segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Show de luzes em projeção gigante em 3D para o Réveillon e as possibilidades em menor escala no ambiente escolar




o vídeo acima. Réveillon Rio 2018, descobri na rede social e é uma ação publicitária de hotel histórico na praia da Copacabana, Rio de Janeiro (RJ) Brasil, em conjunto com grande loja de departamentos, com grande empresa de eletrônicos e de projetores multimídia, com empresa de VJ e com a secretaria de Turismo do Rio.
Trata-se, antes de tudo, de um grande evento, que requer uma grande infraestrutura, para que possibilite aquele resultado: um show de luzes através de uma projeção gigante em 3D, usando a fachada do hotel como imenso telão. Enquanto sucedem as imagens, também são tocadas músicas de carnaval e da cultura popular brasileira. O show de luzes e imagens lembra as apresentações que tiveram nas aberturas da Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, ambas no Brasil.
Em pequena escala com um projetor multimídia (datashow), uma parede de uma sala de aula ou muro de escola, um equipamento de som e muita criatividade é possível simular algo semelhante no ambiente escolar, reproduzindo fotos e vídeos produzidos dentro e fora da escola por alunos e professores. Basta, como dizia o cineasta Glauber Rocha: uma ideia na cabeça e uma câmera na mão; que poderá ser um tablet, fone celular, smartphone, uma câmera digital etc.
Produzir audiovisuais, além de documentar o fazer pedagógico de uma escola, possibilita a criação de um acervo digital, uma videoteca para professores e alunos que virão trabalhar e estudar naquela instituição, bem como, se compartilhado nas redes sociais, em blogs, canais de vídeo no YouTube, Vimeo, etc, inspirar a outros educadores e seus educandos.
Há muito projeto interessante e relevante sendo feito - e posso dizer isso, pois vivo visitando escolas e divulgando neste blog minhas descobertas -, entretanto, muita coisa fica restrita à escola, e, às vezes, apenas à sala de aula. Divulgar é preciso. Tanto quanto educar. Toda metodologia requer uma tecnologia: seja giz e quadro, como datashow e tela. O show da educação é que não poderá ficar datado...
Imaginem só um festival de vídeos estudantis, produzidos em parceria entre professores e alunos, e uma mostra no final do ano para divulgar à comunidade escolar, quiçá, até para o material ser votado e premiado por esta comunidade, valorizando o trabalho de professores e alunos. Uma escola pode criar seu festival de vídeos produzidos por turmas, grupos; pode a cada ano escolher uma temática ou deixar livre, pode criar categorias de premiação; enfim, estimular a criatividade de seu alunado. E ao mesmo tempo, documentar e divulgar a prática escolar daquela instituição.
Como no vídeo acima, uma projeção à noite na parede do muro da escola poderá ser uma bela festividade no calendário escolar.

domingo, 30 de dezembro de 2018

O tipo de amigos que necessito em 2019: humor, produção audiovisual e reflexão educacional e social




O vídeo acima The kind of friends I want in 2019 ("O tipo de amigos que necessito em 2019", tradução livre do blog), foi indicação de meu filho Allan (de 13 anos), via WhatsApp, que apesar do lado de humor do material, este me serviu para uma breve reflexão, logicamente, sobre educação.
Primeiro, um bom material para abrir uma discussão sobre bullying no ambiente escolar e social, mas ao mesmo tempo para trabalhar também outros conceitos presentes em ambos os ambientes: a sincronia, a empatia, a alteridade, a solidariedade, a amizade, o coleguismo, o profissionalismo, a colaboração etc.
O bullying mesmo, muitas vezes, é reflexo do que filhos veem em seus pais, familiares, vizinhos, conhecidos... Há que se trabalhar valores e limites no e do convívio social. De que certos tipos de brincadeiras que expõe ao ridículo, que não é aceita pelo outro, que o incomoda ou prejudica devem ser evitadas. Que em alguns momentos da vida familiar, escolar e social há que se ter essa sintonia e sincronia, como o vídeo propõe no revezamento de ações para impedirem que um dos alunos caia no chão.
Educar é essa sincronia de ações para evitar que o aluno se acomode demais ou que leve tombos desnecessários, e deveria começar pela família, ser ampliada pela escola e continuada pela sociedade.
Por fim, que projetos escolares, familiares, profissionais e sociais requerem esse planejamento antes da execução, como no vídeo em questão, que deve ter sido, primeiro, roteirizado, definindo local, tempo de duração, atores, quem faria tal ação, que dirigiria, gravaria e editaria tudo mais, para depois publicar essa peça de humor no YouTube. São passos que necessitam de uma organização planejamento, tipo uma storytelling, saindo da teoria rumo à prática. Trabalhar com arte e cultura no ambiente escolar através de audiovisuais poderá ser uma ótima forma de interação e integração entre professor e aluno, teoria e prática, conteúdo programático e significação...

sábado, 29 de dezembro de 2018

Conexões: Fazer o bem sem olhar pra quem. Fazer o bem pra si mesmo, ajudando alguém...




