quarta-feira, 16 de outubro de 2019

A história de um ex-aluno diante de seu ex-professor: uma grande e surpreendente lição de vida para ambos!




O vídeo acima Lição de Vida em um reencontro de um ex-aluno, agora professor, diante de seu ex-professor. Uma confissão surpreendente e uma comovente lição de vida promovida pela Educação.
Para não tirar a surpresa desse vídeo incrível, prefiro que cada um assista e reflita ao seu modo, pois mesmo é autoexplicativo, filosófico, terapêutico e redentor.
Que história de vida que marcou um aluno e seu professor.
Um audiovisual poderoso para homenagear todos os professores em seu dia, que é cada dia, pois, diferentemente do burocrata do saber, preocupado mais com dias letivos e carga horária, o autêntico educador está sempre pensando algo em para utilizar em suas aulas. Para um professor, não importa se é domingo feriado, se está de férias. Quando vê um filme, lê um livro, ouve uma música etc sempre pensa em como aquele material pode ser usado em alguma atividade escolar. Tudo é matéria-prima para suas experimentações, projetos, planejamentos e tudo mais.
Garanto que muitos dos professores que seguem e visitam este blog terão profundas reflexões consigo mesmos e depois com seus alunos a partir desse relevante material, que me foi gentilmente indicado pelo amigo Fernando Luis, cantor, poeta músico e artesão de Rio Grande RS, Brasil.

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Adaptação de Aquarela de Toquinho: Bela homenagem do NRE Cianorte (PR) aos professores e agentes educacionais




O vídeo acima, trata-se de adaptação da canção Aquarela de Toquinho, e bela Homenagem do NRE Cianorte à todos professores e agentes educacionais.
Um belo material unindo alunos e professores numa versão da letra desse clássico da MPB - Música Popular Brasileira, adaptando-a para o universo da educação e a realidade do professor.
Vídeo que me foi indicado pela colega e esposa Elisabete Brasil Roig, professora de Rio Grande (RS), Brasil e que achjei uma interessante e criativa forma de adaptação a arte e da cultura na educação. Educar é transformar pessoas e materiais, e inovar é tornar novo algo já existente, e, mais que tudo, dialogar com a arte e a cultura no cotidiano escolar.
Parabéns ao Núcleo Regional de Educação - NRE de Cianorte, Paraná, Brasil, pela bela homenagem a todos os professores e agentes educacionais.
Aproveitando a oportunidade, indico logo abaixo, outro belo material, com a mesma canção, tendo como imagens as ilustrações de alunos da EEB Professora Gertrudes Benta Costa, de Joinville (SC), Brasil e o instrumental foi ensaiado pelos alunos da 8ª série., Conforme apresentação do vídeo no YouTube, feita pela professora Eliane Tomelin, em 2009: "Os cantores foram os próprios alunos acompanhados pelo coral Benta Costa. Claro que não há qualidade profissional, mas o valor como obra prima destes alunos alegra a todos os 80 educadores desta Unidade escolar".



domingo, 13 de outubro de 2019

Metodologias e tecnologias que encantam os alunos: conheçam 8 educadores criativos e talentos




A imagem acima, foi produzida no Paint Brush para valorizar algumas áreas do conhecimento que são destacadas em reportagem de revista, sobre "Oito professores que encantam seus alunos por conta das metodologias utilizadas em sala de aula", vide matéria completa no link abaixo:

Oito professores que encantam alunos com metodologias e talentos próprios

Cada um desses oito professores possui um talento natural e um gosto específico que incorporou ao seu fazer pedagógico: do teatro à robótica; da música à natureza etc. Cada um incorporando sua bagagem sentimental ao seu cotidiano escolar, tornando literalmente sua experiência imersiva e autêntico ao que foram quando alunos e agora como professores. Ser criativo e talentoso não requer grandes recursos tecnológicos e financeiros, quando se usa da memória, das vivências, daquilo que se gosta e domina para obter bons resultados junto ao alunado.
Sempre digo que se consegue domínio de classe quando se tem o domínio do conteúdo a ser ministrado, quando mostra ao aluno o significado e a importância para a vida daquilo que é aprendido e ensinado. Tudo precisa ter um contexto, tudo necessita de uma significação, seja na sala de aula ou na de casa. Todo educador, seja professor ou pai, requer que demonstra ao aluno e ao filho seus critérios, sua filosofia, sua avaliação e, mais que tudo seu conhecimento de mundo.
Mas não basta uma boa metodologia sem uma grande didática, o que comparo ao enunciado (o que se diz) e a enunciação (o como se diz). Não basta promover o uso de bons recursos metodológicos se a didática não promova a reflexão para as informações que gerem conhecimento, autoconhecimento, avaliação e autoavaliação de todos os que estão envolvidos no processo de ensino-aprendizagem. Todos são atores sociais: de alunos a professores, de equipe diretiva a funcionários e toda a comunidade escolar que precisa se integrar e conhecer uns aos outros.
E mais ainda, que os projetos de estudo e de trabalho sejam prolongamentos do projeto maior de vida. Que a nossa "homepage" simbólica possua "links" para as relações que se estabelecem entre escola, família e sociedade.
Já dizia o grande Paulo Freire, em a Pedagogia da Autonomia: "Educar é ter a consciência do inacabamento". Nem professores nem pais devem ter a pretensão de dar um acabamento a filhos e alunos, que estarão sempre em processo de construção... do conhecimento por conta da interação com outros professores, colegas de turma e no convívio social. Todos acabam sendo mediadores uns com os outros nesse diálogo entre gerações...

sábado, 12 de outubro de 2019

Estante Mágica: Projeto em sala de aula transforma alunos em pequenos escritores




O vídeo acima é do projeto "Estante Mágica", que permite que crianças escrevam suas próprias histórias, através de uma plataforma de mesmo nome para produção de um livro. Robson Melo é fundador do projeto, que nasceu em 2009, no Rio de Janeiro (RJ), Brasil e que atualmente está em escolas de todo o país, num total de 4.500 estabelecimentos de ensino.
Segundo dados mais de 500 mil crianças já escreveram suas histórias dentro do projeto.
Robson Melo é sócio fundador junto com Pedro Concy e com essa iniciativa, conciliam leitura, escrita e produção de livros infantis.
Uma outra história interessante por trás do projeto é contada por Robson, sobre seu avô analfabeto que veio do Ceará e construía estantes para livros que ele recolhia, recebia de doação, mesmo sem saber ler.
Para saber mais sobre o projeto, segue link da reportagem e da plataforma:



ESTANTE MÁGICA - REPORTAGEM

ESTANTE MÁGICA - PLATAFORMA

domingo, 6 de outubro de 2019

Afros e Afins: canal de Nátaly Neri para refletir sobre afrodescendência e a arte e a cultura em geral




O vídeo acima A IMPORTÂNCIA DA ESTÉTICA E AUTOESTIMA NEGRA: Geração Tombamento é Política?, trata-se de um dos ótimos materiais do canal AFRO E AFINS, mantido por Nátaly Neri para discutir questões da afrodescendência.
No vídeo mencionado, Nátaly, uma jovem de 25 anos que mora em São Paulo (SP) Brasil, traz algumas questões a serem refletidas, tais como: "Qual a importância da estética negra? Qual a importância de falarmos sobre beleza e imagens criadas sobre a negritude no Brasil? Como isso está ligado ao desenvolvimento de uma agenda política para os movimentos negros? Esse tema é relevante?"
Conforme Nátaly: "O Canal Afros e Afins é um projeto que iniciei no início da minha faculdade em Ciências Sociais, há quase quatro anos atrás, movida pelo desejo de compartilhar com o máximo de pessoas, todas as descobertas e novas informações que eu estava acessando sobre sociedade, individualidade, estilo de vida e muito mais. Criei esse espaço para compartilhar meus processos de autonomia.
Por meio de vídeos humanos e simples, feitos com muita honestidade e dedicação, quero incentivar o desejo de busca por autonomia intelectual, mental e de consumo. Esse canal fala sobre raça, gênero, sociedade, sustentabilidade, slow living, amores, beleza, e tudo o que uma jovem interessada em melhorar sua vida e a realidade ao seu redor poderia se interessar"
.
Abaixo, link para o canal:

AFROS E AFINS

A seguir trailer do documentário NEGRITUDES BRASILEIRAS - #CreatorsForchange que ao final desta postagem está disponível em sua versão completa:



Documentário Negritudes Brasileiras, completo, vide abaixo:



sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Quadro Branco: canal de vídeos que aborda Sociologia e Filosofia em paralelo com o Mundo Geek




