quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Afroteca Audiovisual Infantil: arte e cultura negra e afrodescendente em acervo digital para conhecimento, consciência e divulgação




A imagem acima é da AFROTECA AUDIOVISUAL INFANTIL, criada pela professora Cátia Queiroz, que, conforme apresentação, foi feita "para reunir diversas histórias em vídeos que contam sobre a cultura negra e afrodescendente e trazem conhecimento, consciência e muita diversão". Esse conteúdo me foi indicado pelo colega e amigo Allan Magalhães, educador de Rio Grande (RS), Brasil via WhatsApp da escola onde atuamos.
Para acessar seu conteúdo, basta visitar o site da Biblioteca Virtual "Monteiro Lobato", da EMEB Prof. Otílio de Oliveira, que traz em destaque a Afroteca, com link para o Google Drive, conforme imagem e link a seguir:



AFROTECA VIA BIBLIOTECA VIRTUAL "MONTEIRO LOBATO"

Abaixo, segue um dos materiais disponíveis na AFROTECA AUDIOVISUAL INFANTIL e que encontrei também no YouTube, intitulado "A História da Menina Bonita do Laço de Fita / Vídeo-Livro":



Pejac Art: Rachadura pintada na parede hospital em recordação aos mortos pela Covid19 (visão do macro ao microcosmos em intervenção original)




O vídeo acima Rachadura pintada no hospital de Vadecilla em recordação aos mortos pela Covid19, trata-se da incrível arte de Pejac e me foi indicada pela minha prima Rejane Klaes, de Porto Alegre (RS, Brasil. Conforme apresentação do referido video no YouTube: "É uma rachadura pintada no hospital de Vadecilla (Santander, Espanha) em recordação aos mortos pela Covid19 e, em homenagem a todos funcionários da Saúde. O artista se chama Pejac e chamou a arte de 'Banksy'. Impressionante quando se chega perto."
Lembrei até dos versos de Vaca profana, de Caetano Veloso, "de perto ninguém é normal".
Entretanto, quando nos distanciamos dos números e das estatísticas do Covid-19 e nos aproximamos das pessoas que contraíram o vírus, das famílias que perderam seus entes queridos, dos colegas de trabalhos, dos vizinhos etc, tudo toma outra dimensão. Para se entender o macrocosmos é necessário conhecer o microcosmos. Para se falar de algo em sentido amplo, requer se aprofundar na realidade local, nos detalhes de cada situação.
A técnica de Pejac é fabulosa por isso: estabelecer essas relações e conexões entre o micro e o macro, seja no mural que é feito com miniaturas de pessoas que formam essa grande rachadura social e dos traços de vidas perdidas, como também, na prisão, simulando os traços de contagem de dias dos prisioneiros. Arte viva, provocativa e reflexiva.
Esse conceito se reproduz em "Gold Mine" (Mina de Ouro), logo abaixo, intervenção feita em velha prisão da Espanha, o Presídio Central de El Dueso, em Santander:



A arte acompanha a humanidade, desde as cavernas de Lascaux, dos registros da escrita rupestre. A arte é o que nos preserva a humanidade e mantém a sanidade, por ser uma linguagem universal e atemporal. Seja a arte ruprestre, seja o grafite da arte urbana moderna!

terça-feira, 24 de novembro de 2020

A Fábrica do Futuro e a Economia do Compartilhamento na Sociedade Digital: série de episódios de programa do Canal Futura