O vídeo acima "Tudo que você faz, volta pra você, de uma forma de uma outra", vi no Facebook do portal Razões Para Acreditar e de fato é uma animação que nos faz refletir sobre a importância de "Fazer o bem sem olhar pra quem. Fazer o bem pra si mesmo, ajudando alguém... Estabelecer conexões...", pois a lei do eterno retorno é ainda uma das poucas leis que ninguém consegue revogar. Aquilo que fazemos aos outros volta em dobro... Estabelecer conexões, empatia, colaboração e cooperação são os melhores caminhos, ainda que sejam os mais longos e por isso mesmo os mais duradouros.
Uma boa animação pra promover uma reflexão com pais e filhos, professores e alunos.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Árida: game brasileiro que coloca mulher negra e nordestina como heroína no ambiente virtual do sertão do século XIX




O vídeo acima ARIDA: BACKLAND'S AWAKENING, trata-se de vídeo Trailer do game de produção nacional (tipicamente brasileiro) que coloca mulher negra e nordestina como heroína. O jogo virtual, produzido pela Aoca Game Lab, de Salvador (Bahia), Brasil, é inspirado no sertão nordestino do século 19.
"Árida", que estará disponível em janeiro de 2019, segundo a apresentação do portal, é "Uma aventura de exploração e sobrevivência em pleno sertão brasileiro do século XIX. Avance pelas regiões mais áridas para coletar itens, resolver quests e encontrar o destino da jovem Cícera".
Conforme análise do portal Rede Brasil Atual: "é uma aventura que desconstrói estereótipos e valoriza identidades de personagens em meio à seca e à Guerra de Canudos".
Unir história, literatura, arte e cultura, jogos e sociedade são necessidades da atualidade. Colocar um pouco da realidade na virtualidade e vice-versa. O jogo ou gameficação é uma metodologia que a educação precisa melhor explorar no ambiente escolar, não apenas como passatempo, lazer, atividade recreativa, mas como produção e/ou reprodução, adaptação de conteúdo programático ao universo e imaginário do jovem estudante.
Para maiores detalhes sobre o referido jogo virtual, basta clicar no link abaixo:

AOCA GAME LAB

Designer gráfico e instrucional, storytelling, gameficação, aprender brincando, narrativas visuais, isso e muito mais precisa ser discutido e inserido no ambiente escolar para tornar o ato de educar algo menos centralizado na figura do professor e mais na do aluno. O objetivo da escola é o aluno e conhecer seu universo é uma viagem cada vez mais necessário. Estabelecer diálogo, comunicação, intercâmbio entre essas duas culturas: a do professor com a do aluno. E dessa comunicação, produzir material relevante e significativo para ambos. Reinventar a escola, como num jogo, de fases, como a vida. A descola é um imenso jogo de fases entre a educação infantil (e especial), o ensino fundamental, o ensino médio, depois o ensino superior e a pós-graduação. Cada password leva a um outro ambiente, com maior grau de dificuldade, cenário, personagens e histórias.
O jogo Árida envolve pesquisa histórica e social, arquitetura, geografia, sociologia, filosofia, memória, arte, cultura e tecnologia. De acordo com o RBA: A pergunta mais frequente dos jogadores que buscam novas experiências por meio de jogos eletrônicos é: "Qual o botão que atira?". Porém, "Na contramão do padrão dessa indústria, o game baiano Árida surge com o objetivo de divertir, mas ao mesmo tempo educar, desconstruir estereótipos e ser uma plataforma de reconhecimento identitário".
Um jogo com um elemento provocador e reflexivo, pois, para o RBA, "Inserido no contexto do sertão nordestino durante o século 19, o jogo é uma aventura com elementos de exploração e sobrevivência. Ele traz a história da jovem Cícera, que auxilia os sertanejos a superar a seca. O protagonismo da mulher negra e nordestina é considerado uma 'ocupação' dentro do universo do jogo".
Um game que busca uma identidade social e também visual, em vista de que "Inicialmente, o jogo seria ambientado na região de Canudos, interior da Bahia, durante o confronto entre o Exército e os integrantes do histórico movimento popular liderado por Antônio Conselheiro, no fim do século 19. Entretanto, após iniciarem as pesquisas, os desenvolvedores decidiram agregar questões simbólicas de outras regiões do sertão baiano. Para isso, o grupo recebeu a colaboração de historiadores e especialistas na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)".
Segundo Victor Cardozo, diretor de arte do projeto, "A franquia será dividida em quatro episódios. A data de lançamento do primeiro episódio do game está prevista para o primeiro trimestre de 2019, com o computador como plataforma inicial. Victor explica que haverá um amadurecimento e uma dramatização do ambiente, na qual a arte será transformada ao decorrer da história".
Um jogo pra evitar estereótipos, preconceito, discriminação, intolerância e muito mais.
Já que muitos jogam Red Dead Redemption (vide vídeo abaixo), ambientado no Velho Oeste dos EUA, nada mais apropriado que também conhecer o ambiente árido do sertão brasileiro.