O vídeo acima Isso é muito Black Mirror é uma amostra do interessante canal de vídeos no YouTube, denominado QUADRO BRANCO, que aborda temas da Sociologia e da Filosofia em paralelo com as referências do Mundo Geek, esse universo que, conforme a Wikipédia é "um anglicismo e uma gíria inglesa que se refere a pessoas peculiares ou excêntricas, fãs de tecnologia, eletrônica, jogos etc".
De fato, cada vídeo, aliado aos conceitos da Sociologia e da Filosofia traz inúmeras alusões e citações de filmes, seriados, jogos, eletrônica, informática e muito mais. Uma forma curiosa e criativa de integrar o conteúdo formal à informalidade do mundo de jovens e entusiastas da cultura digital.
Uma forma peculiar de ser universal, unindo o clássico com o contemporâneo.
Abaixo imagem e link para o referido canal:


br /> QUADRO BRANCO - CANAL

A seguir mais um interessante vídeo, unindo cinema, quadrinhos filosofia e sociologia, intitulado Bacurau e a Morte em Vida da Tempestade:



sábado, 28 de setembro de 2019

Tamara: curta-metragem de animação sobre o sonho de uma menina surda em ser bailarina




O vídeo acima Tamara foi indicação de Lilian Baungratz de Oliveira, educadora de Santo Augusto (RS), Brasil e trata-se de curta-metragem de animação que aborda o sonho de uma menina surda em ser bailarina.
A animação foi produzido pelo studio House Boat Animation e dirigido por Jason Marino e Craig Kitzmann.
Como declara a matéria do portal Só Escola: "Um sonho inalcançável para algumas pessoas, mas não para a mãe de Tamara, que a incentiva: 'dance para as estrelas, não se acanhe'. O vídeo é bem curto, mas sugere uma quebra de tabu. As pessoas surdas, com o grau de surdez que for, têm potencial para serem o que quiserem! Tudo depende das oportunidades que são oferecidas a elas. A animação mostra como o apoio da família é fundamental para o empoderamento da pessoa com deficiência auditiva".
Superar as limitações que cada um tem é essencial e a família, a escola e a sociedade devem ser parceiros solidários nessas jornadas. A arte e a cultura são elementos integradores que proporcionam trabalhar com a autoestima, com a criatividade, a independência e a cidadania.
Um processo inclusivo requer que o aluno esteja integrado aos demais, promovendo a interação, adaptando espaços e tempos ao fazer pedagógicos, acolhendo e promovendo a emancipação de todos.

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Inclutopia: educadora cria site para diminuir a falta de informação sobre educação inclusiva com minicursos via WhatsApp




O vídeo acima é uma apresentação sobre o site INCLUTOPIA, que descobri via portal RAZÕES PARA ACREDITAR, e trata-se de um espaço virtual criado pela pedagoga Fabiana Leme que possui mais de 20 anos de atuação da rede pública de São Paulo (SP), Brasil e que criou essa ferramenta de interação sobre educação inclusiva para oferecer a professores e pais cursos online e até mesmo via WhatsApp.
O objetivo de Fabiana é "diminuir a falta de informação sobre educação inclusiva".
Como destaca o portal Razões para Acreditar, no Inclutopia encontram-se "dicas de como trabalhar o processo ensino-aprendizagem com alunos com baixa visão, déficit de atenção, dislexia, transtorno de aprendizagem, deficiência intelectual, autismo. Os conteúdos são geralmente textos com orientações e jogos lúdicos". br /> Abaixo, links para acessar o site e seu perfil no Instagram:
br />


INCLUTOPIA - O SITE

INCLUTOPIA NO INSTAGRAM

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Arte Fitness: quando as cores parecem criar vida e a arte se torna viva (dança, música, coreografia e tecnologia)




O vídeo acima, que intitulei de "Arte Fitness", mescla dança, poli dance, artes plásticas, música, teatro e alta tecnologia para produzir uma obra de arte, que cria vida. A jovem bailarina contracena com imagens projetadas e com as cores vivas num palco, causando um impacto visual fenomenal.
Pura magia, tecnologia, fantasia.
Em proporção menor, usando um datashow um professor de artes com um de educação física aliado a outros mais e seus alunos, podem projetar imagens e fazer uma pequena coreografia em sala de aula.
Um vídeo simplesmente deslumbrante.

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

A sala dos sonhos: crianças convivendo com música, pintura e dança




O vídeo acima descobri no Facebook da colega e amiga Carla Kalindrah arte educadora de Niterói, RJ, Brasil e trata-se de um belo vídeo que unem música, pintura e dança entre crianças, numa verdadeira sala dos sonhos, como minha amiga denominou.
Pensar espaço e tempo integrados num ambiente criativo, alegre e divertido é essencial, principalmente quando se pensa na educação infantil.
Unir música, pintura, dança, mais jogos, teatro, esportes e muito mais dinamiza as práticas pedagógicas e favorece a interação com o grupo.

sábado, 14 de setembro de 2019

Professora Esperança: homenagem de ex-alunos "à mestra com carinho" que dedicou mais de meio século à educação




O vídeo acima Professora Ausonia Donato é homenageada por ex-alunos, foi indicação de uma aluna e uma colega da direção da escola onde atuo, durante o Conselho de Classe, e é um material profundamente reflexivo, pois é um experimento social do programa Criança Esperança, de levar alunos para escolha de futuras profissões e a que menos tem procura é justamente a de professor. Logo essa, que é a que forma todas as demais profissões.
O mais interessante no vídeo é a grata surpresa que ex-alunos da professora Ausonia Donato, do Colégio Equipe (SP), que em seus 74 anos de vida dedicou mais de meio século à educação (54 anos); Uma homenagem e ação comovedora, pois Ausonia é adepta da pedagogia do afeto em seu fazer escolar, tentando conhecer o aluno, seu perfil, suas necessidades, seu contexto social e seus talentos. Algo que me lembrou aquele filme clássico "Ao Mestre Com Carinho" (veja imagens ao final desta postagem).
Vejam também, logo a seguir, entrevista com essa grande educadora:





Por essas e outras que, talvez, o professor seja o maior contador de histórias, matemáticas ou contábeis, literárias ou pedagógicas. O bom professor dá esperanças ao aluno, de sua vida ressignificar.
Nem todos os professores, como a Ausonia, têm a dimensão da importância na vida de seus alunos como espelho e referência. O mestre é aquele que fica feliz quando seus discípulos o superam e seguem os próprios caminhos, sem desistir de seus sonhos.

Como os filhos enxergam as mães: vivemos por símbolos, sentimos por metáforas!




O vídeo acima, encontrei no Facebook e é de uma lindeza sem fim, intitulado "Como os filhos enxergam as mães".
De fato, uma forma criativa de mostrar sentimentos já que como humanos, vivemos por símbolos e sentimos através de metáforas. E as mães simbolizam essas feras protetoras que representam ao mesmo tempo a natureza humana.
Um ótimo material para uma dinâmica de grupo ou reunião de pais para valorizara a maternidade mas também para saber lidar também com a superproteção, com o exagero e tudo mais.
Não são apenas a mães que agem assim com os filhos alguns professores fazem o mesmo com seus alunos.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Mundo Geográfico: canal de vídeos e blog educacional que tratam da Geografia como "a ciência da sua vida"




O vídeo acima é a apresentação do canal de vídeos MUNDO GEOGRÁFICO, do professor Leonardo Miranda de Belo Horizonte (MG), Brasil, que é graduado em Geografia pela UFMG, mestre pela mesma universidade, professor de cursos pré-vestibulares e preparatórios. O referido canal trata da "Geografia em todos seus aspectos, geofísica, geopolítica, cartografia e muito mais. Comentários, resoluções de exercícios, tire suas dúvidas, a geografia no Enem, a geografia 'ciência da sua vida'".
A seguir, um dos vídeos, cujo tema é atualíssimo: "Por que o desmatamento na Amazônia afeta sua vida?"



