do professor - um papo reto sobre o trabalho docente, descobri nas redes sociais e trata-se de outro ótimo material produzido pelo prof. Prof. André Azevedo da Fonseca, educador de Londrina, PR, Brasil, que a partir da obra do grande educador brasileiro é um interessante projeto de divulgar o pensamento frereano, através de pequenos vídeos didáticos.
Um vídeo destaca que "a luta permanente dos professores por condições de trabalho que dignifiquem a profissão!".
O professor propõe uma reflexão crítica: "Os pais não têm tempo para as crianças e exigem que os professores assumam toda a responsabilidade pela educação de seus filhos. Professores de escolas particulares são orientados a tratar pais e alunos como clientes. E clientes sempre têm razão. Mas os pais e alunos não se veem apenas consumidores, eles se sentem patrões dos professores. E cobram metas e resultados como um gerente de loja de departamento".
O bom professor é aquele que inova, mesmo que pela simplicidade, sem precisar adotar processos repetitivos, antiquados e mecânicas, pois através de didática e metodologia adequadas, promove a interação com o alunado em colaboração. E o Euca Tube tem divulgado diversos educadores asism, que servem de referência a seus alunos e colegas.
No canal do You Tube Pedagogia da autonomia, de Paulo Freire, é possível assistir também a outros vídeos produzidos pelo prof. André sobre a cada vez mais contemporânea obra de Paulo Freire.

O Educa Tube Brasil recomenda também o portal educacional do Prof. André, no link abaixo:

Prof. André Azevedo da Fonseca

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Educação 3D e Gestão na Sala de Aula, pelo prof. Celso Vasconcellos




Pensando a gestão da sala de aula em suas variados possibilidades, o Educa Tube indica o ótimo vídeo acima Gestão da sala de aula, que trata-se de entrevista/conversa da Univesp TV, entre o jornalista "Ederson Granetto e o professor Celso dos Santos Vasconcellos sobre as estratégias para a gestão da sala de aula e a importância da relação aluno-professor para ampliar a participação dos alunos na sala que leva à construção do conhecimento".
Celso Vasconcelos destaca as três grandes dimensões da educação: o trabalho com o conhecimento, a organização da coletividade (organização da disciplina em sala de aula) e relacionamento interpessoal.
Um ótimo material para refletir sobre a "Educação 3D", ou seja, as três grandes dimensões do saber que são a gestão de espaço, tempo e atores sociais em uma comunidade escolar e social.
Para acompanhar o trabalho do professor Celso Vasconcellos, o Educa Tube Brasil recomenda o link abaixo, para o sítio do referido educador:

CELSO VASCONCELLOS - PORTAL

domingo, 2 de agosto de 2015

O Lego da Vida e os padrões de modularidade na natureza (Teoria em Construção)


O lego da vidaPesquisadores testam teoria da evolução para entender como surgem os módulos que constituem os vertebrados.

Posted by Pesquisa Fapesp on Quarta, 22 de julho de 2015


O vídeo acima Teoria em Cosntrução: O Lego da Vida, foi indicação via Facebook da colega e amiga Andrea Barreto, do Rio de Janeiro, RJ, Brasil e editora do blog Dicas de Ciências.
Trata-se de breve vídeo com Fapesp, Gabriel Marroig, professor do Instituto de Biociências da USP e Diego Melo, doutorando no mesmo instituto, dois "Pesquisadores [que] testam teoria da evolução para entender como surgem os módulos que constituem os vertebrados".
Mais que isso, os pesquisadores tratam dos "padrões de modularidade que existe na natureza", pois bem destaca Marroig, do potno de vista da ciência semrpe é bom começar "do mais simples para o mais complicado", mais complexo.
Do ponto de vista da educação, em geral, tal princípio é idêntico, e o educador deve saber lidar com estes padrões de modularidade que existem no processo de ensino-aprendizagem, levando em conta o método intuitivo com o experimental, o teórico com o prático.
Pensando intuitivamente e posteriormente adaptando uma teoria como suporte ao fazer pedagógico foi que em 2013, justamente usando o conceito de "modularidade na literatura", evidentemente noutra área do conhecimento e igualmente, também intuitivamente buscando do "simples ao mais complexo", que o educador e escritor José Antonio Klaes Roig, editor do blog Educa Tube Brasil, observando seu filho de 8 anos de idade, à época, que criou a oficina de criação literária, denominada LEGO POEMA, conforme link abaixo:

Lego Poema ou Poesia em Blocos: Oficina de Criação Literária e o Multiletramento