Para maiores detalhes, acessam o link abaixo, com a notícia completa:

Game de produção nacional coloca mulher negra e nordestina como heroína

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Natal sem filtros: dois experimentos sociais com crianças sobre empatia e interação social através do brincar e do se identificar com o outro




O vídeo acima Natal sem filtros, foi indicação pelo Facebook do colega e amigo Robson Garcia Freire, educador carioca, residindo em João Pessoa, Paraíba, Brasil.
Trata-se de campanha natalina de empresa de equipamentos eletrônicos e de experimento social com crianças, colocando os filhos a brincar em um ambiente, enquanto os pais ficam observando cada um a distância por monitores. Crianças portadores de necessidades especiais junto às demais, que interagem normalmente sem preconceitos, discriminação ou bullying. Crianças que não se conheciam e passaram a brincar sem limitações, respeitando justamente as limitações físicas e mentais dos novos amigos. As crianças, muitas vezes reproduzem os pré-conceitos de seus pais.
Experimentos assim, mostram na prática a importância da socialização de crianças, através, não apenas de brincadeiras como essa, mas do convívio sadio, gentil e fraterno numa escola. O brincar faz parte da experiência humana e o conviver com o diverso, idem.
Esse "Natal sem filtros" é uma grande mensagem e exemplo de como as crianças só usam filtros, quando manipuladas por adultos. Que em geral, a criança não faz distinções entre amizades, desde que cada um saiba interagir com o outro...
Da mesma empresa, vejam abaixo, outra interessante e comovente campanha sobre Uma visita inesquecível no Natal no hospital, que encontrei nos vídeos correlatos do primeiro:



Um Papai Noel que vai visitar crianças hospitalizadas, e que tira seu gorro e deixa que cortem seu cabelo e o raspem para se tornar igual aos demais pacientes. Identificar-se com o outro: uma belíssima mensagem de Natal e de solidariedade.
Parabéns aos que criaram essas belíssimas campanhas que tocam fundo o sino de Natal (e a consciência social) de cada um...

domingo, 23 de dezembro de 2018

De Olho na Escola: Jogo que estimula participação dos alunos no ambiente escolar através do lúdico




A imagem acima é do DE OLHO NA ESCOLA, jogo estimula participação dos alunos no ambiente escolar, descobri via Centro de Referências em Educação Integral, via Twitter.
Conforme apresentação do mesmo no portal, "O De Olho na Escola é um jogo que estimula o debate com crianças e adolescentes sobre a escola que temos, a escola que queremos e como podemos juntos(as) atuar pela melhoria da sua qualidade. Simples e divertido, ele pode ser utilizado em processos participativos para aquecer a discussão sobre a construção de diagnósticos e o levantamento de propostas para as escolas e para o monitoramento participativo dos planos de educação do município, do estado e do país. Assim, o protagonismo das crianças e dos adolescentes é estimulado da forma que eles mais gostam: brincando!"
Para que o educador possa baixar o jogo completo agora, imprimi-lo, distribuí-lo na escola, basta preencher os dados via Google Docs, no link abaixo:

JOGO DE OLHO NA ESCOLA

Para saber mais detalhes de como funciona o jogo, que foi "desenvolvido pela ONG Ação Educativa, no âmbito de um projeto realizado para a Secretaria Municipal de Educação de Santo André (SP), Brasil", basta acessar o link a seguir:
br /> DE OLHO NOS PLANOS - JOGO DE OLHO NA ESCOLA

O De Olho na Escola "é uma das ações criadas em prol do monitoramento participativo dos Planos de Educação pelo portal De Olho nos Planos, que também lançou materiais didáticos e um vídeo para conscientizar a sociedade civil da necessidade de participação na construção de uma escola melhor para todos".
Segundo Denise Carrera, da Ação Educativa: “O monitoramento participativo é uma reação ao esvaziamento que estamos vendo dos planos de educação. Por isso, queremos principalmente que o uso desses materiais seja estimulado no processo das etapas municipais e estaduais da Conferência Nacional de Educação 2018".
Abaixo, vídeo explicativo, sobre Monitoramento participativo dos Planos de Educação (legenda descritiva e libras):



sábado, 22 de dezembro de 2018

Primeiro desenho animado totalmente em Libras é lançado no YouTube: inclusão, acessibilidade e equidade




O vídeo acima Cade Min e as mãozinhas, foi indicação de amiga no Facebook e trata-se de o primeiro episódio de iniciativa de Paulo Henrique dos Santos, que trabalha com animação infantil há sete anos, e que decidiu criar um desenho inteiramente em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). O primeiro episódio da animação foi lançado no YouTube no dia 26/09/2018, data marcada pelo Dia Nacional do Surdo.
A inspiração para esse curta-metragem de animação, com onomatopeias e em Libras, segundo o próprio Paulo Henrique, surgiu a partir do cotidiano, ao perceber o despreparo de muito para lidar com certas situações.
Um belo material para trabalhar conceitos como inclusão, acessibilidade, igualdade e equidade na educação e na sociedade.
Não se pode falar de equidade, se não é dado meios de integração de alguém à sociedade e a linguagem é um dos fatores principais de interação.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

A arte transforma as pessoas: professor de educação artística [descobridor de talentos em suas turmas] entre os melhores do mundo