O Léo Miranda possui também um blog para tratar do mesmo tema, vide links abaixo:



MUNDO GEOGRÁFICO - CANAL DE VÍDEO NO YOUTUBE



MUNDO GEOGRÁFICO - BLOG

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

A parábola de "A Verdade saindo do poço": pintura, literatura, ficção e realidade




O vídeo acima A verdade saindo do poço, pintura de 1896, do artista francês Jean-Léon Gérôme, escultor e pintor francês, e está ligada a uma conhecida parábola do século XIX e que dialoga de forma intertextual com a atualidade e o fenômeno das Fake News.
Um belo vídeo com interpretação do ator Silvio Matos, que narra a referida parábola que serve para uma reflexão sobre o cotidiano, para uma aula de filosofia, arte, produção textual, e muito mais.
Um material que mostra como é possível promover um diálogo entre literatura e pintura, ficção e realidade, educação e sociedade.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Matemática de um jeito diferente: graças a incentivo de professor seus alunos já ganharam centenas de medalhas em competições nacionais




A imagem acima é sobre uma incrível história de vida e de trabalho de Professor de escola da Zona Oeste [do Rio de Janeiro RJ, Brasil] ensina matemática de jeito diferente, que graças a sua dedicação, metodologia e didática tem conseguido que seus alunos ganhem centenas de medalhas em competições nacionais.
O professor se chama Luiz Felipe Lins e trabalha em escola pública, valendo-se do jogo para desenvolver a aprendizagem socioemocional, que incentiva trabalhar em equipe e em conjunto, a partir do 6º ano do ensino fundamental.
Como destaca uma das alunas incentivadas pelo professor a matemática é puro raciocínio lógico, que vem da filosofia. br /> Através desse estímulo do professor, a escola já acumula 630 premiações em Olimpíadas de Matemática Nacional e Estadual. E pelo que se percebe pelos depoimentos dos alunos, mais que ensino e aprendizagem a participação do professor é na descoberta de talentos e na ajuda do autoconhecimento e da autoestima dos alunos. Um mestre completo.
Abaixo, link para a reportagem completa do programa RJ2 cujo tema é "Olha Essa História", destacando histórias de vida:

Olha essa História: Professor de escola da Zona Oeste ensina matemática de jeito diferente

domingo, 8 de setembro de 2019

Quadrinhos nas Aulas de História: encaminhamentos didático-pedagógicos para abordagem do contexto histórico




O vídeo acima Quadrinhos nas aulas de História, descobri no Linkedin de Norton Frehse Nicolazzi Junior, que é Coordenador da Assessoria de História, Filosofia e Sociologia na Editora Positivo e traz no referido audiovisual o tema: A Segunda Guerra Mundial em quadrinhos.
O projeto "Quadrinhos nas aulas de História", segundo apresentação do mesmo no YouTube, traz "sugestões de encaminhamentos didático-pedagógicos para a abordagem do contexto histórico da Segunda Guerra Mundial, utilizando como fonte de trabalho quadrinhos diversos e destacando as potencialidades que o referido tipo de linguagem oferece para favorecer o processo de aprendizado histórico".
É inegável que os Quadrinhos ou HQs são uma forma de aprendizagem, antes mesmo das crianças adentrar à escola, se alfabetizando primeiro por imagens como dizia Paulo Freire, noutro contexto: "A leitura de mundo antecede a leitura da palavra" em A Pedagogia da Autonomia.
Desse jeito, trabalhar com múltiplas linguagens na sala de aula sejam Quadrinhos, álbuns de figurinhas, animes etc, são formas de trazer a realidade social e cultural do aluno para o ambiente escolar. Promover um diálogo entre a bagagem cultural que o professor possui frente ao que o aluno carrega, aliando outras formas de linguagem como jogos, vídeos, músicas etc.
De certa forma, o planejamento, a metodologia e a didática de um professor não deixa de ser uma História, em quadrinhos. Cada aula é planejada dentro de seu tempo e espaço, dos recursos que serão utilizados, da busca dos objetivos, trabalhando as competências e habilidades do alunado. Quadro a quadro, dia a dia, passam-se meses trimestres, anos. Quadro a quadro, giz a giz, datashow e computador, assim são os elementos que permitem aproximar o conteúdo de uma disciplina ao universo da criança e do jovem.
Múltiplas linguagens e abordagens pois além de mostrar quadrinhos sobre história, literatura e outras áreas, é possível pensar numa oficina de HQ para que alunos transformem sua aprendizagem também em recursos gráfico de reflexão e ensino para outros alunos, criando assim um banco de dados com diversas histórias em quadrinhos de cada turma, quue poderão ser feitas através de aplicativos como o Hagáquê (link a seguir), desenvolvido pela UNICAMP. O Hagáquê, conforme descreve o Colégio Dom Pedro II, do Rio de Janeiro (RJ), Brasil: "é um software educativo de apoio à alfabetização e ao domínio da linguagem escrita. Trata-se de um editor de histórias em banda desenhada (BD) com um banco de imagens com os diversos componentes para a construção de uma BD (cenário, personagens, etc) e vários recursos de edição destas imagens".

HAGÁQUÊ - NIED - UNICAMP (Download direto)



O Hagáquê, imagem acima, é uma versão infantil para a construção de histórias em quadrinhos, mas há na interface gráfica um recurso, identificado pelo ícone de um carrinho vermelho, que possibilita que se insira imagens diversas inclusive de telefones celulares, podendo o aluno fotografar o entorno da escola a si mesmo etc e tornar-se personagem das próprias HQs, junto com os demais colegas de aula e de escola. Uma saída de estudos poderá ser um riquíssimo momento para coletar imagens que sirvam de cenário (pano de fundo), por exemplo. Enfim, a criatividade que será o limite para o software.
Além de softwares específicos é possível também, de forma criativa e simples, utilizar ferramentas desenhos de uma apresentação de slides, como o Power Point. Abaixo, um breve exercício que fiz, utilizando imagens de uma passeio com meu filho, para ilustrar essa possibilidade, numa oficina de HQ:



sábado, 7 de setembro de 2019

Canção Infantil: música, poesia, literatura, cinema, educação e sociedade (clipe repleto de alusões ao imaginário infantojuvenil)




O vídeo acima Canção Infantil, foi indicação de uma aluna do 2º ano do ensino médio e trata-se de comovente videoclipe de Cesar MC com participação da cantora Cristal, carregado de diversas referências às cantigas e canções infantis e alusões aos contos de fadas, relacionando-os ao cotidiano de uma comunidade da periferia das cidades, que pode ser brasileira ou outra qualquer que sofre com a violência o medo, o desencanto.
Quem conta um conto aumenta um ponto, diz a sabedoria popular em diálogo com a citação de que "quem canta seus males espanta".
No vídeo em questão há uma cativante e criativa junção da música com a poesia, do cinema com a literatura, da educação com a sociedade.
Um rico material para ser trabalhado em produção textual com a letra da música e com as imagens do clipe.
A cena final, quando o cantor declama alguns versos sem acompanhamento musical e que uma menina (Esperança?) adentra ao palco fazendo-o olhar para a escuridão da plateia que se ilumina com as lanternas dos celulares é mágica, ainda que trate de um tema trágico e complexo.
Um videoclipe para todos os educadores - sejam pais ou professores - verem com seus filhos e alunos.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

A leitura liberta: série de imagens que promovem reflexão sobre a importância do livro e da leitura




O vídeo acima A Leitura Liberta, encontrei na rede social e é um bom material para discutir, através de poderosas imagens, o papel do livro e da leitura no cotidiano. Que serve também para atividades que envolvem interpretação de textos (imagens) e produção textual.

sábado, 31 de agosto de 2019

O que forma nosso pensamento: um jeito poético de divulgação científica para crianças




O vídeo acima O que forma nossa pensamento é o peisódio 1 de uma série de pequenos vídeos produzidos pelo Instituto Serrapilheira, que desafiou o neurocientista Bruss Lima a apresentar sua pesquisa para crianças, universitários e especialistas de sua área. E diga-se de passagem, fez de uma forma criativa e poética ao comparar o pensamento com pequenos choques elétricos no cérebro que se parecem com tempestades. Não por acaso chama-se "brainstorm" (tempestade de ideias) uma das formas de pensamento inicial, visando organizar ideias para um projeto de aprendizagem.
Sempre comento que mais que o enunciado (o que se diz) é importante para um professor e para o aluno a enunciação (o como se diz). Saber modular o discurso, conforme o público, é uma arte. Temas complexos podem ser popularizados a partir de analogias, de metáforas, de jogos de palavras como no vídeo em questão.
Segundo a apresentação do vídeo no YouTube, Bruss Lima é "(...) biólogo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, [que] pesquisa o papel das oscilações neurais na comunicação cerebral. Para isso, ele faz experimentos usando eletrodos em macacos acordados, a fim de entender as atividades neurofisiológicas e elétricas do cérebro, o que as diferentes áreas cerebrais fazem ao mesmo tempo e como se comunicam".
Para verem outros vídeos interessantes, em áreas como física, biologia, química e matemática, recomendo visitação ao canal Serrapilheira, que é "uma instituição privada sem fins lucrativos, criada para valorizar a ciência e aumentar sua visibilidade e impacto no Brasil":

INSTITUTO SERRAPILHEIRA

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Brincando: sequência genial e alucinante que é analogia ao trabalho sintonizado e sincronizado em equipe




