CRIADO (ABRIL/2009) PARA INDICAR VÍDEOS DE E PARA EDUCADORES, ALÉM DE SUGERIR DIVERSOS RECURSOS TECNOLÓGICOS COM FINS EDUCACIONAIS.
Imagens: 3 filmes indicados aos educadores: A Cor do Paraíso e Filhos do Paraíso, de Majid Majidi (Irã) e Cinema Paradiso, de Giuseppe Tornattore (Itália).

sábado, 30 de abril de 2016

"Do Lembrar e do Esquecer: Memórias de um Patrimônio Ignorado": Documentário cultural para se pensar a questão educacional




O vídeo acima "Do Lembrar e do Esquecer: Memórias de um Patrimônio Ignorado", é um ótimo documentário que encontrei ao visitar o também igualmente ótimo blog TELECINE BRASIL, que recomendo visita, que traz resenhas sobre filmes.
O referido documentário, conforme apresentação no blog e no You Tube "conta, através de depoimentos e imagens, a história e destino de um conjunto arquitetônico demolido pelos novos proprietários dias após ser tombado como Patrimônio Histórico e Cultural. Por meio de um caso local, se discute como tem se desenvolvido esta relação conflituosa envolvendo especulação imobiliária, preservação do patrimônio, poder público e interesses privados, relação esta que é observada atualmente em diversas partes do Brasil", tendo como direção de Jorge Costa e produção do Laboratório de Produção Audiovisual MacacuCine.
Um vídeo "sobre as práticas educacionais e da necessidade de lembrar e não deixar cair no esquecimento, esse repositório educacional", muitas vezes restrito à sala de aula, para que não fique ignorado às gerações futuras toda essa trajetória histórica e escolar, entre o vivido e o recordado, quando "cinema vira igreja, coreto da praça é demolido", todo um patrimônio histórico que deve ser preservado.
Como bem destaca a prof. de Historia Elaine Fátima do C.E. Quintino Bocaiúva, de Cachoeiras de Macacu, RJ, Brasil, "Uma cidade que não preserva seus monumentos, seus prédios, sua História, não preserva sua identidade".

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Entre o Homem a Caráter e o Ultraje a Rigor, haverá sempre a Esperança no eterno recomeçar




O vídeo acima, que intitulei de Entre o Homem a Caráter e o Ultraje a Rigor, haverá sempre a esperança no recomeçar, descobri na rede social, na página Homem a Caráter e logicamente o termo Ultraje a Rigor remete a título de banda de rock brasileira dos anos 80, 90 e dos tempos, ora ultrajantes que vivemos, em que as coisas tornaram-se mais kafkanianas que as pensadas pelo próprio Kafka, em A Metamorfose, O Castelo e O Processo, e mais dantescas que as imaginadas por Dante Alighieri em sua Divina Comédia.
Entretanto, apesar do pesares, das polêmicas e falsas polêmicas, dos conflitos e da onda de ódio e de intolerância nas redes sociais e mundo afora, resta-nos lembrar (e o vídeo acima presta-se a essa breve reflexão) de que após as Trevas vem o Renascimento.
Pensando nessa volta do fascismo, reproduzo logo abaixo a apresentação do vídeo na página Homem a Caráter, que traz essa perspectiva histórica que nós, educadores - sejamos pais ou professores - precisamos sempre repassar ao aluno, não apenas na disciplina de História, mas resgatando valores humanitários, que vez em quando parecem esquecidos:

"Homens fortes criam tempos fáceis, onde nascem homens fracos.
Homens fracos criam tempos difíceis, onde nascem homens fortes."


Hoje você pode falar sobre todos os assuntos, pode ler e estudar sobre tudo, hoje você tem a LIBERDADE para ser o que quiser e seguir o que desejar. Hoje podemos falar sobre FASCISMO, porque muitos homens morreram para você poder desfrutar de liberdade ao invés do verdadeiro FASCISMO.
Se a guerra tivesse durado mais um ano, hoje seríamos obrigados a falar alemão e a se curvar diante a uma bandeira nazista. Sou grato aos veteranos aliados, e sempre vou lembrar de sua história, porque história que é esquecida, tende a ser repetida.