O vídeo acima China: A Fábrica do Futuro fica em Shenzhen faz parte de uma série de episódios do programa Expresso Futuro do Canal Futura, apresentados por Ronaldo Lemos, mostrando a realidade da maior economia mundial, calcada muito na tecnologia e na inovação, como o caso da cidade de Shenzen, que até 15 anos atrás era uma vila de pescadores e tornou-se uma megalópole chinesa, berço de grandes empresas como a Huawei.
Material que trabalhei com meus alunos do ensino médio, numa provocação e roda de conversa sobre tecnologia e inovação na disciplina de PDI - Profissões digitais inovadoras.
Conforme o seriado, a palavra de ordem na China é velocidade, aliada à tecnologia e inovação, como o no chamado "playgroud de empreendedores" que reúne num espaço diversos desenvolvedores que compartilham dados, equipamentos, recursos diversos e conhecimento.
Essa liderança se deve às transformações do modelo "Made in China" (cópia de outros), para "Designer in China" (promovendo diversas inovações tecnológicas) que troanram a China numa sociedade digital, em que tudo é feito através do smartphone.
No episódio abaixo, China: Os Super Aplicativos e a Economia do Compartilhamento, Ronaldo Lemos, mostra como a China conseguiu concliar a tradição com a modernidade digital, a partir de uma nova geração que compartilha dados e conhecimento e o mais interessante: Concept Store, ou a loja conceito:



Recomendo também outros episódios do programa Expresso Futuro, listados abaixo, com respectivo link:

China: O Futuro das Cidades Conectadas

Moedas Virtuais, o Futuro das Finanças

Inteligência Artificial

sábado, 21 de novembro de 2020

Termostato 6: criativo curta de animação para promover reflexão sobre as mudanças climáticas e o aquecimento global




O video acima Thermostat 6 é uma interessante animação francesa de 2018, produzida pela Escola de imagem Gobelins, de Paris, França e me foi indicada pela minha talentosa aluna Ursula Marques, do ensino médio, que desenha muito bem e indico seu instagram AQUI.
A animação conta, conforme a apresentação da mesma no YouTube, a história da jovem "Diane não pode mais fingir que não vê o vazamento que escorre pela mesa de refeição da família... Diane não pode mais ignorar o vazamento que vem do teto acima do restaurante da família..."
Um curta-metragem de animação perfeito para se discutir na família, na sala de aula e na sociedade sobre mudanças climáticas, aquecimento global, além de outros temas como negacionismo, terraplanismo, superstição, senso comum, ciências, razão, emoção e muito mais.
No vídeo, como em muitas redes sociais familiares e além disso, mostra pessoas que taentam levar sua vida como se os pequenos sinais não merecessem o devido cuidado, até que chega o dia inevitável.
Um belo material para uma atividade integrada de geografia, biologia, produção textual, artes e muito mais.
Recomendo que ativem primeiro as legendas e depois cliquem ao lado, no símboo da engrenagem para ativar a tradução.

terça-feira, 17 de novembro de 2020

Heróis (poderíamos ser): clipe que parece curta em um voo além da imaginação [e proposta de interpretação da linguagem visual]