O vídeo acima 'Shooting Shaina's Sequence' BTS of Ep. 3 | Kidding | Season 1 como o nome indica é uma cena genial do episódio 3, da 1ª temporada do seriado Kidding (Brincando, tradução livre), em que mostra uma sequência alucinante em uma tomada única, que requer sincronicidade extrema entre a atriz, a equipe de câmeras, contrarregras, direção e tudo mais. br /> Mostrada toda a sequência em tela dividida, é possível acompanhar a cena, que por si só é incrível e se torna magistral ao se perceber a movimentação de todos nos bastidores.
Uma tomada que lembra uma orquestra sendo regida por um maestro que determina qual instrumento deve ser tocado no momento exato de uma sinfonia. Uma sinfonia com imagens! Um exemplo de interatividade.
Transpondo o referido vídeo para o universo escolar, há que se pensar a questão da divisão de atividades em uma escola, em que há necessidade de planejamento, organização, definição de metodologias, comprometimento da equipe docente, envolvimento do alunado e da comunidade escolar. Cada qual com seu papel no mecanismo educacional, possibilitando a execução de um objetivo em comum: o processo de ensino-aprendizagem relevante.
O professor, quando planeja suas aulas, levará em conta o tempo e o espaço disponíveis, quais metodologias (recursos) deverá utilizar, para que favoreça sua didática. Tudo é sequencial: metodologia - didática - tempo - espaço. Mas além da organização, requer doses de criatividade, originalidade e autenticidade (valendo-se da bagagem cultural dos atores sociais envolvidos nesse diálogo atemporal e universal).
Há que se levar em conta que muito se aprende brincando, interagindo, compartilhando saberes em grupo.
Não basta ter sincronia, há que se ter sintonia entre o grupo para que a ação obtenha bons resultados.

sábado, 24 de agosto de 2019

Projeto Redação Nota 1000: Site para correção de redação gratuita e online para ENEM [e canal de vídeos no YouTube para Correção Dirigida]




A imagem acima é do PROJETO REDAÇÃO NOTA 1000 que descobri via Twitter que se trata de Site para correção de redação gratuita e online para Enem.
Uma ótima ferramenta e ação coletiva, de estabelecer trocas. Uma plataforma ( https://projetoredacaonota1000.com.br ) para o envio de redações para combinar com outras pessoas a possibilidade de corrigi-las.
Além dessa ação social de CORREÇÃO GRATUITA DE REDAÇÕES, há também MATERIAL DE APOIO: Dicas, textos e vídeos sobre redação para ENEM, e TEMAS e MODELOS de redação para o ENEM 2019, com exemplos nota 1000 e temas mais cotados.



Na plataforma há inclusive espaço para BATE PAPO e espaço para Cadastro de corretor voluntário.



A iniciativa é gratuita e voluntária, mas quem quiser colaborar para sua manutenção, poderá fazer doação (segura e anônima) através do site VAKINHA.



Por fim, indico link do canal de vídeos da plataforma, no YouTube:

PROJETO REDAÇÃO NOTA 1OOO - CANAL NO YOUTUBE

E recomendo o vídeo abaixo, TEMA: O lugar da mulher no século XXI (Correção Dirigida ENEM), mais uma ação do Projeto Redação Nota 1000, no seu canal de vídeos no YouTube que trata de um assunto bem atual e necessário à reflexão:



quinta-feira, 22 de agosto de 2019

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Mulheres artistas são fantásticas: pequeno álbum com retratos têxteis (tecendo e costurando delicadezas)




O vídeo acima Mulheres artistas são fantásticas, descobri no Facebook de Nadine Levé, e trata-se de como o subtítulo indica, de "pequeno álbum com fotos têxteis", na verdade, retratos, tecidos com ternura e delicadeza, destacando grandes mulheres da história, não apenas da arte, mas da própria Humanidade. Um primor de material que provoca o espectador para as entrelinhas, não apenas das costuras, mas das leituras de vida e de mundo desses modelos exemplares.
Uma boa metáfora para trabalhar produção textual com alunos sobre as entrelinhas da costura de um texto. Para discutir criação literária, arte, cultura e as delicadezas do cotidiano que passam muitas vezes desapercebidas. De como produzir um material simples e belo, com criatividade identidade e autenticidade.
Sempre lembram que a expressão "Texto" vem do latim "Textum" e refere-se a tecer algo, de tecido, de costurar, entrelaçar, com linhas.
Um exemplo de artesanato criativo, belo e original. Toda a escrita é de certa forma artesanal, precisando ser criativa e original.
Outra questão relevante é a aprendizagem que ocorria no passado, através de álbuns de figurinhas, dos mais variados temas, principalmente aqueles sobre ciências, arte e cultura, que "ensinavam" através de imagens e legendas muitas coisas, antes mesmo de adentrarem à escola. Eu mesmo, aprendi muito com dicionários antigos ilustrados, enciclopédias (antes do advento do Google), com histórias em quadros álbuns de figurinhas, almanaques de curiosidades distribuídos em farmácias e muito mais, como colecionáveis: cartões postais, selos, moedas antigas, fotografias etc.
Aprendizagem invisível que trata o pesquisador Cristobal Cobo, vide postagem antiga no Educa Tube:

Aprendizagem Invisível: Como aprender apesar da escola? por Cristobal Cobo

domingo, 18 de agosto de 2019

A surpreendente intertextualidade entre a ficção e a realidade, de "Como o fascismo se instaura silenciosamente" (música, poesia, literatura e televisão)




O vídeo acima Como o fascismo se instaura silenciosamente, encontrei no YouTube e trata-se de uma forma didática de mostrar através da Poesia e da Política as relações intertextuais entre ficção e realidade, a partir de cena emblemática e multi premiadada série The Handmaid's Tale, criada por Bruce Miller em 2017, inspirada no livro O Conto da Aia (1985), da escritora canadense de Margaret Atwood que encontra reflexos na contemporaneidade, devido a quantidade de regimes autoritários que vêm se instaurando mundo afora e que dispensa nomeá-los, já que estão bem expostos e impostos à sociedade atual, disseminando Fake News, discursos de ódio, intolerância religiosa, política, racial, sexual e muito mais.
O mais assustador é que no livro e seriado, de certa forma conta a trajetória de milícias e religião assumindo o poder e transformando uma nação em um estado totalitário, fanático e militarizado, dividido em castas, chamado de República de Gilead. Um país dentro do país, em que as leis não valem mais, que a opressão vigora, e que o poder é exercido exclusivamente pelos homens. Lembra algo?!? [Vide resenha literária ao final desta postagem].
As legendas da cena acima, do referido e impactante seriado me remeteram, de forma intertextual, primeiro aos versos da canção Monte Castelo (1986) da banda Legião Urbana: "Estou acordado e todos dormem todos dormem, todos dormem", quando a protagonista do seriado acima diz: "(...) Eu estava dormindo antes. Foi assim que deixamos acontecer. Quando aniquilaram o Congresso, não acordamos. Quando culparam os terroristas e suspenderam a Constituição, também não acordamos (...)". A vida imitando a arte?!?
No segundo momento, o vídeo em questão me remeteu ao poema equivocadamente atribuído, ora a Berthold Brecht, ora a Vladimir Maiakóvski, chamado "No caminho com Maikóvski", mas que é de autoria do poeta brasileiro Eduardo Alves da Costa. Abaixo, fragmento do supracitado poema, escrito em Niterói, Rio de Janeiro, Brasil, em 1936:

“Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada”.


A seguir belíssima interpretação/declamação de Ivan Lima do poema "No caminho com Maiakóvski":



Por essas e outras que regimes autoritários perseguem terrivelmente poetas, escritores, filósofos, atores, cientistas e artistas, pois trazem luz à escuridão dos tempos que são cíclicos, ora de trevas, ora de luzes.
Dois ótimos vídeos para trabalhar questões intertextuais, inter e multidisciplinares (Filosofia, Poesia, Literatura, História, Memória, Cinema, Televisão, Tecnologia, Arte Cultura, etc).
Para complementar esta postagem, encontrei mais dois vídeos interessantes que ampliam a questão. Primeiro, uma criativa animação feita por Rodrigo Jolee, a partir de alguns versos do poema de Eduardo Alves da Costa e que serve para reflexão visual:



O outro vídeo é a resenha crítica de Tatiana Feltrin, sobre o livro O Conto da Aia, de Margaret Atwood que recomendo visualização:



sexta-feira, 16 de agosto de 2019

O Broto e o Feijão, o Sonho e a Imaginação: belo clipe que permite uma reflexão sobre a arte e a cultura na educação