Resistir, enfrentar, debater, não esquecer, relembrar a história da humanidade para não repetir os mesmos erros é uma necessidade. E o vídeo em questão nos mostra que o veterano de guerra, menosprezado por um jovem recebe o auxílio de uma criança, o símbolo da esperança no futuro... Educar para a vida e o mundo, sem perder essa perspectiva histórica, justamente para evitar situações como presenciamos, de pessoas desinformadas pediram a volta da ditadura, idolatrar fascistas e outras situações constrangedoras e preocupantes.
A dignidade humana deve sempre prevalecer diante de todo e qualquer ultraje a rigor!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Escola municipal oferece espaço de aulas bilíngues com libras para alunos surdos em Rio Grande, RS




A imagem acima, trata-se de reportagem da TV sobre a Escola Municipal Bilíngue Carmem Teixeira Baldino, que oferece espaço de aulas bilíngues com libras para alunos surdos em Rio Grande, RS, Brasil.
Conforme a professora Cristiane Lima Terra Fernandes, diretora da escola, esta é "a única escola bilíngue que atende aos estudantes surdos que tem a educação infantil e o ensino fundamental completo. Há escolas especiais que também atendem, mas escola bilíngue integral, é a única". Além da EJA - Educação de Jovens e Adultos.
De acordo com a profª. Cristiane, a escola inclusiva não tem essa perspectiva da visão, do visual, que a escola bilíngue consegue fazer todas as adaptações e estratégias para que o aluno surdo aprenda da maneira que lhe seja mais conveniente, para que compreenda primeiro o mundo para que depois tenha a inclusão social.
O editor do blog Educa Tube Brasil, que teve alguns anos atrás o privilégio de conviver e aprender muito sobre educação especial com algumas dessas professoras, em escola estadual que possui turmas inclusivas (e que conhece a dedicação destas educadores e seu sonho realizado, de ter uma escola bilíngue), recomenda abaixo o link para a referida reportagem:

Escola oferece espaço de aulas bilíngues com libras para surdos em Rio Grande, RS

terça-feira, 26 de abril de 2016

Corrida de Obstáculos: Propaganda para profundo exercício de alteridade e de humanidade




O vídeo acima The Obstacle Course (Corrida de Obstáculos), descobri na rede social e trata-se de tocante comercial e profundo exercício de alteridade e de humanidade, que nos faz experimentar o que passam pessoas discriminadas, agredidas e marginalizadas por conta de sua orientação sexual (LGTB). E que serve também para a pensar em qualquer tipo de discriminação, seja racial, religiosa, social, política etc.
Quem nãos e sentiu pelo menos uma vez excluído ou marginalizado na vida, que atire a primeira pedra. SE já passou por isso, ainda que de forma sutil, se identificará com o protagonista do vídeo, que é criação da agência de publicidade TBWA de Paris para a Inter-LGBT.
Conforme o portal Blue Bus: "O comercial começa com o bullying na escola, e conforme o tempo passa, a intimidação muda de figura, mas está sempre presente – você é alvo de piadas, de olhadores incriminadores, de violência física, de violência psicológica, é o motivo da raiva do seu pai e das lágrimas da sua mãe. Um pesadelo constante ao qual você precisa sobreviver praticamente sozinho. Para Angela Natividad, que fala sobre o filme na Adweek, quem olha de fora pode pensar que a luta por igualdade para as lésbicas, os gays, os bissexuais e os transexuais já está bem encaminhada, mas 'muitas das batalhas que ainda precisam ser vencidas são traiçoeiras e difíceis de ver'. 'Até que a sociedade progrida, nós continuaremos seguindo em frente'", finaliza referido o vídeo.
Recentemente, eu e meu filho passamos por um experimento social que foi assistir a um jogo de futebol na torcida do time arquirrival, como se fosse torcedor do mesmo, sem poder demonstrar alguma emoção além da esperada pela torcida azul (Grêmio), sendo os dois vermelhos (Internacional), ambos os clubes de Porto Alegre (RS), Brasil. Assistimos ao jogo no meio da torcida adversária, acompanhando uma prima gremista para conhecermos o estádio e ficamos "belos, recatados e do lar", sem poder nos manifestar, sob risco de sermos hostilizados. Se fosse o contrário, e a prima azul fosse ao estádio vermelho, aconteceria a mesma situação. Rivalidades esportivas e clubísticas à parte, a sensação de medo de cometer uma gafe e torcer pro time visitante fez nos policiarmos constantemente, sentindo uma pressão adicional e estressante. Algo que deu pra conversar com meu filho justamente sobre a situação que é o racismo, o preconceito, a discriminação política, religiosa e social contra minorias representativas. Naquele dia eu e ele éramos a minoria em um grande estádio de futebol, denominado de Arena, e ficamos com grande receio de sermos jogados aos leões, caso por algum deslize mostrássemos a nossa alma verdadeira e vermelha. Não pretendemos repetir esse experimento mais. :-)
Mas como educadores, sejamos pais e/ou professores, precisamos evitar estimular a criação desses obstáculos na vida de nossos filhos e alunos, refletindo sobre a condição e a dignidade humanas, sobre o sentido da alteridade, do colocar-se no lugar do outro, que é também um ser humano como nós e que não deve ser rotulado nem tratado por conta de suas orientações, sejam quais elas forem...