O vídeo acima, Heroes Heroes (we could be) ou "Heróis (poderíamos ser)", tradução livre, é um daqueles "Clipes que parecem Curtas", pela sua narrativa visual semelhante a um curta-metragem com início, meio e fim e é um belíssimo audiovisual para promover uma reflexão sobre educação e sociedade.
A história cantada mostra um jovem que entra em uma espécie de sanatório ou prisão em que outros jovens mutantes, com poderes parecidos com os dos X-Men, da Marvel, são aprisionados e passam por certas experiências, algumas delas visando a "normalidade", como tratamento por medicamentos etc. Um deles é uma moça com asas de anjo, alvo principal do jovem sem nenhum poder aparente, que carrega no pescoço um cordão com uma chave. Os elementos simbólico, alegórico e metafórico estão muito presentes em todo o clipe.
Muitos jovens desconhecem seu poder, ou não sabem lidar com seus talentos naturais, precisando ás vezes de alguém que os liberte de um encarceramento, inclusive escolar, familiar e social. Muitas vezes os estranhos, os esquisitos são justamente aqueles que se dizem normais. E o que é normalidade? Ser uma dízima periódica na sociedade? Fazer as coisas de forma repetitiva, mecânica e robotizada? É essa a Inteligência Artificial que alguns desejam?
O clipe, além de muito dançante, possui cenas quase hipnóticas, que provocam no espectador uma reflexão.
E a cena final, em que o rapaz consegue fugir com a moça com asas de anjo até o terraço do prédio é emblemática demais. Os dois saltam, fugindo dos enfermeiros ou guardas, mas só ela, que possui asas, consegue voar e ele, embora a tenha ajudado na fuga, cai sobre o capô de um carro lá embaixo estacionado.
O que se pode analisar dessa narrativa visual? Que ela tinha asas e acreditava em seus sonhos, que o rapaz que a ajudou na fuga é como aquelas pesoas que acreditam em nosso sonhos, mas não no próprio potencial, por isso não conseguem voar, e os demais, que libertos daquela prisão, saem em fuga e somem no mundo...
Algo como, não basta apenas esforço, há que se ter talento? Ou não basta acreditar nos outros, têm-se que acreditar em si mesmo, que os sonhos podem se torna realidade? Ou que se acreditando no impossível ele se torna real?
Muitas vezes a sociedade tenta "encarcerar" o pensamento dos que pensam diferente, dos que estão inovando, enquandrando-os em suas caixas, salas, prisões... O diferente, o diverso sempre será visto como o estranho, o estrangeiro àqueles que se acomodam em sua zona de conforto e de suposta normalidade. Sem os anjos, de asas ou não, a humanidade não teria elevado o voo da imaginação, eis a lição que esse clipe que parece um curta nos traz.
Em 2011 formulei um projeto e o coloquei em prática, justamente com esse nome, selecionando diversos clipes que possuíam uma narativa visual, e uma palavra cantada a ser recontado pelos alunos. Abaixo, link para o referido:

PROJETO CLIPES QUE PARECEM CURTAS, UNINDO MÍDIAS, LITERATURA, MÚSICA E PRODUÇÃO TEXTUAL

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Projeto "Dando asas à imaginação": livro produzido por alunos de escola pública em atividade integrada de letramento, artes e literatura



A imagem acima é da capa do livro DANDOS ASAS À IMAGINAÇÃO, um belo projeto da professora Rozelaine Nunes e seus alunos do 4º ano C, de 2014, da EMEF João de Deus Collares, de São José do Norte, no extremo sul do Rio Grande do Sul, Brasil, que teve a colaboração da ilustradora e diagramadora Mariana Almeida Lucas e uma singela particação de José Roig, editor deste blog educacional, numa aula sobre arte e literatura.
Um projeto que envolve letramento, arte, cultura e literatura e que pode ser conferido no link abaixo, via ISSUU, de Mariana Lucas:

PROJETO "DANDO ASAS À IMAGINAÇÃO"

Icentivar a arte, cultural, leitura, esdcrita, desenho, pintura e todas as manifestações artísticas e culturais na sala de aula é um requisito fiundamental ao educador do século XXI. Unir as mútiplas linguagens em projetos inter e multidisciplinares, idem. Promover a troca de saberes dentro e fora da escola. Trazer convidados para interagir com o alunado, outra realidade, que não precisa ser virtual, mas vinculada à realidade local de cada escola e sua comunidade.

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

“Deveríamos ser parceiros complementares, e não substitutos”: Robô Sophia e as Inteligências Artificial e a Emocional no cotidiano