O vídeo acima "Sprout and The Bean" (O Broto e o Feijão, tradução livre), descobri via Twitter de Raimundo Ferraz e seu perfil Oficina de Chuva de Petrópolis, Rio de Janeiro Brasil, que também é editor do blog Brasa Palavra.
Trata-se de um belíssimo videoclipe de Joanna Newsom em que mostra uma jovem no meio de uma sala de aula tocando harpa, enquanto no quadro verde se revezam imagens vivas feitas com giz numa alusão à própria educação e que automaticamente me proporcionou uma reflexão sobre o tempo e espaço de ensino e aprendizagem e da importância da arte e cultura, da criatividade e da imaginação, do uso da bagagem sentimental do professor junto ao alunado nessa mágica travessia entre a informação e o conhecimento, duas margens de um rio chamado Vida.
O clipe permite recordar ao leitor de livros e mundos que fui, sou e continuarei sendo, remetendo a clássicos da literatura como O Feijão e o Sonho, de Orígenes Lessa que conta a história de um casal: O Feijão, a esposa realista e o Sonho, o marido que deseja se tornar escritor, portanto um sonhador. Mais que isso, que o tocar um instrumento musical é uma analogia, metáfora com o tocar uma alma, despertar acordes interiores dos alunos para a intertextualidade dos textos escritos, as imagens do cotidiano, as memórias individuais e coletivas.
Um clipe que vale-se de diversos recursos como animação provavelmente em stop-motion no quadro verde com desenhos de giz, da música, da cultura, do circunavegar da câmera em torno daquela que canta e encanta, em um ângulo de 360 graus. Uma experiência imersiva como chamo, de levar e elevar o aluno a uma realidade, não apenas virtual (com datashow, computador, internet, etc), mas à realidade local da turma, da escola do bairro em que se insere, da cidade, estado, país. continente mundo, sistema solar galáxia, universo exterior e interior. Do micro ao macrocosmos, através de pequenas viagens reflexivas entre o conhecimento prévio que o aluno traz de casa em diálogo com o processo formal que a escola proporciona, não apenas de socialização, interação inclusão, mas de instrução e preparação para vida e o mundo.
Quem disse que não é possível conciliar o Feijão e o Sonho, razão e emoção?
Quem disse que não pode haver diálogo entre o concreto e o abstrato, o objetivo e o subjetivo, o ideal e o possível?
Quem disse que não pode haver intertextualidade entre Poesia e Filosofia, Literatura e Matemática, Química e Arte?
Observação: Abaixo, link para a letra e tradução da canção:

SPROUT AND THE BEAN

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

A Matemaníaca: Youtuber que faz sucesso com videoaulas sobre matemática no cotidiano e nas profissões




O vídeo acima POLÊMICAS MATEMÁTICAS: Aventuras da Juju, trata-se de um dos inúmeros vídeos produzidos por Julia Jaccoud, Youtuber que criou o canal com a proposta de gravar videoaulas para popularizar a matemática, mostrando como ela está presente no cotidiano.



Conforme apresentação do canal feita pela própria Júlia Jaccoud que, recém formada, possui Licenciatura em Matemática na Universidade de São Paulo (USP), Brasil: "O objetivo aqui é bater um papo e apresentar a matemática da maneira bonita e divertida que eu vejo! Você vai encontrar muitos debates, questionamentos e poucas aulas expositivas por aqui. Quero te apresentar a beleza da "inutilidade" da matemática, isto isto é, mostrar que a matemática vai muito além de sua aplicabilidade. Mostrar matemática como forma de arte!"
No vídeo em questão Júlia entrevista diversas pessoas como: Rogério Martins, Marcelo Viana, Artur Ávila, John Bush e Khadim War, que responderam sobre as polêmicas envolvendo a origem da matemática, (se ela foi criada ou descoberta) e também, se o zero pertence ou não aos naturais.
O canal A Matemaníaca já possui mais de 50 mil inscritos, e aborda diversos temas além da matemática, como as profissões (astronomia, química, ciência da computação, economia, arquitetura, música etc).
Abaixo, link para o referido canal de vídeos:

A Matemaníaca por Julia Jaccoud

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Projeto de Química do IFPB produz vídeos para ensinar Atomicidade para Surdos: inclusão e acessibilidade




O vídeo acima Atomicidade para Surdos - MODELO ATÔMICO DE DALTON, trata-se de material integrante do Projeto de Química produz vídeos para ensinar Atomicidade para Surdos e é realizado por servidores e estudantes do IFPB Campus João Pessoa, Paraíba, Brasil.
"Conforme dados extraídos do portal do IFPB, que o Educa Tube Brasil reproduz na íntegra, a seguir:

Promover o ensino inclusivo de Química é a proposta do Projeto Atomicidade para Surdos, que une conhecimentos sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e os conteúdos desenvolvidos na Educação Básica sobre essa ciência. A área de Química ainda carece de metodologias e ferramentas que possibilitem os estudantes surdos terem acesso a assuntos da disciplina.
A ideia surgiu da observação de que o ensino de Química para surdos, por meio da Libras ainda esbarra em algumas dificuldades porque os termos frequentemente utilizados nesta disciplina não possuem seus correspondentes na língua. Outro obstáculo é a falta de material didático adaptado, principalmente porque o número de sinais em Libras específicos para Química é muito reduzido e essa limitação dificulta a comunicação e a construção do conhecimento do aluno surdo.
Participam do projeto os professores de Química Andréa Lira e Anderson Simões; as docentes de Libras Regina Monteiro e Katia Albuquerque; os estudantes Matheus dos Santos (Instrumento musical), Brenda Dantas (Instrumento Musical), Fernanda Amaral (Controle Ambiental); e o técnico administrativo da coordenação de Produção Audiovisual, Marcos Paiva.
A proposta inicial do projeto foi a produção de vídeo-aulas sobre o tema Teorias Atômicas. Os professores de Química que participam do projeto construíram roteiros pedagógicos e as professoras de Libras buscaram e criaram termos específicos da disciplina que não tinham uma sinalização fácil ou adequada em Libras.
Em seguida o material foi gravado pelo servidor da coordenação de Produção Audiovisual do Campus João Pessoa com um estudante surdo, que atuou como interprete de Libras nas gravações. E a vídeo-aula foi editada e finalizada. Confira o material neste link.
A orientadora do projeto, professora Andréa Lira, acredita que os vídeos terão uma boa recepção por parte dos alunos e podem auxiliar os estudantes surdos na preparação para o Enem. Outro benefício, segundo a docente é que o projeto pode 'contagiar outros professores no despertar e desenvolvimento de materiais didáticos voltados para a inclusão', frisou.
O próximo passo do projeto é a produção de vídeo-aulas de outros conteúdos de Química. “O resultado ficou muito bom, o grupo desenvolveu um excelente trabalho, pensado em muitos detalhes e com uma alta qualidade de edição”, ressaltou Andréa ao agradecer os integrantes da equipe do projeto pelo trabalho executado.

Fonte: http://www.ifpb.edu.br/joaopessoa/noticias/2019/04/projeto-de-quimica-produz-videos-para-ensinar-atomicidade-para-surdos

Abaixo, canal de vídeos do IFPB:

Coordenação de Audiovisual IFPB Campus João Pessoa

Vejam também, tema correlato, clicando no link a baixo:

Servidores e estudantes da IFSC produzem revista online para surdos

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Uma Maneira de Pensar, por Carl Sagan e a divulgação do conhecimento científico




O vídeo acima A Way of Thinking (Uma Maneira de Pensar", trata-se de fragmento de áudio da última entrevista de Carl Sagan, feita em 1996, que é parte da divulgação do livro The Inspiration Journey, um dos diversos materiais de divulgação do conhecimento científico que o autor fez em sua existência.
Carl Sagan junto com Jacques Costeau foram dois pensadores, pesquisadores e divulgadores da Ciência que moldaram o pensamento de diversas gerações, durante o século XXI, através de programas de TV que popularizavam o conhecimento científico.
Um dos livros mais interessantes que li foi O Romance da Ciência, de Sagan, que recomendo leitura aos visitantes e seguidores deste blog, não apenas pelo elemento científico, mas poético, ético, estético e filosófico.
Uma sentença do vídeo acima parece até profético, quando Sagan afirma: "Se não formos capazes de fazer perguntas céticas para interrogar aqueles que nos dizem que algo é verdadeiro e sermos céticos em relação as autoridades... Então, estaremos a mercê do próximo charlatão político ou religioso que aparecer".
Num tempo um tanto sombrio em que o pensamento científico é contestado (Teoria da Terra Plana é um exemplo disso) e que política e religião parecem darem-se de novo as mãos, em plena Idade Mídia como na Idade Média, há que se combater o obscurantismo com muita pesquisa e divulgação científica.
Como bem destaca, Leandro Ricardo que editou esse fragmento, Sagan dizia que "A ciência é muito mais do que um corpo de conhecimento. É uma forma de pensar. Uma maneira cética de interrogar o universo com pleno entendimento da falibilidade humana".
Também de Carl Sagan, recomendo outra bela e profunda reflexão, intitulada A Worthy Goal (Um Objetivo Digno), vide abaixo:



domingo, 11 de agosto de 2019

Ciência em Show: um canal de vídeos para ensinar e comunicar a ciência de maneira descomplicada e descontraída




O vídeo acima descobri no Linkedin de Ana Teresa Ralston, pedagoga e especialista em tecnologia de São Paulo (SP), Brasil e trata-se do canal CIÊNCIA EM SHOW , que é um espaço virtual para, segundo a apresentação do mesmo, "Ensinar e comunicar a ciência de maneira descomplicada e descontraída".