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Professores usam videogame para ensinar história em sua aulas (Educação e tecnologia)




O vídeo acima Professora usa videogame para ensinar história, descobri via rede social, no perfil do portal Porvir, e trata-se da iniciativa da professora Marili Bassini, do Colégio Objetivo, de Americana (SP), Brasil que utiliza games nas suas aulas de História. Uma interessante proposta de juntar a história que fala do mais antigo, com tecnologia que é o mais atual. Os alunos aprendem brincando, procurando filmes, documentários, desmistificando fatos, inclusive.
O prof. Vitor, da mesma escola, vê essa proposta como uma porta que se abre para outros caminhos, e fico imaginando quando a realidade aumentada e a realidade virtual se popularizarem na escola, e não apenas com os alunos, fora do ambiente escolar...
Para a professora Marili, deve-se pesquisar e refinar os instrumentos de pesquisa, e não trabalhar apenas com versões mas interpretações desta história.
Algo que me lembra a prática escola do professor Michel Goulart, de Criciúma (SC), Brasil, editor do portal História Digital e do canal de vídeos no You Tube, que adota mesma metodologia e temática, já destacado em duas postagens (links a seguir) neste blog educacional, em 2010, que se utiliza de jogos, músicas e outros materiais para dar suas aulas de história presenciais e online:

História Digital - o blog do Prof. Michel (19/02/2010)

Aprendendo História com o jogo Age of Empires

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Coroa do Imperador: cenas editadas de uma fictícia, mas realista aula de história (educação e televisão)




O vídeo acima Coroa do Imperador (editado) - cenas da aula de história foi indicação via Facebook da colega e amiga Marisa Barreto Pires, educadora de Rio Grande (RS), Brasil, como a própria pergunta, são "Cenas de uma aula numa escola em algum lugar do Brasil. Será que nós conhecemos nossos alunos?"
Trata-se de "vídeo selecionando os dois momentos de aula do episódio A Coroa do Imperador, da Série Cidade dos Homens", que conta episódio da História do Brasil, quando da vida da família imperial portuguesa para a sua então colônia.
Ótimo material e interessante edição de vídeo de Guilherme Howes para refletir sobre a didática (não apenas da disciplina de História) e o imaginário do aluno, sobre o conteudismo e aprendizagem.
Impagável a participação do aluno Acerola nessa aula, associando o conteúdo tradicional de história ao seu modo de ver o mundo a sua realidade local: o morro, a favela, a terminologia, as gírias e tudo mais.
Um bom exemplo de como fragmentos de programas de televisão, como o seriado em questão, como outros (de telenovelas, desenhos animados, seriados, animações, propagandas etc) podem ser usados para refletir sobre didática, metodologia, pedagogia e muito mais.
A mídia televisiva, tão combatida por sua qualidade, muitas vezes, se garimpada essa programação pode servir de uma boa aliada à educação.

Abaixo, segue episódio na íntegra de Cidade dos Homens - A Coroa do Imperador (1ª Temporada 1º Episódio):



quinta-feira, 21 de abril de 2016

Filosofia de Vida na Educação: Professor indiano atravessa rio a nado há 20 anos para dar aulas