O vídeo acima A arte transforma as pessoas, foi indicação do amigo Fernando Luis, músico e poeta de Rio Grande (RS) Brasil e mostra a história de Jayse Ferreira, professor pernambucano que foi escolhido entre os 50 melhores professores do mundo pelo Global Teacher Prize, considerado o Prêmio Nobel da Educação.
Jayse ensina educação artística para cerca 500 jovens de Itambé, Zona da Mata Norte de Pernambuco e tem sido motivo de orgulho para todos no município, pois é um professor que valoriza os talentos de suas turmas, incentivando cada aluno.
Como sempre digo: a arte está em toda parte, mas é preciso que cada um descubra ou tenha o incentivo dos pais, professores ou outras pessoas...
Independentemente da premiação, maior prêmio mesmo é o reconhecimento do aluno, como disse Jayse. Isso não tem preço, só apreço.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

O cubo e o mágico: incrível memória visual, raciocínio lógico-matemático e espacial




O vídeo acima que intitulei de O cubo e o mágico, recebi de amiga via Messenger do Facebook e é uma incrível de monstração de raciocínio lógico, matemático e espacial do jovem Kleber de Ribeirão, que consegue resolver o famoso cubo mágico em breves instantes, mas sem olhar para o mesmo, somente memorizando antes as posições das peças e cores, para depois remontá-las no formato ideal.
Um vídeo que já teve mais de 1 milhão e 800 mil visualizações no Facebook e que serve para refletirmos sobre a memória visual, fotográfica que muitos têm e seu rico potencial, aliado ao raciocínio lógico e matemático no ambiente escolar e social.
Recentemente participei de Mostra Cultural da escola onde atuo e o professor de matemática trouxe um tabuleiro de xadrez em tamanho gigante para jogar com seus alunos, e um deles praticamente tinha um tabuleiro de xadrez mental, pois conseguia antever jogadas, indicar caminhos com uma velocidade impressionante; pelo menos para um leigo como eu, no xadrez e na matemática :-)
Sou professor de literatura e de produção textual e percebo como é importante trabalhar os conteúdos, de qualquer disciplina de forma visual, pois é uma geração audiovisual.
O tempo e o espaço escolares precisam ser pensados de forma ampla, criativa e significante para todos: professores, alunos e comunidade. A educação é pra mim, ao mesmo tempo, arte e jogo, em que cada qual interpreta seu papel social. É como um grande teatro, às vezes ao ar livre, como em "experiências imersivas" em "3D" e "360" graus que levo meus alunos, sem óculos de realidade virtual mas para saídas de estudos junto à realidade local. Entretanto, nesse grande teatro da vida, a escola, que é de certa forma um palco, não pode transformar professores em atores e alunos em meros espectadores. Todos devem subir ao palco e interpretar seu papel nessa peça em transformação que é a própria educação, com movimentos precisos, criativos, de reinvenção de si, do outro e do todo.
Para isso, requer metodologia e didática adequadas, levando em conta tempos e espaços diferenciados de aprendizagem e ensino.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

E afinal, o que é esse tal de Natal?!? (pequeno vídeo muito mais do que motivacional)




O vídeo acima Melhor definição de Natal que eu já vi! é um vídeo que encontrei no Facebook da colega e amiga Berenice Teixeira Renê , orientadora educacional de Rio Grande (RS), Brasil e trata-se, provavelmente, de alguma campanha publicitária que não consegui identificar, mas que traz uma bela mensagem de Natal, além da questão motivacional.
Um material que promove uma reflexão para o verdadeiro espírito natalino de solidariedade, amor, religiosidade, compaixão, empatia, alteridade, quando numa manhã fria de inverno (no hemisfério Norte), um menino olha pela janela e vê uma menina brincando sozinha com a neve e a convida para entrar em sua casa, onde ele está com seu avô. Quando a menina pergunta para o menino "o que é o Natal" ele, num gesto fraternal, responde da melhor forma, que dezenas de palavras não poderiam dar conta, com um abraço forte e sincero.
Um vídeo simples, delicado e comovedor para se tratar de valores humanos não apenas em épocas festivas. Uma filosofia do viver.

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

O porco-espinho e o respeito às diferenças no cotidiano escolar e social (Pequeno conto de Natal)




O vídeo acima trata-se de belíssimo e comovente curta-metragem de animação que traz uma linda mensagem de respeito ás diferenças no cotidiano escolar e social de um pequeno porco-espinho, que podemos encarar como uma fábula e metáfora do processo de inclusão.
Não é preciso que as pessoas mudem sua natureza para conviver conosco, basta que a aceitemos como é e que busquemos firmas de convivência que não prejudiquem a ambas, que permitam que o que parece intransponível possa ser resolvido com empatia, acessibilidade, tolerância e entendimento das limitações de cada um.
Um belo conto de Natal, dentro do verdadeiro espírito natalino que é de amar o próximo como a si mesmo.
Saber se colocar no lugar do outro é uma arte e faz parte de nossa humanidade. E somente quando vemos o problema é que encontramos a solução, que muitas vezes é simples e de fácil execução. Somos todos reflexos do que praticamos, mais do que dizemos...

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

O Jogo Uno do Alfabeto e o canal de vídeos Bem Pensado Jogos Pedagógicos




O vídeo acima Jogo do Uno Alfabeto é do canal BEM PENSADO JOGOS PEDAGÓGICOS, criado pela colega e amiga Mônia Gonçalves Coelho, educadora de São José do Norte, Rio Grande do Sul, Brasil.
O Bem Pensado Jogos Pedagógicos divulga "Jogos Pedagógicos que auxiliam professores, psicólogos, fonoaudiólogos, psicopedagogos na sua prática diária com as crianças".