Uma iniciativa de 18 anos, o Ciência em Show, conforme sinopse, possui todas as propostas "fundamentadas em sólidos referenciais teóricos e trazem uma visão moderna do ensino, que aproveita espaços diversos para facilitar a aprendizagem".
O canal e também o site (vide links mais abaixo) são compostos pelos "professores Wilson Namen, Gerson Santos e Daniel Ângelo e a pedagoga e especialista em tecnologia Ana Ralston [que] conduzem o Ciência em Show pela direção da inovação e da tecnologia com projetos na TV, internet, editoras, espaços públicos e instituições de ensino".
Há também o Instituto Ciência em Show – ICS, entidade sem fins lucrativos, onde são colocados em prática "projetos que visam promover, comunicar e valorizar a ciência na sociedade brasileira".
Seus integrantes entendem que "a ciência é fundamental para o desenvolvimento do país e que o cidadão que sabe lidar com conceitos científicos básicos tem uma melhora significativa na qualidade de vida, torna-se mais crítico e apto ao empreendedorismo".
Uma ação pedagógica e tecnológica que o Educa Tube Brasil tem a satisfação de indicar aos seus visitantes e seguidores, em sua maioria, professores e educadores.



CIÊNCIA EM SHOW no YouTube

CIÊNCIA EM SHOW - SITE

CIÊNCIA EM SHOW no Twitter

sábado, 10 de agosto de 2019

Engenharia robótica: "O que é preciso para ser uma engenheira robótica?", no canal Computação sem Caô




O vídeo acima O que é preciso para ser uma engenheira robótica? | Computação sem Caô, descobri no Facebook e trata-se de, conforme apresentação no You Tube:

"O Computação sem Caô é um projeto que busca democratizar o entendimento da ciência da computação no Brasil. Como funcionam as tecnologias que usamos no dia a dia? O que faz um cientista da computação? O que são algoritmos? O que é o pensamento computacional? Quais as as grandes questões científicas da área hoje? E as implicações éticas do uso de tecnologias? São algumas das questões que o projeto explora/aborda em vídeos curtos, de linguagem jovem. O Computação sem Caô é realizado pelo Olabi e apresentado por Ana Carolina da Hora, cientista da computação em formação pela PUC-RJ e moradora de Caxias, na Baixada Fluminense. O projeto foi contemplado pelo edital de divulgação científica Serrapilheira Camp, do Instituto Serrapilheira".



Abaixo, link para acessar o referido canal:

Computação sem Caô

OLABI MARKER SPACE NO FACEBOOK

Ainda, dentro do tema robótica, e da popularização das ciências, indico a seguir um vídeo impressionante, que encontrei no Facebook, e que mostra como um "Rato robô", após 3 tentativas dentro de um labirinto, na 4ª vez, o ratinho robótico se transforma em um velocista como Usain Bolt, memorizando o percurso em apenas 3 segundos atravessando o mesmo, por conta da Inteligência Artificial:



sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Nunca estará sozinho: um "clipe que parece curta" e que serve como exercício de escrita criativa para a Redação do Enem




O vídeo acima Never Gonna Be Alone (Nunca estará sozinho, tradução livre), da banda Nickelback é um audiovisual que conheço por longa data, e já ouvi diversas vezes, mas nunca parei pra prestar atenção nas imagens. Recentemente, quando assisti na íntegra o videoclipe, fiquei encantado com a narrativa visual que poderia ser usada no meu projeto CLIPES QUE PARECEM CURTAS, que justamente se vale desse tipo de material para propor reflexão, interpretação de imagens e escrita criativa com alunos e professores.
O clipe foi mostrado para meus alunos em duas partes: primeiro só a introdução até que a moça (noiva, com uma flor azul na mão) se volta para os convidados e olha com carinho para um homem, em especial. Dou pausa no vídeo e pergunto aos alunos: - O que vocês acham dessa situação? Quem será aquele homem qual seu papel na história? Uns dizem que é um ex-namorado, um amante, um irmão mais velho, um parente, amigos, pai... No segundo momento, retomo o vídeo desde seu início, estabelecendo antes com os alunos, que após aquele ponto pausado, que prestem atenção que indicarei com a mão o número 1 e depois 2, que são as duas partes do desenvolvimento da história, que levará à conclusão. No ponto 1, a jovem se recorda do pai, presente sempre em todos os momentos da vida dela, inclusive ali no casamento. No ponto 2, todos descobrem que era apenas um fantasma, ou a memória afetiva da noiva, dando a entender que eles continuava junto dela, mesmo já não no momento dos vivos. Por fim, quando o clipe encerra com a noiva colocando na lapela do noivo a flor azul, deixo o audiovisuais e encerrar e passo a palavra aos alunos. Alguns conheciam o vídeo, outros só a música. A maioria - inclusive eu - nunca tinha prestado atenção à história cantada.
As reflexões que surgiram após a visualização do clipe (esse terceiro momento) foram bem interessantes pois os alunos se deram conta da simbologia, da linguagem simbólica, metafórica, presente no material que poderia sim, ser visto como uma curta: o amor que se transforma, amor de pai para o de futuro marido, do estar presente na memória, da história de vida que trazemos, dos momentos relevantes que passam em nossa mente, como num filme etc.
Mais que isso, num quarto momento, comecei a mostrar para eles de forma didática, onde estavam os elementos introdutórios, de desenvolvimento e de conclusão, que poderiam ser vistos como uma organização de ideias através de imagens, e que uma redação se assemelha a isso: A flor azul, como a tese ou ideia principal, que conecta as demais partes até à conclusão. Do desenvolvimento que mostra o passado e o presente, situando o leitor (de imagens) não apenas no texto, mas no contexto descrito e finalmente a conclusão em que a flor azul retoma o destaque e explica a história, deixando ao espectador uma mensagem de renovação do amor, da vida, da família, da própria sociedade.
Para saber mais sobre o projeto Clipes que parecem Curtas, segue link de postagem neste blog educacional e também, mais abaixo o vídeo no meu canal do YouTube EDUCAÇÃO 3D+:

CLIPES QUE PARECEM CURTAS: Projeto unindo mídias, literatura e língua portuguesa



domingo, 4 de agosto de 2019

"Mytikah, o Livro dos Heróis": Série de animação que conta histórias de personalidades brasileiras como numa viagem no tempo




O vídeo acima "Mytikah, o Livro dos Heróis" trata-se de trailer de "série de desenhos animados que conta histórias de personalidades brasileiras como super-heróis". Uma ideia fantástica que me lembra os episódios do Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato em que o Visconde de Sabugosa, um ser mítico a partir de um sabugo de milho que é esquecido numa biblioteca, cria vida e se tornar um intelectual por conta de suas leituras. Cada episódio da série para TV, inspirada na obra de Lobato era uma pequena viagem no tempo, como parecem ser as viagens das personagens de Mytikah, viajando no tempo sem máquina, apenas folheando as páginas de um livro.
Essa série de animação foi feita por uma produtora de São Carlos, São Paulo, Brasil, chamada OZ Produções Audiovisuais e Comunicação LTDA e concorreu com outras animações, vencendo o edital para ser veiculada em 150 canais brasileiros.



Um projeto audiovisual, produzido por Hygor Amorim e Jonas Brandão, composto de 13 episódios de 7 minutos de duração cada, que envolve arte, cultura, educação, tecnologia, história, memória, diversão, entretenimento etc.
A história é simples, criativa e relevante: Os irmãos Leco e Manga viajam pela história do Brasil, conhecendo personalidades das mais variadas áreas, convivendo com seus contextos, destacando um pouco de sua vida e obra, numa interessante junção de arte e formação, como ocorreu comigo na obra de Monteiro Lobato. Aprendi muito de história, arte, cultura, filosofia lendo os livros e vendo os episódios do mítico Sítio. Vinha direto da escola para assistir cada um não perdia nenhum e ai revia quando veiculados novamente na TV. Naquele tempo não existia internet, e a segunda fonte de informação, depois da escola era a televisão e sua programação. A série da TV, aliada aos livros, filmes álbuns de figurinhas, histórias em quadrinhos (gibis) etc, foram fontes inestimáveis de conhecimento geral que trago comigo até hoje. O lúdico faz parte da aprendizagem e também do ensinar. Saber aprender brincando e brincar aprendendo é uma ótima metodologia e também didática que carrego comigo em minha prática escolar, como professor. Minha bagagem sentimental é minha aliada no processo de ensino-aprendizagem.
Segundo o animador Ivanildo Soares Machado a animação levou cerca de um ano para ser concluída a partir do recebimento do roteiro, da elaboração dos rascunhos e da edição final.
Um belíssimo projeto que estimula a leitura de livros sejam de história ou de ficção.
Abaixo, vídeo da abertura da série Mythica:



Eis a sinopse oficial do seriado encontrada no portal institucional da EBC: "Os irmãos Manga e Leco se divertem com o livro pop-up MYTIKAH, que conta histórias de heróis da vida real. Quando o livro chega eles entram na história para conhecer os personagens e o mundo em que vivem. Eles aprendem sobre o contexto histórico e vida destes heróis e fazem observações e críticas bem-humoradas sobre a época e suas características. Os irmãos participam da história e ajudam os heróis a realizarem suas missões. Feito isso eles conquistam uma relíquia que os leva de volta para local do início do episódio, onde MYTIKAH desaparece magicamente".
Através de pesquisa na web, não foi possível localizar nenhum episódio disponível de forma pública, apenas menções ao seriado e divulgação do trailer. Quem tiver algum link para visualização dos mesmos, além da programação das tevês, agradeço antecipadamente se compartilhar aqui nos comentários desta postagem. Grato a todos!

sábado, 3 de agosto de 2019

Purl: animação da Pixar que trata do componente feminino no ambiente de trabalho




O vídeo acima Purl é uma divertida animação da Pixar que me foi indicada pela colega e amiga Josane Batalha Sobreira.
Purl é um curta de animação com direção de Kristen Lester e a personagem foi, segundo consta na apresentação, "inspirada em uma experiência vivida por ela também, sobre quanto do seu aspecto feminino tinha sido enterrado e deixado para trás quando trabalhou exclusivamente com homens".
No vídeo há exatamente isso: a história de alguém que acaba se anulando para poder agradar a maioria dos colegas. Um bom material para refletir sobre identidade, trabalho em equipe, criatividade, inovação e muito mais.

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Magia ou ilusão: uma metáfora da educação




O vídeo acima, ILLUSIONS by Michael Menes, descobri no Facebook e me proporcionou a partir de sua apresentação breve reflexão sobre a "Magia e a Ilusão" como metáforas da educação, conforme texto abaixo:
MAGIA OU ILUSÃO: UMA METÁFORA DA EDUCAÇÃO O vídeo em questão me proporcionou essa breve reflexão que compartilho aqui com os visitantes e seguidores do Educa Tube Brasil pois o considero pequena metáfora da educação.
Magia ou ilusão, o que de fato faz o professor num palco, chamado sala de aula, diante de uma plateia denominada de turma de alunos? Primeiro, pensando o conceito de magia como o de encantamento e ilusão, uma distração. O mágico e o ilusionista se fundem e confundem ás vezes no papel do professor. Já comentei noutras postagens que considero o bom educador aquele que simula o famoso Mister M, que contava ao público o segredo das mágicas, enquanto o ilusionista é aquele que retém pra si o conhecimento, o truque, aquele que quer deter o poder, já que é senso comum que informação = poder.
Entretanto, baseado no vídeo indicado, o bom professor é aquele que se vale de quadros: o com giz e apagador ou o digital com projetor multimídia, conexão com computador e internet etc. Tanto faz a tecnologia empregada. O grande clímax do espetáculo será sempre a metodologia e a didática utilizadas no encantamento da plateia. E isso é uma realidade: de nada adianta toda a parafernália tecnológica se não houver lógica organização, planejamento e significação aquilo que se mostrará no palco. Pode ser algo simples ou relevante o que importa é que faça sentido, que dê significado a permanência do espectador naquele local enquanto durar o show.
A linguagem corporal e a verbal precisam dialogar entre si, assim como os recursos intertextuais utilizados no momento: livro didático, vídeos, jogos etc. Que não sejam meros passatempos, mas que proporcionem magia, descobertas, deslumbramentos.
Enfim, a magia da pedagogia... da matemágica da história, da literatura e de todas as disciplinas cabe ao mágico ou ilusionista, regente da turma, que como o próprio nome indica, é o maestro/mestre, regendo os talentos de sua orquestra/turma, pra ampliar a metáfora, num sentido artístico, cultural e universal.
Educar é, como dizia Paulo Freire, "ter a consciência do inacabamento". Portanto é um processo em aberto sempre em constante transformação. Aprendizes e mestres sempre seremos, ensinando e aprendendo uns com os outros.

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

On ou Off - De que lado você está? (vídeo reflexão sobre as relações humanas no cotidiano)




O vídeo acima On ou Off - De que Lado você está? é uma interessante reflexão de Deivison Pedroza sobre as relações humanas no cotidiano, entre o virtual e o real.
Um material que permite uma boa roda de conversa entre pais e filhos, professores e alunos e as transformações que estão ocorrendo cada vez mais rápidas. Mais que tratar do uso ou não das tecnologias, é uma oportunidade para refletir sobre valores e limites no convívio social.
Uma bela apresentação que dá também pra discutir as possibilidades de edição de vídeo, a partir da seleção de imagens que se encaixem com um texto, da música de fundo e tudo mais.
Um vídeo motivacional? Sim! Mas também um recurso audiovisual para provocar uma boa discussão sociológica, filosófica pedagógica etc. Afinal tudo na vida requer equilíbrio e moderação.
Abaixo, outro vídeo interessante de Deivison Pedroza que se comunica com o de cima:



quarta-feira, 31 de julho de 2019

A menina que odiava livros: fabulosa animação sobre a importância da leitura e da imaginação




O vídeo acima, A Menina Que Odiava Livros trata-se de um curta-metragem de animação inspirado na obra de Manjusha Pawagi, com direção de Jo Mueris. Audiovisual dublado que traz uma mensagem incrível sobre a importância da leitura e da imaginação em forma de metáfora.
A narrativa visual conta a história de Nina, uma menina que odiava ler, mesmo os pais comprando diversos livros para ela.
Na casa de Nina era repleta de livros por toda parte. Até que um dia ocorre algo fantástico: o gato Max estava em cima dos livros na estante e a menina tentando resgatá-lo, acaba escalando a pilha de livros e os derrubando no chão. Daí em diante, literalmente, os animais e personagens dos livros saem dos mesmos criando vida no mundo real.
Uma ideia maravilhosa de Manjusha de que as personagens pra voltar pra "casa" era preciso que a menina lesse cada livro para abrir o portal. Sem perceber, Nina acaba gostando de ler.
Uma animação que lembra vagamente ao filme Goosebumps - Monstros e Arrepios, em que personagens dos livros escapam das obras e passam a viver entre os humanos.



A leitura para ter sentido requer que o ato de leitura tenha significação. Uma brilhante ideia da autora valendo-se da magia e da metáfora para conduzir essa bela história para todas as idades.
Ótimo material para utilizar em oficina de produção textual.

terça-feira, 30 de julho de 2019

Brincadeiras de pai e filho: tecnologia artesanal a partir de materiais recicláveis (a simplicidade que permite a continuidade)




O vídeo acima, intitulado Brincadeiras de pai e filho, foi indicação do colega e amigo Fernando Luís, músico, poeta e artesão com sucata e trata-se de uma série de pequenos inventos a partir de coisas simples e recicláveis, de fácil obtenção e com resultados incríveis, disponibilizadas no Facebook e instragram do Flavinho Recreador.
Visitando a página do Flavinho no facebook encontrei outras ideias divertidas e criativas, como por exemplo o "drone artesanal", feito com copos de papel, fita adesiva e borrachinha de prender dinheiro (vídeo abaixo):



Ou esse mini carrossel a seguir:



Vídeo que me lembraram meu pai, que além de artista plástico, também era inventor de brincadeiras incríveis e construía pra mim e meus irmãos brinquedos a partir de material reciclável como madeira, latas, papelão etc.
Sempre digo, como educador, que os melhores e mais efetivos projetos são aqueles que flertam com a simplicidade, pois é ela que permite justamente a continuidade. As ideias do Flavinho Recreador e doutros mais convergem pra essa ideia que trago comigo e que costumo divulgar no blog, no canal do YouTube, nas redes sociais, digitais ou não.
Brincadeiras e brinquedos que serve para estimular um diálogo entre gerações de pais com filhos, professores com alunos, além de tratar de temas transversais como tecnologia, meio ambiente, reciclagem, educação ambiental, memória etc.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Alçando voo: belíssima animação que reúne três gerações em um país chamado Imaginação (ativem as legendas)