O vídeo acima A teacher who swims through a river everyday to get to his students (Um professor que nada através de um rio todos os dias para chegar a seus alunos), que me foi indicado pelo colega e amigo Alexsandro Oliveira, advogado e educador em Rio Grande (RS), Brasil.
Trata-se de reportagem em inglês (que pode ser ativada as legendas via You Tube) sobre o professor Abdul Mallik, que conforme o portal Jornal de Notícias, de Portugal: "começou a dar aulas em 1992 em Malappuram, no estado de Kerala, no sul da Índia. A escola em que foi colocado ficava numa localidade a 12 quilômetros, separada por um rio".
Malik, de 40 anos, repete há 20 anos esse ritual, haja vista que a localidade é desprovida de transporte público na região. Diante disso, antes precisando levantar-se na madrugada pegar várias conduções para chegar à escola, viu que o novo trajeto seria mais rápido e prático, ou seja, caminhar dez minutos de sua casa até o rio, atravessá-lo a nado e caminhar mais uma hora até a escola. Um quase triatleta: caminhando, nadando e caminhando novamente.
Ainda, de acordo com o Jornal de Notícias: "Com o auxílio de uma câmara de ar de um pneu de automóvel velho, a lancheira com o almoço e um saco com roupa para se trocar após a travessia do rio, por sinal bem poluído, Abdul Mallik começou esta rotina diária há 20 anos. Por dedicação aos seus alunos.
Um exemplo incrível de amor à profissão e à educação.
Malik, em entrevista a uma televisão local, explicou que "a sua decisão de atravessar diariamente o rio a nado não foi tomada por uma questão de poupança, mas sim pelo facto de a Índia ser um país com graves problemas de abandono escolar. Abdul conta que com o seu exemplo 'quer dar mais motivação' aos alunos da AMLP School para prosseguirem os seus estudos".
Ação comovente, um verdadeiro "reality show", um show de realidade que muitos professores passam mundo afora, para poderem fazer o seu melhor. Malik é um entre muitos que fazem a diferença, não para serem melhores que os outros, se destacarem ou serem notícia. Mas que ações como essa devem ser conhecidas, reconhecidas e valorizadas é algo essencial.
Sem deixar de continuar a lutar por melhores condições de trabalho, de salário justo, de infraestrutura escolar, segurança, saúde e tudo mais. Afinal, sabemos que sem professores abnegados, muitas escolas estariam inviabilizadas em sua manutenção, conservação e funcionamento.
Este vídeo lembra-me o filme Filhos do Paraíso (legendado logo abaixo), em que dois irmãos iranianos (um menino e uma menina) dividem o mesmo par de tênis para ir à escola. Exemplos de superações e super ações, unindo a realidade à ficção.



Conforme apresentação do filme, no You Tube:

"O filme é emocionante, trata-se de um drama iraniano que narra a trajetória de dois irmãos (casal) pré-adolescentes imbuídos de resolver um problema cotidiano devido às parcas condições financeira da família, um filme de Majid Majidi. A obra trás elementos fundamentais para abordagens conceituais sobre a Filosofia da Educação".

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Educação 360 graus e a tecnologia no cotidiano social




O vídeo acima 2016 Easter Jeep Safari | 360 Trail, descobri por acaso na rede social e é propaganda comercial de automóvel, mas que serve para uma reflexão educacional.
Trata-se de uma experiência publicitária e visual, filmado em 360 graus, que permite que o observador clicando no canto superior esquerdo da tela gira pros lados, pra cima e pra baixo, mas que serve também para pensar a questão da Educação em 360 graus, ou seja, de ações que possibilitem o educador seguir seu caminho pedagógico, utilizando ou não as TIC (Tecnologias da Informação e da Comunicação), em seu fazer pedagógico, ou simplesmente, inspirado por este vídeo, dar uma volta no entorno da escola com seu alunado, incorporando esse olhar de observador, em projetos de aprendizagem ou de ensino, nas mais variadas disciplinas ou de forma inter e multidisciplinar e também de forma transversal (vide educação ambiental, por exemplo).
Gire a tela, gire o olhar, faça seu mundo girar e de seu alunado também, com pequenas experiências visuais, seja dentro da sala de aula, dentro da escola, ou em seu entorno. Documenta através de imagens essa jornada, seja por fotos ou vídeos. E depois conte-nos o resultado. O editor deste blog já fez diversas saídas de campo, ora a pé, ora motorizado, sozinho e com alunos e colegas, e recomenda essa experiência visual, social e educacional. :-)

terça-feira, 19 de abril de 2016

Ondas Incertas (Extremos) e o pensamento de jovem sobre maniqueísmos e rótulos




O vídeo acima Ondas Incertas- EXTREMOS, descobri via Facebook da amiga Elenara Stein Leitão, arquiteta de Porto Alegre (RS, Brasil e editora do blog Arquitetando Ideias.
Trata-se de interessante vídeo produzido pela jovem Natália Bassani, de 17 anos, editora do blog Ondas Incertas, falando sobre maniqueísmos e rótulos no cotidiano.
O maniqueísmo força a narrativa de vilões versus heróis, que acaba sendo extremista e monocromática, quando não tem a devida criticidade. Da mesma forma que os rótulos, generalizantes (Todos são) ou reducionistas (Somente um é) são figuras extremistas e extremadas para definir algo ou alguém.
Ou vir os jovens, sem rotular uma geração é um grande desafio, pois os jovens são o espelho de sua convivência, mas isso, não necessariamente indique que filhos de pais autoritários sejam autoritários. Lógico que há uma probabilidade maior, entretanto, a rotulagem é ótima para identificar as propriedades, características, indicações e contra-indicações de coisas e produtos, mas não de pessoas.
Importante é ter opinião e saber respeitar a dos outros. Não é pelo faro de que veja o mundo de um jeito e outra pessoa doutro, que o mundo deixe de ser o que é. Tudo é questão de ponto de vista, que deve ser debatido, argumentado e contra-argumentado, sem o maniqueísmo binário (1-0; sim - não), pois o mundo é plural, embora cada um tenha sua visão singular...

