domingo, 29 de maio de 2016

O aluno, o professor e o mundo: Antes de julgar alguém conheça sua história de vida




O vídeo acima, que intitulei de O professor, o aluno e o mundo, descobri via Facebook do colega e amigo Alexsandro Oliveira, educador de Rio Grande (RS), Brasil e é um curta-metragem que conta a história de um professor severo e um aluno que chega todo dia atrasado em aula.
Não pude identificar a nacionalidade do vídeo (aparentemente árabe), mas bem que poderia ser em qualquer parte do mundo. E, por isso mesmo, considero um bom material para propor uma reflexão sobre o contexto educacional, que vai muito além da sala de aula...
Seguidamente vemos de apresentadores de TV a celebridades, de personalidades do esporte a políticos, até ilustres desconhecidos, todos dando palpites sobre a educação, a maioria das vezes sem conhecimento de causa nem formação na área, e justamente por desconhecerem a realidade estrutural de uma escola, seus comentários são apenas "achismo" ou palpite furado...
Como bem comentou Alexsandro sobre o vídeo: "Muitas vezes caímos na armadilha de julgar os comportamentos dos outros, em especial de nossos alunos. Muitos comportamentos desviantes escondem dramas pessoais e familiares". E que destacou Angela Reis: "Amei a vida deste adolescente com certeza não é fácil tem que ajudar em casa as vezes não tem pai ou mãe tem que cuidar dos irmãos mesmo apanhando não desistia para dar o melhor a sua família e estudando vai vencer na vida e o professor agiu certo algo está errado vendo com seus próprios olhos entendeu que ele trabalhava e depois corria pra estudar mas aquele abraço disse tudo".
Eu mesmo, tenho diversas experiências de vida na educação, que ao conhecer um pouco da história dos alunos pude estabelecer produtivas estratégias de interação, já destacadas em outras postagens neste blog educacional.
Ou seja, julgar alguém sem conhecer sua realidade é fácil. Complexo é, conhecendo-a, estabelecer uma pedagogia que permita sua integração e interação ao convívio escolar, sem traumas nem conflitos. Antes de julgar alguém, o salutar seria conhecer um pouco de sua história de vida, contexto social. Muitos dos conflitos ocorridos dentro da escola são consequências de causas fora desta: abandono, descaso, drogas, violência familiar, etc., que repercutem na escola, que é incapaz de resolver seus próprios problemas estruturais, quanto mais os da sociedade desestruturada...
Mesmo assim, a escola e muitos educadores que têm essa visão panorâmica da sociedade e espírito de comunidade conseguem superar estes desafios, num exercício de alteridade, de colocar-se no lugar do outro, e a partir disso, estabelecer estratégias eficientes de comunicação, interação e inclusão...
No vídeo em questão, durante três dias um aluno chega sempre atrasado e é severamente castigado pelo professor severo, com uma régua, tipo antiga palmatória. No quarto dia, por acaso, enquanto o professor corre, este encontra o aluno andando de bicicleta na rua e começa a segui-lo, descobrindo que ele era jornaleiro, fazendo suas entregas, o que provavelmente fazia com que chegasse sempre atrasado.
Este curta-metragem lembra o filme iraniano Filhos do Paraíso (1999) - que indico abaixo desta postagem - em que dois irmãos dividem o mesmo par de tênis para puder ir à escola. A menina de manhã e o menino à tarde. Como a menina é menor, custa a chegar em casa para que o menino (maior) possa calcar o mesmo tênis e correr pra chegar em tempo na escola. Normalmente chega atrasado e o diretor sempre o repreende, até que o professor de educação física percebe o potencial do menino e começa a treiná-lo... E o inscreve numa corrida em que 1º lugar é uma viagem pra conhecer uma praia (e o menino nunca viu o mar) e o segundo (um par de tênis). E eis o dilema do aluno, entre o sonho e a realidade... Sem fazer mais spoilers, segue abaixo o filme na íntegra, que encontrei no You Tube e que tem um final emocionante e surpreendente:



A seguir, postagem feita pelo Educa Tube Brasil sobre Filhos do Paraíso, lançado no Brasil, em 1999:

FILHOS DO PARAÍSO: CINEMA E EDUCAÇÃO

Nenhum comentário:

Postar um comentário