O Educa Tube Brasil recomenda e indica abaixo o link para o referido canal:

BEM PENSADO JOGOS PEDAGÓGICOS

domingo, 16 de dezembro de 2018

Passaporte Literário: experiência imersiva na realidade local em 3D e 360 graus, no EducAção 3D+




O vídeo acima Passaporte Literário: experiência imersiva na realidade local em 3D e 360 graus é o 15º vídeo produzido pelo professor, escritor e poeta José Abtpnio Klaes Roig, editor do blog Educa Tube Brasil para seu canal EducAção 3D+, que trata de arte, cultura e tecnologia (as 3D) no cotidiano escolar.
Neste vídeo é abordado o Projeto Passaporte Literário e das saídas de estudo com os alunos do ensino médio do Colégio São Pedro, do Rio Grande (RS), Brasil, nas disciplinas de Literatura e PDI - profissões digitais inovadoras. Na Literatura foram vistos o período Romântico e o Barroco, respectivamente, na Bibliotheca Rio-Grandense, a mais antiga do RS e na Catedral de São Pedro, a mais antiga igreja do RS. E em PDI, na visita ao Museu de Ciência e Tecnologia da PUCRS, em Porto Alegre (RS).
3D, pois envolve a arte, a cultura e a educação e 360 graus, pois proporcionou aos alunos fazerem um "tour" da escola até a catedral, conhecendo-a externa e internamente em uma aula imersiva, sem a necessidade de óculos de realidade virtual, mas incentivando o olhar para a realidade local e universal, desacomodando o alunado, e propondo uma nova forma de abordagem de um tema, além do livro didático, da sala de aula, da biblioteca escolar...

sábado, 15 de dezembro de 2018

A lei do eterno retorno e os sinais da natureza ao redor




O vídeo acima, encontrei no Facebook e é uma interessante, criativa e divertida forma de abordar a famosa lei do eterno retorno, daquilo que fazemos a alguém que volta pra nós, às vezes em dobro...
Diante de tempos de insegurança jurídica mundo afora, há que se lembrar que a lei do eterno retorno - independentemente do poder e riqueza que se possa acumular - ainda é algo que ninguém consegue revogar. Estar de bem consigo mesmo, com o outro e a natureza, pode ser o caminho mais longo, mas provavelmente é o mais tranquilo, seguro e duradouro. Aqueles que desejam "password's" (atalhos) podem até apressar o destino, mas o futuro sempre cobra essas antecipações, pela falta de bagagem emocional e experiência de vida e muito mais. A própria Natureza um dia cobra a fatura do descaso com o meio ambiente... E estamos vendo por ai situações como aquecimento global, poluição etc.
Como a vida não é um videogame e possui seu próprio algoritmo, sempre é bom perceber os sinais da natureza, estejamos tratamento de educação ambiental ou não...

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

As cores e as flores de Van Gogh ou a Natureza é a primeira, maior e mais autêntica artista, com certeza! Os demais, apenas a imitam...




O vídeo acima Um incrível campo de girassóis no mais lindo pôr-do-sol! Não lembra as pinturas do Van Gogh?, encontrie no Facebook e é um belísismo exemplo de como a Natureza é, com certeza, a maior artista deste planeta, e Van Gogh e outros geniais pintores são apenas discípulos dela, quando imitam o que veem ao redor, do nascer ao por do sol.
A arte está em toda parte e a Natureza é a maior pintora que poderá existir, com suas cores, flores, rios, céus e tudo mais...
Um ótimo material para tratar de arte, meio ambiente, história, memória, cultura etc.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

A bateria reciclável e o pequeno e talentoso baterista reciclando materiais e ideias




O vídeo acima, que intitulei de Bateria reciclável, foi indicação via Facebook pela amiga Ana Maria F, de Campinas São Paulo, Brasil e trata-se de ação de um menino das Filipinas que possui uma bateria feita a partir de materiais recicláveis e que toca com talento e criatividade, acompanhando o som da canção Sweet Child O'Mine (Minha Doce Criança), da banda Gun's in Roses.
Como sempre destaco neste blog educacional: a arte está em toda parte e todos temos um talento natural a ser descoberto. Unir reciclagem, música, arte, cultura e sociedade é um dos objetivos deste espaço de compartilhamento de descobertas entre colegas e amigos. É preciso reciclar materiais e ideias também, valorizando o talento de cada um.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Ian e o Playground Inclusivo: belíssima, comovente e premiado curta-metragem de animação