segunda-feira, 18 de abril de 2016

"O que você gostaria que eu, sua professora, soubesse?": E o outro lado da educação: O mundo do aluno




O vídeo acima "O que você gostaria que eu, sua professora, soubesse?", foi indicação via Facebook da colega e amiga Marisa Barreto Pires, educadora de Rio Grande (RS), Brasil e trata-se de perguntas que a professora Luana Tolentino fez a seus alunos e suas respostas comoventes.
A professora Marisa Pires me apresentou o referido vídeo com a seguinte frase instigante: "O quanto não sabemos nada sobre nossos alunos!!!!".
De fato! Quantas vezes passamos na vida dos alunos e alunos passam na vida dos professores, sem um conhecer o outro?
Uma experiência que fez lembrar ao editor deste blog, quando fez seu estágio-docência na graduação em letras e seus 43 alunos. Como era impossível memorizar e conhecer todos adequadamente na disciplina de Introdução aos Estudos Literários, foi proposto, entre as diversas atividades, alguns desafios online, um deles era que cada um enviasse ao professor um email com breve autodescrição do aluno, motivo de escolher o curso, perspectivas quanto à disciplina e sonhos futuros. Foi incrível o conhecimento improvável, sem esse recurso, descobrindo um pouco de cada um e estabelecendo com eles esse diálogo virtual. Ao final da disciplina, cada um recebeu deste editor e professor um livro o mais próximo que foi possível estabelecer de identidade literária professor-aluno.
São essas expedições ao universo do aluno que permitem o professor pensar estratégias, não apenas de interação, mas didáticas e metodológicas, conforme o perfil de uma turma.

domingo, 17 de abril de 2016

O saber e o sabor: Documentário educacional sobre a Filosofia do Aprendizado e o Saber




O vídeo acima O saber e o sabor, descobri via Facebook da colega e amiga Raphaella Marques, educadora do Rio de Janeiro (RJ), Brasil e trata-se de ótimo documentário educacional sobre a Filosofia do Aprendizado e o Saber, constando com breves e profundas depoimentos e reflexões de grandes educadores sobre o ato de educar para a vida, acima de tudo.
Conforme a apresentação do referido, no You Tube: "Esse documentário nos convida a refletir sobre o prazer quase palatável que é o processo de aprendizado, de aquisição de saberes. Se analisarmos com maior acuidade e atenção, notaremos que há, de fato, tal sensação palatável quando degustamos o conhecimento, o sabor ímpar dos alimentos que nos preenchem o espírito. Um delicioso vício do qual tornamo-nos dependentes. E diferentemente de outros, este extremamente revitalizador e positivo".
Vídeo abordando temas como educação, filosofia, pedagogia e aprendizado, lembra-me expressão cunhada pelo escritor Erico Verissimo, em sua autobiografia Solo de Clarineta, de que existem "escritores fecundantes que inspiram leitores a serem futuros escritores"; da mesma forma, penso que existem também educadores fecundantes, inspirando alunos, alguns deles se tornando também professores.
Como bem destaca a amiga Raphaella Marques, da fala do escritor e educador Rubem Alves: "A memória é igual fazer macarrão...aquilo que a gente lutou tanto para aprender,... será esquecido ...e só vai sobrar aquilo que está integrado com a ‪#‎VIDA" e que "A minha única preocupação é o ‪#‎ALUNO‬, o conteúdo é apenas o acessório, o que é essencial na ‪#‎EDUCAÇÃO‬ é o #ALUNO..."; "as pessoas não se transformam por causa de leis".
Como declara a professora Madalena Freire: "Aprender não é natural nem espontâneo, ensinar não é natural nem espontâneo, por isso inventou-se a escola".
Já Ubirantan D'Ambrosio, trata do professor do futuro, que deverá ser curioso e reconhecer que a criança talvez esteja mais equipada metodologicamente, pra entender o que está acontecendo, pois pra criança hoje é mais natural do que para o adulto. E penso nas TIC como exemplo disso. Para Ubirantan, o professor possui mais experiência e sentido crítico... Juntando essas coisas, estes saberes de professores e alunos, compartilhados, dever-se-á ter a escola do futuro.
E pensando nessas questão da teoria com a prática, lembrei de postagem na internet, que apesar de uma brincadeira, provoca uma reflexão no educador, conforme link a seguir:

10 coisas que a escola ensina x o que ela deveria ensinar

Hilário, criativo, original, crítico e reflexivo! Uma brincadeira que recomendo aos educadores, para boas risadas e algumas reflexões ;-)

sábado, 16 de abril de 2016

Bioo: Sistema criado por estudantes para obter eletricidade a partir das plantas




O vídeo acima Bioo - Electricity from plant's photosynthesis - Arkyne Tech Team , descobri na rede social e trata-se de incrível projeto, intitulado Bioo, desenhado por estudantes da Universitat Autònoma de Barcelona da Universitat Ramón Llull, em parceria com a startup Arkyne Technologies para a criação de sistema para poder obter eletricidade a partir das plantas, gerando energia para casas de famílias de baixa renda.
Segundo notícia do portal BlogThinkBig: "El prototipo creado inicialmente por los alumnos de la UAB consiste en una planta en maceta que permite cargar un teléfono móvil. Su objetivo es ir más allá, puesto que los paneles vegetales generarían electricidad que podría usarse más allá del ámbito doméstico. Según explicaron durante el espacio 4YFN del pasado Mobile World Congress de Barcelona, el sistema 'genera una potencia de 3 a 40 vatios por metro cuadrado, a partir de unos paneles vegetales y una batería biológica que aprovecha los residuos energéticos – materia orgánica - que las plantas expulsan al no necesitarlos'".
Exemplo de biotecnologia e tecnologia social que, por ser um sistema de auto-abastecimento, junto com outras energias limpas, como a solar, a eólica (dos ventos) etc, poderão ser um outro modelo de vida e de civilização, no futuro. Estudos indicam que tal tecnologia, além de barata, poderá atingir até dez vezes mais a capacidade desse protótipo.
Ainda conforme BlogThinkBig: "El equipo ha recibido además recientemente el premio Imagine Express por el desarrollo de una aplicación vinculada a Bioo. Esta app funciona de 'puente intermedio entre los usuarios y los paneles vegetales Bioo para producir electricidad. Por un lado, ayuda a monitorizar la eficacia del sistema en cuanto a producción eléctrica se refiere. Por otro, los estudiantes apuestan por el concepto de 'ciudad inteligente' que permita a las personas que utilicen Bioo comprar o vender electricidad. Su objetivo, además de desarrollar estos sistemas en hogares, agricultura o en tejados verdes de edificios públicos, será contar a partir de ahora con inversores que les permitan seguir creciendo".
Os estudos sobre o uso eficiente da eletricidade existem desde as primeiras décadas do século XX, pelo inventor Nicola Tesla, mas poderosos interesses de grandes corporações tem barrados iniciativas em escala maior, em favor dos interesses petrolífero e do gás.
Quem sabe, num futuro não tão tão distante assim, a energia limpa seja a regra e não a exceção.

Observação: As legendas em inglês podem ser ativadas no menu, no canto inferior direito da janela, e depois traduzidas pela opção em formato de engrenagem ao lado.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Professor: Organize as notas de seus alunos e turmas em apenas um arquivo Excel




A imagem acima é do blog HORA DE COLORIR que, entre diversas sugestões para professores, indica como estes podem organizar as notas de suas turmas em apenas um arquivo Excel, se a necessidade da instalação de nenhum programa específico, apenas o download do referido arquivo-modelo, que será lido no Windows pelo Excel e no Linux pelo Calc.
O Educa Tube Brasil baixou e testou o arquivo e é de simples manuseio, bastando o professor salvar o arquivo, renomeando-o e substituindo os dados lá dispostos como modelo, preenchendo os dados de sua turma, alunos e notas.
A ideia é simples: Um controle interno do professor que pode ser disponibilizado à secretaria da escola, agilizando a transferência de dados, bastando apenas conferir se a fórmula de cálculo das notas é a mesma utilizada pela escola. Ou adaptando-a.
Abaixo, segue link para a postagem do blog, com o tutorial de utilização do arquivo:

Organize suas notas de suas turmas e alunos em apenas um arquivo Excel

Para BAIXAR e salvar com outro nome o arquivo (renomeá-lo), clique no link a seguir:
ARQUIVO EXCEL - NOTAS DOS ALUNOS

Esta indicação descobri através da página de Paula Dimussio, professora de Rio Grande, RS, Brasil.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

A comovente história de Raymond e Patrick (Grandes mestres e alunos surdos)