O video acima Robô Sophia: “Deveríamos ser parceiros, não substitutos”, descobri no YouTube e se trata de entrevista de uma robô, feita a uma humana, em que a s respostas espirituosas e supreendentes demonstram as possibilidades futuras.
É também um audiovisual que permite diversas reflexões e debates sobre Inteligência Artificial, Inteligência Emocional e as múltiplas inteligências envolvidas no cotidiano, seja na família, na escola ou na sociedade.
Concordo que não apenas os robôs devem ser vistos como parceiros complementares, ao invés de substitutos de humanos, mas que os próprios humanos precisam trabalhar mais coletivamente entre si, em casa, na sala de aula e no mundo afora.
Que é inevitável a incoporação da Inteligência Artificial no cotidiano, isso quase ninguém mais discute, até pelo fato que já está presente em situações corriqueiras que nem nos damos conta, basta ter um smartphone na mão. Já falamos com máquinas, seja via telefone celular, computador, como em caixas eletrônicos e tudo mais.
A questão é, os humanos só serão substituídos, se asim o deixarem, na medida que se tornarem seres robotizados, desumanizados, sem criatividade, autenticidade, autonomia, independência, iniciativa. E aí, se assim o fizerem, serão facilmente substituídos por robôs.
Entretanto, a pandemia de 2020 mostrou aos mundo que um bom professor é insubstituível e nenhuma IA poderá substituí-lo, por mais avançada que esteja a tecnologia, pois as máquinas replicam comandos, reproduzem algoritmos, simulam nossa humanidade.
Sempre digo aos amigos e colegas que nenhuma escola pública brasileira funcionaria minimamente, se caso professor, funcionário e equipe diretiva fizesse tão-somente o que está expresso no estatuto do Magistério ou do Funcionalismo Público, pois o educador acaba sempre fazendo além da conta para manter a escola em funcionamento, sendo muitas vezes pai substituto, enfermeiro, psicólogo, terapeuta, etc. Nenhuma máquina, por melhor que seja seu sistema operacional conseguirá incorporar na sua "existência" as vivências humanas, que são peculiares de cada um, valendo-se de sua bagagem sentimental, experiêcias, aprendizagems erros e acertos, maturidade, empatia, alteridade, solidariedade e muito mais.
Toda escola é uma pequena simulação da comunidade em que está inserida, e para conhecer o perfil do aluno é preciso conhecer a realidade local. Nisso a Realidade Virtual, a Realidade Aumentada, a Inteligência Artificial não bastam, é preciso ter sensibilidade humana para a resolução desse problema, que nenhuma equação matematica pode solucinar de antemão.
Pais deveriam ser parceiros da escola; escola não deveria ser substituta da família. Cada um tem seu papel social, ou deveria exercê-lo na completude, para não sobrecarregar o "sistema operacional" educacional.
E aí lembro de frase de Chaplim, extraída do filme O Grande Ditador (1940), quando seu personagem se dirige à plateia e comenta que:



domingo, 8 de novembro de 2020

A Menina de Lá, conto de Guimarães Rosa em "Primeiras Estórias", na bela interpretação de Odilon Esteves #espalhemospoesia




O vídeo acima, A MENINA DE LÁ, de João Guimarães Rosa, integrante do livro de contos "Primeiras Estórias", descobri nos vídeos correlatos do YouTube e é uma bela interpretação de Odilon Esteves para um dos belos contos de Guimarães Rosa, como o "A Tercera Margem do Rio", entre outros.
Um conto adaptado para um vídeo de curta-metragem de 15 minutos que reocmendo aos professores e alunos, tanto em Língua Portuguesa, como Produção Textual, além de Artes e Literatura. Um texto que pode ser dramatizado por alunos com a supervisão de professores.
O ator Odilon Esteves, na apresentação do referido vídeo declarou que esta "Foi a primeira obra do Rosa a que tive acesso, graças à montagem teatral dirigida por outro João, o João das Neves, em 1992, no Parque Lagoa do Nado, em BH! Cada conto encenado em um lugar do Parque, no meio da natureza! Uma beleza profunda!".
E fiquei imaginando professores e alunos adaptando contos da literatura brasileira, tendo como cenário a própria escola, ou o entorno dela, num projeto integrado entre Literatura e Artes, Geografia e História, Língua Portuguesa e Produção Textual etc.
Quem sabe um festival audiovisual de "Primeias Estórias" reais ou ficionais, de contos e causos adaptados para curtas-metragens de 2 a 5 minutos, em que os alunos e a comunidade escolar façam parte da comissão julgadora. Fica a ideia aqui neste blog educacional.
Abaixo, segue canal de vídeos de Odilon Esteves, com outras preciosidades, cuja tag (marcador) é bem sugestiva: #espalhemospoesia. Espalhemos, então, poesia, arte e cultura. O blog educacional Educa Tube Brasil recomendo essa visita:
ODILON ESTEVES - #ESPALHEMOSPOESIA