O vídeo acima Taking Flight (Alçando voo tradução livre), trata-se de curta-metragem de animação de Brandon Oldenburg que descobri nos vídeos correlatos do YouTube e é uma narrativa visual encantadora, pois conta a história de um pai sem tempo que sai para trabalhar e deixa o filho com o avô que o ensinará a brincar, como fazia com seu filho, o próprio pai do menino.
Um bela vídeo sobre o poder da imaginação e das brincadeiras, que recomendo ativar as legendas e tradução.
A história é simples: O pai sai pra viajar e deixa o filho com o avô. Entediado, o garoto mexendo nas coisas da garagem da casa vê foto antiga em que seu avô e o pai estavam junto a uma carrinho de corrida de puxar.
Dali em diante o que se vê a uma metáfora da viagem à imaginação em que o carrinho se transforma em barcos avião e nave espacial.
Enquanto toda a história se desenrola, uma menina, vizinha deles, fica sentada na escadaria da própria casa, conectada numa telinha com fones de ouvido (os olhos e ouvidos noutro mundo, o digital).
Uma animação que me fez recordar as viagens mágicas que fazia com meu pai e irmãos, quando habitante do país chamado Infância. Meu pai nos ajudava a pular o muro do estádio de futebol pra empinar pipa, subíamos pela escadaria quebrada da torre da igreja, andávamos de carona em calhambeque de amigo dele rumo à praia, aprendemos a boiar no mar e muito mais. A tecnologia era manual, artesanal, mas a imaginação era imensa. Éramos felizes com tão pouco...
Estimular a imaginação de filhos e alunos utilizando viagens reais e imaginárias, estimulando a criatividade é essencial, tanto para pais como professores. E são essas memórias que ficarão para sempre dentro de nós...
Em tempo: Alguns anos atrás, a partir de uma tarefa pra casa, meu filho me pediu que contasse uma história antiga da família, uma recordação. Contei a história verídica e quase mitológica da família: meu pai, quando tinha 14 anos, na década de 1940, influenciado pelos filmes de super-heróis, criou um par de asas e tentou voar do alto da torre da igreja matriz da pequena São José do Norte, no extremo sul do Rio Grande do Sul, Brasil. Como não conseguiu, se jogou do telhado de um sobrado histórico, quebrando perna braço e machucando a cabeça, passando a voar apenas na imaginação e se tornando depois um artista plástico autodidata. Essa narrativa sobre a infância de meu pai foi ilustrada pelo meu filho e se tornou um dos recursos visuais que utilizo na Oficina de Multiletramento chamada Lego Poema: poesia de Montar em Blocos. Seguem links e audiovisuais sobre o tema, e que dialogam com o vídeo Taking Flight:

Lego Poema ou Poesia em Blocos de Montar: Oficina de Criação Literária e o Multiletramento





domingo, 28 de julho de 2019

Quando a vida imita a arte que se espelha na vida: a intertextualidade de "A última crônica" de Fernando Sabino em diálogo com a rede social digital




Quando assisti ao vídeo acima, no Facebook,de um pai que "com orçamento apertado, compra um pedaço de bolo para o aniversário da filha", imediatamente, minha memória sentimental e literária associou essa cena da vida real ao texto do cronista Fernando Sabino, justamente chamado de "A última crônica", em que o narrador, que é o próprio Sabino, relata um fato bem similar que ele viu em um botequim da Gávea, de um casal humilde, num canto do local, comemorar o aniversário da filha pequena, compra uma fatia de bolo e acende 3 velinhas.
A vida, nessa caso, imita a arte de Sabino que se espelhou na própria realidade do cotidiano do autor.
Todo educador, seja pai ou professor, vez em quando poderá usar de sua bagagem sentimental para estabelecer um diálogo com as novas gerações, seja utilizando algum texto vídeo, filme, música, algum fato do passado para narrar e estabelecer contato intertextual.
E nem precisa ser da área das linguagens, basta perceber no enunciado matemático, físico, sociológico, etc a oportunidade de contar não apenas números, mas histórias. Existem situações, experiências de vida, aprendizagens que devem ser compartilhadas entre pais e filhos, professores e alunos.
Abaixo, a íntegra da crônica acima citada, para leitura e reflexão, e quem sabe alguma utilização em projeto de produção textual:

A ÚLTIMA CRÔNICA, DE FERNANDO SABINO

sábado, 27 de julho de 2019

"A Ponte": fabulosa animação em formato de fábula digital para reflexão sobre o cotidiano




O vídeo acima "Bridge" (Ponte), foi preciosa indicação da colega e amiga Elis Zampieri, educadora de Curitibanos, Santa Catarina, Brasil e trata-se de fabuloso curta-metragem de animação de Ting Chian Tey, que num formato de fábula nos faz refletir sobre as transições que somos submetidos no cotidiano.
Como fábula visual, Tey vale-se de animais para passar questões como valores e limites, ética e moral.
No meio do caminho de uma floresta existe uma ponte e um dia dois animais de grande porte, um Urso e um Alce se encontram no meio da ponte, cada qual querendo ganhar do outro na força. Surgem dos animais silvestre: coelho e guaxinim que são rechaçados pelos gigantes. Na queda de braço entre os dois "fortões", cada qual intransigente, eis que o coelho rói a corda de um lado e o guaxinim desata o nó do outro e tanto urso como alce caem no meio do rio.
Com a ponte atada só por um lado, o caminho das toras, embora menor, fica compatível com o coelho e o guaxinim que, entretanto, parecem simular o mesmo problema dos gigantes, em escala menor.
Mas aí ocorre a surpresa da fábula digital: os dois animais menores, talvez aprendendo com o erro dos maiores, resolve transigir e o guaxinim se abaixo pra que o coelho possa pular por cima, cada qual podendo seguir sua jornada.
Moral da fábula? Em certos momentos da vida, precisamos saber ser escada um do outro, um degrau e não um obstáculo natural. Eis a moral e a própria ética dessa bela criativa e original animação, reescrevendo os contos infantis, delimitando valores e limites entre o bom senso e a lógica, a razão e a emoção.
Um ótimo material para promover com os alunos uma leitura de imagem, uma interpretação de texto visual e uma produção de escrita criativa.

História em Blocos: estudantes e professores utilizam jogo Minecraft para reconstituir patrimônios históricos destruídos pela guerra


History Blocks from History Blocks on Vimeo.


O vídeo acima History Blocks é de um projeto fabuloso que visa reunir historiadores e pesquisadores junto com educadores e especialistas em Minecraft para uma restauração virtual de centenas de monumentos históricos destruídos em zonas de guerra. Mais que isso segundo o projeto, a ideia é de que professores possam "trabalhar junto de seus alunos para reconstruir, restaurar e preservar os Patrimônios da Humanidade destruídos pelos conflitos. E eles podem fazer isso usando uma das ferramentas mais versáteis e divertidas que existem: o Minecraft".
Para isso, o professor e a escola podem participar fazendo o download do plano pedagógico para ser aplicado na sua sala de aula, acessando o link abaixo:

HISTORY BLOCKS

Uma ideia incrível que une noções de geometria, matemática, lógica, arquitetura, história, filosofia, sociologia, literatura etc.
Mais de 30 países já adotaram o projeto que permite que os alunos aprendam a valorizar o patrimônio histórico e cultural, que pertence à humanidade.
Para saber mais sobre o projeto, basta também acessar o link abaixo, com a reportagem completa:

Alunos usam Minecraft para reconstruir patrimônios históricos destruídos no Oriente Médio

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Escrevendo dissertação: edição de vídeo hilária para refletir sobre o mestrado e a vida




O vídeo acima, intitulado Escrevendo a dissertação é uma dessas hilárias edições de vídeo que pega uma cena, seja de filme ou como no caso, uma entrevista de programa televisivo e coloca uma legenda aleatória, que se encaixa ao humor proposto.
No vídeo em questão provavelmente o editor utilizou sua experiência como mestrando para transpor a uma fala que é apenas um senhor contando causos de vida, mas a sincronicidade entre vídeo e legendas causa no espectador uma empatia e logicamente, uma sincronia.
Quem já não viu uma cena do filme "A Queda", que serve para legendas com fundo político para os mais variados temas e momentos?
Um exercício de criatividade, de bom humor e de adaptação de uma realidade bem diversa a um material inusitado. Mais que isso é uma humorada reflexão da relação entre orientando e orientador. Quem não passou por pelo menos uma das situações mencionados que atire sua dissertação no fragmentador de papel. :-)
Uma boa oportunidade de professores trabalharem com seus alunos a sincronia entre legenda e imagem, texto e contexto, originalidade e criatividade, versão e tradução e muito mais.
Por sinal, sempre digo que toda tradução é uma nova versão, pois o tradutor incorpora ao texto original elementos diversos, pois envolve a cultura do próprio tradutor em diálogo com uma outra cultura, linguagem e sociedade. Além disso, é sabido que um bom tradutor pode até conseguir um efeito melhor nessa adaptação, como um restaurador que incorpora elementos novos ao antigo, tentando preservar a maior parte do que é original, apenas preenchendo as lacunas com material novo.