O vídeo acima que intitulei Esse é o mundo em que acredito. Esse é o mundo que ainda vale a pena, encontrei visitando a página Os Grandes Mestres, através do Facebook da colega e amiga Marisa Barreto Pires, educadora em Rio Grande, Rs, Brasil e trata-se de uma história relevante e motivadora. Aliás, duas histórias: a de Patrick, jovem de 15 anos, que nasceu surdo e vive em uma região remota de Uganda, sem escolas para alunos surdos, e que vivia condenado, por conta de sua deficiência auditiva, a uma espécie de mutismo, até receber a visita de um professor de língua de sinais (Raymond, que também é surdo) e se integra, junto a outros jovens e idosos na mesma situação, a uma turma especial, no coração da África subsaariana, unindo crianças de 9 a idosos de 80 anos. E a história de Raymond (no início similar a de Patrick, do surdo que se torna professor de outros surdos, seu desprendimento, sua didática e metodologia) merecia também um vídeo à parte, por sua dedicação.
Toda essa trajetória de professor e aluno surdos é documentada neste vídeo por uma equipe de jornalismo, e mais do que uma atividade de inclusão pedagógica e social, é um ótimo material para discutir a aprendizagem em geral, e não apenas o ensino da língua de sinais, pois há uma didática e metodologia cativante e um gesto de solidariedade, de gentileza, de humanidade que deve ser destacado. Humanos que mantém sua humanidade e dignidade, apesar das privações e necessidades...
Ao final de um dia, um único dia, é possível perceber a mudança drástica de Patrick, de um jovem fechado em si mesmo, sem poder se comunicar, a não ser com o pai, por breves gestos, a um aluno dedicado e integrado a um grupo de colegas que passam a se entender.
Os grandes mestres estão por ai, nem sempre conhecidos ou reconhecidos por nós, fazendo seu trabalho mundo afora, muitos de forma anônima, sem o devido destaque nem valorização. Pessoas humanas, sim, pois não são indiferentes ao seu semelhante; que não querem ser o melhor, mas fazem o seu melhor. Diferentes pois não são indiferentes. Humanos por não terem esquecido sua humanidade.
Este vídeo lembrou-me versos de Milton nascimento e Fernando Brandt, na canção Nos Bailes da Vida, em que dizia que "Todo artista deve ir aonde o povo está". Fato! A educação e a escola devem ir aonde existe necessidade, não somente os alunos irem onde estiver uma escola. Devem ser oferecidas oportunidades de que pessoas possam ser integradas à sociedade.
A experiência de Patrick, lembrou-me também a história de Maruge, idoso que passou grande parte da vida como preso político no Quênia e aos 83 resolve aprender a ler e escrever, contada no filme O Aluno, que recomendo a todos os educadores.
Abaixo, breve sinopse do filme:

"Maruge lutou pela liberdade de seu país, foi preso e torturado. Aos 83 anos, se fazendo valer de um discurso do Presidente do Quênia que garante educação para todos, Maruge decide se matricular numa escola primária, gerando revolta nos moradores da região. O filme é um drama tenso, mas belíssimo e inspirador."

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Professora usa bordado (educacional) para conscientizar docentes sobre dificuldade dos alunos




O vídeo acima Ponto a Ponto Bordados, procurei no You Tube e é meramente ilustrativo para notícia que encontrei no portal PORVIR, sobre Professora [que] usa bordado para conscientizar docentes sobre dificuldade dos alunos.
Trata-se do incrível e motivador relato no DIÁRIO DE INOVAÇÕES, dado ao Porvir pela professora Daniela Cordeiro de Almeida Lemos, Coordenadora do Colégio Maria Clara Machado, de Belo Horizonte (MG), Brasil, colocou professores no papel de estudantes para mostrar como alunos se sentem em relação a novos conteúdos.
Um relato que vai ao encontro do que o Educa Tube Brasil, seguidamente destaca, de projetos, atividades e experiências educacionais que por conta de sua simplicidade, permitem a sustentabilidade e a continuidade dos mesmos. O "Risco do Bordado" de Daniela, alusão a obra literária de Autran Dourado, este blog toma a liberdade de reproduzir na íntegra, logo abaixo, como belíssimo exemplo de metodologia e didática na educação, de exercício de alteridade de o professor se colocar como aluno, constantemente, seja em formações e capacitações, como propostas por Daniela, seja na observação e diálogo com seus alunos sobre esse "Admirável Mundo Novo" que surge a cada geração, e da importância de recuperar práticas simples que nem por isso deixam de ser inovadoras; pois inovar, já diz o próprio termo é transformar o que já existe... Inovação: uma nova ação, muitas vezes para as mesmas coisas, um novo olhar, como a professora Daniela propõe para o bordado educacional.