Aproveito para indicar, logo a seguir, uma belíssima entrevista com o próprio João Guimarães Rosa ao jornalista alemão Walter Höllerer para um canal de televisão independente em Berlim, em 1962:



quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Formação para professores de Ciências e Biologia: curso, inscrições e materiais online




A imagem acima é do portal FORMAÇÃO PARA PROFESSORES, inciativa da professora Andrea Barreto, do Rio de Janeiro (RJ), Brasil e editora do ótimo blog DICAS DE CIÊNCIAS, de oferecer curso de formação para professores de Ciências e Biologia.
Segundo a própria Andrea, "A ideia é organizar o material que interessa o professor, como planos de aula com base na BNCC, sequências didáticas, planos de estudos e projetos de Ciências e Biologia". São materiais de autoria da própria Andrea que já estavam no Dicas de Ciências e materiais que são inéditos e exclusivos para o site.
Além disso, uma parte da formação será online.
Ótima iniciativa que o Educa Tube Brasil indica, a partir do link de acesso abaixo para visitação:

FORMAÇÃO PARA PROFESSORES DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Pachamama: animação que trata da defesa da natureza e dos recursos naturais de um povo diante da invasão dos poderosos




O vídeo acima, Pacharama é o trailer para essa belíssima animação do argentino Juan Antín com produção francesa, na Netflix, ambientada nos primeiros anos do século XVI e "que trata da defesa da natureza e dos recursos naturais de um povo diante da invasão dos poderosos".
Algo que lembra o longa-metragem Avatar (vídeo abaixo), de James Cameron, que mescla animação digital com atores contracenando e cuja temática também é sobre os na'vis, habitantes de um planeta em que as riquezas naturais são cobiçadas por forças invasoras.



Outra relação intertextual interessante é com a animação brasileira Pajerama, em que "Um índio é pego numa torrente de experiências estranhas, revelando mistérios de tempo e espaço", algo que remete à literatura de Erico Verissimo e seu livro "As Aventuras de Tibicuera":



Para saber mais sobre Pachamama, indico link abaixo:

"Pachamama", una gran película en Netflix para rescatar una tradición que sigue viva

domingo, 25 de outubro de 2020

Matheus Máthica: blog educacional de divulgação de curiosidades, recursos e notícias sobre a Matemática




A imagem acima é do blog MATHEUS MÁTHICA que é um espaço virtual de divulgação de curiosidades sobre educação, em geral, e a matematica, em especial.
Matheus Sousa, de Jequié, Bahia, Brasil, é mestre em Educação Matemática, especialista em Tecnologias e Educação Digital Aberta e formado em Matemática, que decidiu criar o blog "para mostrar um lado interessante e curioso da Matemática, neste sentido, os posts são direcionados a todos os públicos". Dessa forma, ele apresenta "sugestões de materiais para os professores trabalharem em sala de aula, recortes de notícias relevantes sobre a Matemática e seu potencial, vários desafios que aguçam a interação dos leitores e muitas outras abordagens que demonstram a relevância da Matemática com outras áreas do conhecimento".
Abaixo, link para visitação do referido blog educacional:

MATHEUS MÁTHICA: o lado interessante e curioso da matemática

sábado, 24 de outubro de 2020

Aula interdisciplinar: Pesquisadores japoneses criam animação via supercomputador que mostra o efeito da umidade e como o coronavírus se espalha na mesa de jantar