O vídeo acima Ian foi indicação da colega e amiga Josane Batalha Sobreira, educadora de Campinas, São Paulo, Brasil e trata-se de belíssimo e comovente curta-metragem de animação que trata de inclusão e mostra o cotidiano de um menino cadeirante que é levado por sua mãe pra frente de um parque (playgroud) em que outras crianças brincam enquanto Ian imagina conviver com os mesmos, até que a realidade o afasta de seu imaginário playgroud inclusivo.
E o mais interessante que o curta de animação é inspirado na vida real de um menino chamado Ian. Um curta escrito por Gastón Gorali, dirigido por Abel Goldfarb e com apoio da mãe do menino Sheila Graschinsky.
Esse playgroud inclusivo só se materializa a partir de uma desmaterialização das demais crianças que atravessam junto com Ian as telas que separam aquele espaço da vida do menino que sofria bullying. A simbologia do dematerializar-se e se reorganizar do outro lado e da própria desmaterialização da tela que divide dois mundo é emblemática de como devemos agir para promover a inclusão, eliminando barreiras e limites.
Um lindo vídeo que mescla stop-motion com animação digital, premiado em Cannes 2018 e indicado para o Oscar 2019.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

A Batalha de Star Wars na Manhã de Natal (e o poder da imaginação além das telas grandes, médias e/ou pequenas)




O vídeo acima Duracell e Star Wars: A Batalha na Manhã de Natal, descobri no YouTube e é uma criativa publicidade de marca de pilhas de longa duração, em forma de curta-metragem, contando a história de dois jovens Jedi que colocam as referidas pilhas em seus sabres de luz e adentram no mundo imaginário de Star Wars em uma batalha contra os Stormtroopers dentro da casa e depois no quintal da mesma.
Mais que um comercial é um ótimo material para discutir a importância de incentivar o lúdico e o imaginário, além do universo digital dos jogos eletrônicos. De adaptar situações do universo cinematográfico e literário para o cotidiano de crianças e jovens num jogo de interpretação de papéis, longe das telas do cinema e dos videogames, mas noutros ambientes, como a casa, a sala de aula, o pátio escolar etc.
Uma experiência imersiva na realidade local - além da realidade virtual -, sem a necessidade de óculos VR, num outro tipo de 360 graus, mas no entorno da casa ou da escola; podendo ampliar a experiência unindo arte e cultura à educação. A criatividade do professor e de seus alunos que será o limite.
Muitos dos professores de hoje, quando crianças, antes do surgimento dos jogos eletrônicos, simulava no pátio de casa ou da escola cenas de filmes e livros com os amigos e colegas, nesse teatro da vida, em sua realidade local...
O poder insuperável da imaginação humana, além das telas grandes (cinema) médias (TV) e pequenas (smartphones). Os meios são importantes, mas mais relevantes são as finalidades: as trocas de saberes entre pais e filhos, professores e alunos...

domingo, 9 de dezembro de 2018

A criação do Requiém de Mozart: entre o gênio e o aprendiz, o cinema e a educação, a didática e a metodologia




O vídeo acima AMADEUS: Criação do Requiem, descobri via Twitter de Daniel Souza, educador de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, e editor do blog O ÓCIO RECREATIVO.
Trata-se de cena genial do filme Amadeus que, segundo a Wikipedia: "(...) é um filme americano de 1984, do gênero drama biográfico dirigido por Milos Forman e com roteiro de Peter Shaffer. O roteiro é baseado na peça homônima do próprio Shaffer, livremente inspirado nas vidas dos compositores Wolfgang Amadeus Mozart e Antonio Salieri, que viveram em Viena, na Áustria, durante a segunda metade do século XVIII. O filme foi indicado para 53 prêmios, e recebeu 40, incluindo oito Oscars (entre eles o de melhor filme), quatro prêmios BAFTA, quatro Globos de Ouro e um prêmio DGA. Em 1998, Amadeus foi classificado como o 53º melhor filme dos Estados Unidos pelo American Film Institute, em sua lista AFI's 100 Years… 100 Movies".
Mais que isso, faço minhas as palavras do professor Daniel, quando ao apresentar a referida cena diz: "Como ser didático sobre um assunto que pouca gente entende sem subestimar a inteligência do espectador? Milos Forman em Amadeus nos mostra".
De fato! A cena mostra de um jeito didático como o jovem Mozart compunha suas obras-primas, de uma forma autêntica, criativa e genial. Como Mozart, que tinha a idade de um aprendiz, agia diante de Salieri, um compositor já maduro e experiente. A genialidade nada tem a ver com a cronologia e todos têm uma metodologia de criação, o que fica evidenciado na cena em questão. Mozart era ágil, tinha uma palheta musical na cabeça compunha por pura intuição e inspiração...
Algo que me lembrou recentemente uma atividade escolar que participei, em que o professor de matemática e um de seus alunos jogaram uma partida de xadrez num tabuleiro gigante, montado no pátio da escola. O jovem aluno parecia ter um tabuleiro na mente, pois conseguia visualizar as jogadas, não apenas as dele, mas do adversário com uma velocidade impressionante. Na verdade estavam jogando dos mestres naquele momento: o professor e seu aluno.
Na cena de Amadeus, o jovem Mozart ensina ao mestre Salieri como compor com criatividade, virtuosismo e originalidade. O professor pode também aprender com o aluno, estabelecendo trocas de saberes...
Cenas clássicas do cinema não faltam para ilustrar qualquer área do conhecimento e lembrou também de outra cena fantástica que jamais esqueci, do filme Poltergeist: o fenômeno, de 1982, em que o pai ensina à filha que a tempestade está se afastando se os segundos entre o clarão e o estrondo vão aumentando e poderá estar se aproximando quando diminui esse tempo entre a luz e o som...