Professora usa bordado para conscientizar docentes sobre dificuldade dos alunos, via Porvir

"Após acompanhar o Transformar 2015, evento sobre inovações educacionais, resolvi aplicar algumas ideias expostas no encontro e lançar um desafio. Agendei uma reunião com todo o corpo docente do colégio Maria Clara Machado, em Belo Horizonte, que conta com aproximadamente 20 profissionais.
Comecei explicando que, para o professor, a matéria que ele ministra é um conteúdo fácil, já que ele vê aquilo todo dia, todo ano. Além disso, falei da importância do aluno entender o processo de ensino-aprendizagem e fiz um resumão do Transformar.
Com a proposta de fazê-los se sentir como alunos, ministrei uma aula de bordado. Expliquei toda a história do bordado, mostrei um passo a passo, coloquei uma videoaula e, no final, perguntei se eles tinham alguma dúvida. Todos responderam que não, que aquilo 'era tudo muito simples'. Então eu respondi: 'Tudo bem. Agora é a aula prática'.
Eles entraram em desespero quando perceberam o quanto aquilo era difícil. 'É assim que o aluno se sente', eu falei pra eles. O aluno se sente angustiado porque, na teoria, quando o professor está explicando, é tudo muito fácil. Mas na hora que ele tenta, não consegue. >br /> Essa experiência serviu para que os docentes vissem como, no olhar do aluno, o conteúdo está muito longe da realidade. Eles vivenciaram um pouco dessa angústia. Além disso, eu comparei com os métodos tradicionais de aula e mostrei como o estudante se sente frente a uma disciplina nova pela qual não possui habilidade nem empatia.
Durante o processo, era engraçado porque o professor de inglês falava assim 'volta lá na videoaula!'. Então eu fazia exatamente como é o vício do professor em sala de aula: 'nossa gente, é muito simples, peguem aí a linha, passem no buraquinho da agulha, não é possível que vocês não dão conta'.
Eu escolhi o bordado por ter experiência e, pra mim, ser uma coisa fácil. Queria escolher uma atividade que eu já tivesse habilidade. Quando uma pessoa vai dar aula de física, por exemplo, ela já tem habilidade em física. Além disso, o bordado sai mesmo de qualquer conteúdo curricular de sala de aula.
Depois da experiência, os professores começaram a olhar os alunos de maneira diferente, não como uma caixa de depósito de conteúdo. Eles perceberam que os jovens têm habilidades e competências diferenciadas. Por exemplo, no início desse ano, todos os professores já começaram a aula de forma diferente. A professora de matemática, do oitavo ano, usa o tablet uma vez por semana para dar aula de geometria.
Quando eu fiz essa proposta, o legal foi que eles compraram a ideia. Se o grupo virasse pra mim e falasse: 'nós não vamos fazer isso, isso não tem sentido', eu não teria obtido esse resultado. Comecei a perceber um movimento de mudança; os professores começaram a trabalhar de maneira mais interdisciplinar. É muito bacana ver a equipe integrada e acreditando que podemos mudar a forma de se ensinar!"


O Educa Tube recomenda também o portal abaixo, do Professor Doni, diretor do Colégio Maria Clara Machado:

PROFESSOR DONI - PORTAL EDUCACIONAL

terça-feira, 12 de abril de 2016

Scarlett: curta de animação inspirado na luta de menina contra o câncer




O vídeo acima Scarlett, descobri na rede social e trata-se de comovente curta-metragem de animação que conta a história de uma menina que luta contra o câncer.
O curta é inspirado na vida de Scarlett Aida Rivero Osejo, que mora nos EUA, e foi diagnosticada com Sarcoma de Ewing, um câncer ósseo que a levou a um duro tratamento com 14 sessões de quimioterapia e a amputação de sua perna direita.
A menina superou não apenas a doença, os obstáculos e limitações da vida como se adaptou a prótese de forma divertida. Em que a resiliência deve ser sempre destacada.
O câncer infantil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), atinge mais de 150 mil crianças diagnosticadas em todo o mundo a cada ano.
De acordo com a revista Exame: "A história da menina inspirou a criação da fundação ‘Scarlett Contra el Cancer’, que arrecada fundos para ajudar crianças que, ao contrário de menina americana, não têm condições de combater a doença, financiar próteses e voltar a ter uma vida normal". E "para promover a causa e incentivar doações, a fundação criou um curta-metragem tocante, que conta justamente a história de superação da Scarlett".
Abaixo, link para o portal da Fundação e para conhecer um pouco mais de Scarlett:

SCARLETT COM EL CÂNCER - FUNDAÇÃO