O vídeo acima Supercomputer shows humidity effect on COVID-19, foi indicação da colega e amiga Josane Batalha Sobreira da Silva, professora de Campinas (SP), Brasil.
Como a tradução livre indica, trata-se de surpreendente animação feita por supercomputador demonstrando o efeito da umidade nas pessoas, durante a pandemia de Covid-19.
Animação japonesa, divulgada pela rede NBC, dos EUA (link AQUI), que "mostra como o coronavírus se espalha na mesa de jantar". Segundo a notícia, " Pesquisadores japoneses [das universidades de Riken e Kobe] usaram um supercomputador para examinar como as partículas [do vírus] se espalham quando sentadas à mesa".
Durante o inverno, por causa da umidade do ar, a pouca ventilação, as aberturas fechadas, o vírus se concentra nos ambientes e prolifera de forma ampla, aumentando os casos de infecções respiratórias e contaminação exponencial. Conhecer o microcosmos é uma necessidade para estabelecer políticas públicas eficientes em marcoescala.
Imaginem, então, em uma sala de aula, mesmo respeitado o distanciamento social, em plena pandemia do Covid-19, sem ainda a vacina! Existem cidades em que a umidade do ar é intensa, tanto no inverno como no verão.
Mais didático impossível e um ótimo material para os professores de Ciências, mostrando toda a física, química e bilogia envolvida nisso. Audiovisual que permite uma aula inter e multidisciplinar nas Ciências da Natureza.

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Vida Selvagem: "Mas a vida é o que acontece quando você está fazendo planos" [Clipes que parecem Curtas]




O vídeo acima, WILD LIFE (Vida selvagem), da banda OneRepublic, descobri por acaso nos vídeos correlatos do YouTube e, além de ser fã do grupo, o clipe tem uma narativa visual como um curta-metragem, contando, aliás, cantando a historia de um jovem e sua luta pela sobrevivência, numa pequena viagem no tempo por imagens, emoções, sensações e percepções.
A história cantada inicia numa sala de aula, com a fala de um professor a seus alunos, e depois foca na história de vida de um aluno, em especial.
Em um dos refrões, uma frase emblemática, poética e filosófica [recomendo que ativem legendas e tradução, no canto inderior direito da janela do referido vídeo]: "Mas a vida é o que acontece quando você está fazendo planos". Um clipe que acalma a alma do vivente e mais um para meu projeto "Clipes que parecem Curtas" que utilizo em Produção textual, sobre leitura de imagens e escrita criativa a partir da contação e cantação de clipes que possuem uma narrativa semelhante a um curta-metragem.
Cinema pode ser um grande aliado da educação, através de clipes, curtas, cenas de filmes, documentários, animações, animes etc. Viver o hoje intensamente! Eis a lição que o clipe e canção nos trazem e muito mais que isso: resistência, resiliência, compaixão, solidariedade, alteridade, empatia etc.
A vida é, de fato, aquilo que acontece conosco, quanto estavam fazendo planos, projetos, atividades e muito mais...
Abaixo, link para pistagem sobre meu projeto:

CLIPES QUE PARECEM CURTAS - PROJETO ESCOLAR UNINDO MÚSCIA, CINEMA, MÍDIAS E EDUCAÇÃO

terça-feira, 20 de outubro de 2020

"Estação N": A Feira de Ciências da Netflix em portal interativo de jogos e atividades de divulgação científica para crianças



A imagem acima é da ESTAÇÃO N, o portal da Feira de Ciências da Netflix, canal de streaming, que disponibilizou esse espaço virtual de interação para divulgação científica para crianças e que descobri via Linkedin de Ana Ralston, de São Paulo (SP), Brasil, que trabalha com estratégias para a educação na prática e faz parte também do canal de vídeo no YouTube Ciência em Show.
O portal Estação N permite que a criança cria um perfil gratuito e que possa viver aventuras digitais como piloto, explorador e cientista, visitando diversos mundos mágicos.
O processo é simples e rápido. A criança acessa o endereço: https://estacaon.com, ou clica no link AQUI.
Depois indica um nome e escolhe um avatar, conforme imagem abaixo:


Como avatar pronto, basta acessar o ambiente virtual e assisitr um vídeo explicativo, de apresentação do espaço ou Estação N:


Logo após, é ingressar na aventura, optando por um entre os diversos mundos, cada qual com diversas atividades interativas, de jogos e outros materiais:


Como teste, escolhi um que tinha jogos:


Enfim, um espaço para que a criança ingressa no mundo das ciências, de forma divertida, aprendendo e brincando ao mesmo tempo. Fica a dica para pais e professores.
Abaixo link para o referido portal:

ESTAÇÃO N: A FEIRA DE CIÊNCIAS DA NETFLIX

Under Pressure (Sob Pressão): letra de canção que parece ter sido escrita durante a pandemia, por conta de sua universalidade e atemporalidade




O vídeo acima Under Pressure (Sob Pressão), da banda Quuen, com participação de David Bowie, em sua versão legendada, encontri no YouTube e a sensação de atemporalidade e universidade foi total, ainda mais nesses tempos de pandemia, distanciamento e confinamento social, quarentena e tudo mais.
Alguns versos são terrivelmente atuais, vide abaixo:

"Tudo bem!
É o terror de saber
A que ponto chegou o mundo
Observando alguns bons amigos
Gritando "Deixem-me sair!"
Rezo para que o amanhã me deixe mais animado
Pressão sobre as pessoas, pessoas nas ruas

A insanidade sorri, sob pressão estamos pirando
Não podemos dar a nós mesmos mais uma chance
Por quê não podemos dar ao amor mais uma chance
Por quê não podemos dar amor... dar amor, dar amor, dar amor"


Versos que remetem à pandemia do Covid-19, mas também à onda de ódio intolerância nesses dias atuais, mas ao mesmo tempo trazem um conforto e uma esperança, como nesses, que são poéticos e filosóficos:

"Pois o amor é uma palavra tão fora de moda
E o amor te desafia a se importar com
As pessoas no limite da noite
E o amor desafia você a mudar nosso modo de
Nos preocupar com nós mesmos"
.

Um material para trabalhar leitura, interpretação, intertextualidade e produção textual.

domingo, 18 de outubro de 2020

Como criar um Mural Virtual Colaborativo (Padlet): Tutorial e 10 atividades escolares para fazer com o padlet




O vídeo acima "10 ATIVIDADES ESCOLARES PARA FAZER COM O PADLET", foi indicação via Facebook da colega Monica Cyríaco Barbosa, do Rio de Janeiro (RJ), Brasil e trata-se de sugestão de Rafael Cunha, professor também do Rio de Janeiro (RJ).
O Padlet é um recurso digital que favorece o ensino híbrido, aquele que mescla atividades presenciais com digitais, e nesses tempos de pandemia, distanciamento e confinamento social pode ser uma ótima oportunidade de estabelecer a interação entre professores e alunos, através de diversas possibilidades de apresentação de conteúdos e participação das tuurmas, seja no formato de linha do tempo, de prganograma, de mural simples, de tópicos a serem desenvolvidos nas atividades futuras, da mapa do que já foi desenvolvido e suporte para estudo, enfim, a criatividade não impõe limites.
A versão livre tem o limite de 100MB para cada mural virtual colaborativo. Já a versão paga permite a criação com limite maior.
Entendo o PADLET como uma ótima ferramenta para criação de Resumos Interativos para o ENEM, por exemplo, usando uma linha do tempo na Literatura, Filosofia, Sociologia, Geografia, História, um organograma na Química e Bilogia e por aí vai...
Aproveitei para indicar, a seguir outros vídeos sobre o tema para ampliar horizontes aos professores que desejem explorar a ferramenta e queiram utilizá-la no cotidiano escolar, durante a pandemia e após a ela.
O primeiro é um "TUTORIAL DE PADLET PARA PROFESSORES E ALUNOS":



E o segundo audiovisual, com exemplos práticos, chama-se "PADLET: COMO CRIAR UM MURAL VIRTUAL COLABORATIVO":