Cinema pode ser um aliado da Educação, através da utilização de algumas cenas, ideias, conceitos que complementem o conteúdo pedagógico... A didática e a metodologia devem levar em contam a arte e a cultura nesse fazer pedagógico.
O grande escritor Erico Verissimo, em sua autobiografia, dizia que sua educação tinha sido cinematográfica A do editor deste blog, foi televisiva, através de seriados, filmes da Sessão da Tarde, desenhos animados etc. A da atual geração é via internet, games e YouTube. Não importa o meio, mas o fim... Os meios de informação e de comunicação podem ser grandes ferramentas de apoio ao professor, cuja finalidade é a educação.

sábado, 8 de dezembro de 2018

Lição de casa: trabalho sobre a gravidade proposto pelo professor e "A viagem ao mundo dos sonhos" feita pelos alunos




O vídeo acima iPad — Homework - Apple é uma peça publicitária sobre equipamento eletrônico, mas também um curta-metragem sobre um dia de uma escola que poderia estar em qualquer lugar. O professor forma os grupos e pede que um deles pesquise sobre a gravidade. Os alunos se encontram fora da escola e passa a unir a teoria e a prática, fazendo experimentações, brincadeiras e documentando tudo com as tecnologias.
Um vídeo que me lembra cenas do filme Viagem ao mundo dos sonhos (1985), em que jovens se reúnem para construir uma nave espacial. Um clássico da Sessão da Tarde, da TV aberta, nos anos 1980, conforme cenas abaixo:





Trabalhar com o concreto e o abstrato, com a teoria e a prática, com o simbólico e o imaginário no ambiente escolar são possibilidades de estabelecer um diálogo entre gerações: entre professores e alunos, pais e filhos.
Quem disse que uma lição de casa não pode ser criativa, divertida e original?
O bom professor é aquele que permite essas viagens ao mundo dos sonhos feitas pelos seus alunos, a partir de propostas criativas e relevantes que envolvam o conteúdo programático de sua disciplina, unindo arte, cultura tecnologia e educação.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Nós amamos a tecnologia: Dança com seus filhos, dança para eles... (arte, cultura e tecnologia na sociedade)




O vídeo acima Dança com seus filhos, dança para eles, encontrei no Facebook e trata-se de bela campanha/publicidade que conta um pouco da história das tecnologias através da história de pais e filhos. Começa com um aparelho de som 3 em 1 (toca-discos, toca-fitas k-7 de áudio e rádio), passa pela música digital no rádio do carro, pelo toque dos primeiros celulares até o filho se tornar pai e através de uma chamada de vídeo do smartphone poder dançar com seu filho para o seu pai, seguindo aquela tradição unindo dança e tecnologia.
Um belo vídeo para discutir justamente essas ligações entre homens e máquinas, das mudanças de tecnologias a cada geração, mas da importância da arte e da cultura do afeto e da educação, unindo pais e filhos, professores e alunos.
Uma bela metáfora da tecnologia e da pedagogia (do espelho e do afeto) no cotidiano social.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

O único presente que Papai Noel não pode entregar (Campanha de Natal da Cruz Vermelha)




O vídeo acima é campanha de Natal do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, que aborda a separação de crianças de suas famílias por causa de conflitos armados mundo afora. A campanha foi criada por uma agência de publicidade e está sendo veiculada em diversos países, dentre eles o Brasil, pois "A única coisa que algumas crianças querem nestas festas é reencontrar a família. Há mais de 150 anos o Comitê Internacional da Cruz Vermelha trabalha para reunir famílias separadas por conflitos ou desastres naturais para que elas estejam juntas novamente".
No vídeo em questão, Papai Noel caminha por uma zona de conflito, entre soldados e destroços de casas e cidades até encontrada uma menina solitária. Comovedor, ainda mais que a caracterização do Papai Noel - perambulando por zonas de conflito, suado, com a barba descuidada, envelhecido e entristecido - parece-me por demais apropriada para quem estivesse convivendo com tanta destruição. Em tempos sombrios e sem brios, lembrar do espírito de Natal, do humanismo, da solidariedade são essenciais.
De fato, como destaca a campanha: "o único presente que algumas crianças querem para esse Natal é suas famílias".

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Caras e Cores: empresa relança música "Aquarela" em belo e criativo vídeo sobre diversidade racial e representatividade




O vídeo acima Caras e Cores Faber-Castell, descobri no Twitter e trata-se de bela e criativa iniciativa de empresa de material escolar de relançar a música Aquarela, de Toquinho (sucesso de 1984) em vídeo para celebrara a representatividade humana. A série EcoLápis, como o nome indica, tem um compromisso com o meio ambiente, e o tema "Caras e Cores" busca justamente para tratar da diversidade, já que, conforme notícia, "são 6 tons de pele diferentes e misturáveis, que estimulam a criatividade e a auto expressão através de novas combinações".
Um vídeo que mescla animação, música e muito mais.
Mais que isso, essa nova versão traz a letra adaptada ao tema da diversidade racial, com a mensagem “Sua cor como você quiser”< Campanha publicitária com veiculação nacional em canais de televisão, no cinema e em meios digitais e que ficará no ar até a época de volta às aulas.
Mais uma ação que une arte e cultura com educação e sociedade.
Para saber mais, indico o link abaixo:

Faber-Castell relança música "Aquarela"

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Compartilhe seus dons: Não esconda seu talento! Venha para fora e brinque! (Lindíssimas propaganda, animação e canção)




O vídeo acima Holiday — Share Your Gifts (Feriado - Compartilhe seus dons), foi indicação via WhatsApp de meu amigo e colega Robson Garcia Freire, educador do Rio de Janeiro, vivendo atualmente na Paraíba, Brasil e trata-se de maravilhosa propaganda da Apple, utilizando lindíssima animação e a belíssima canção de Billie Eilish - Come out and play (venha para fora e brinque, tradução livre deste blog).



O curta-metragem de animação conta a história de uma jovem que mora sozinha com seu cão de estimação e que tem um talento nato para tudo que faz seja nos pães onde trabalha, seja no vidro do metrô onde se desloca, em toda parte ela produz arte. Além disso, ela vai escrevendo e desenhando e tudo guardando numa caixa, até o dia que ocorre o imprevisto: uma janela abre com o vento e seu trabalho sai voando pelas ruas. Na intenção de recuperar sua obra, ela descobre que seu trabalho encanta as pessoas; algo como o escritor de gaveta quando resolve mostrar sua produção aos outros.
A bela mensagem que esse vídeo traz é compatível com o título: "Compartilhe seus dons" e que este blog complementa com "Não esconda o seu talento", pois todos temos algum talento natural, ainda por ser descoberto. E não apenas na arte e cultura; na educação e na sociedade. Saber ensinar e aprender uns com os outros é uma grande arte para os educadores do século XXI.
Pois já dizia o Padre Antonio Vieira, séculos atrás: "Nós somos o que fazemos. O que não se faz não existe. Portanto, só existimos nos dias em que fazemos. Nos dias em que não fazemos apenas duramos".
Não basta fazer bem as coisas é preciso compartilhá-las; divulgar as ações relevantes...

sábado, 1 de dezembro de 2018

Senhor Indiferente: tire suas mãos do bolso e abrace uma causa (curta de animação e anúncio publicitário)




O vídeo acima Mr. Indifferent foi indicação via Facebook pela colega e amiga Josane Batalha Sobreira, educadora de Campinas, São Paulo Brasil e trata-se de curta-metragem de animação produzido por Aryasb Feiz para anúncio publicitário do Emirates NBD Bank.
Quantos de nós, no cotidiano, não encontra-se com o Senhor Indiferente pela rua, pelo trabalho, na sociedade... Pessoas que parecem humanas mas que não agem como tal. Que poderia fazer um simples gesto de gentileza, mas que a indiferença, a falta de empatia, de alteridade de solidariedade os impede...
O Senhor Indiferente, diferentemente da animação, está presente em todas as classes sociais, e não é uma questão apenas de gênero, mas de sensibilidade (ou melhor, de falta de...). Mas, como na animação, alguns desses seres se tornam humanos por conta de pequenos gestos, quase involuntários, que os fazem interagir com seus semelhantes... Conhecer o outro, conviver com o diverso, sentir na pele o que outras pessoas passam é uma experiência imersiva, capaz de romper com a capa de invisibilidade e insensibilidade de alguns.
Por isso mesmo se justifica a importância socializadora da escola, que permite a diversidade, o convívio social, as trocas de experiências de vida e de saberes entre diferentes realidades humanas e sociais.
Que ninguém fique indiferente ao outro, sejam pais ou filhos, professores ou alunos.

Cataki: aplicativo colaborativo que facilita o descarte adequado e gera renda para os catadores (agentes sociais e ambientais)




O Cataki (vídeo acima) é um aplicativo que mostra como fazer o descarte adequado de diversos materiais conectando-o a uma rede de catadores (agentes sociais e ambientais).
O app indica os catadores que estão perto de você. Todos são cadastrados com nome, apelido, telefone, materiais que reciclam, tipo: Vidro, Lata, Papel, Plástico, Metal, Eletrônicos, Móveis, Entulho, Restos de poda, Bateria e Óleo.
Segundo a @cacau, de quem descobri o app no Twitter: "Cada pessoa produz cerca de 400kg de lixo por ano, só 12 são reciclados é desses 11kg são graças aos catadores. O objetivo do App é facilitar o descarte adequado e gerar renda pros catadores".
De acordo com o vídeo, todos os dias o Brasil produz 200 mil toneladas (isso mesmo!!!) de resíduos.
O aplicativo que é colaborativo, aberto e que está em construção é também um belo exemplo de tecnologia favorecendo o meio ambiente, um belo exemplo de tecnologia social.
Abaixo link para cadastrar e baixar o referido aplicativo:



CATAKI - O aplicativo da reciclagem

Como diz o Nego (vide imagem abaixo), um catador faz mais do que um Ministro do Meio Ambiente. E tem sentido a frase desse catador e agente social ambiental...



Um aplicativo que "conecta catadores de materiais recicláveis com quem quer reciclar". Um exemplo de como a tecnologia pode conectar outras áreas da sociedade.