quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Transformer Humano e o poder de transformação da educação e da tecnologia




O vídeo acima Human Transformer - NOLATron (Tranformer Humano), foi indicação de minha colega, amiga e esposa Elisabete Brasil Roig, professora de Matemática em Rio Grande, RS, Brasil.
Trata-se de artista de rua, fantasiado de Bumblebee, um Transformer (um personagem da ficção científica, alienígena robô que se transforma em automóvel), que brinca com o imaginário, diante de quatro crianças, munido apenas de fantasia e um mecanismo de tração no braço direito, disfarçado de rodas.
Um material para refletir sobre o poder da imaginação, da criatividade, quando utilizado com crianças, jovens e adultos, e que os educadores - sejam pais ou professores - precisam conhecer e com ele estabelecer formas de interação.
Arte e cultura devem fazer parte da proposta didática de um educador, como tema transversal, como já são a educação ambiental, a informática etc. Cinema, música, esportes são recursos que podem ser incorporados ao fazer pedagógico do arte e mídia educador do século XXI, desde que de forma adequada, que faça sentido e proporcione significado ao conteúdo programático a ser ministrado em sala de aula, ou além dos muros da escola.
Há que se ultrapassar aquela questão da educação bancaria, do ensino mecânico, calcado apenas na memorização, e humanizar o processo de ensino-aprendizagem através da fantasia e da realidade, da arte e cultura que fazem parte do imaginário de crianças, jovens e adultos.
Como certa vez escrevi: "Há que se humanizar as máquinas e não apenas robotizar as pessoas". Transformar a educação com práticas simples, mas inovadoras. Não apenas a utilização de novidades. Afinal, nem sempre a novidade significa algo de fato inovador.
Até as máquinas (caixas eletrônicos, telemarketing, etc) são às vezes mais cordiais em sua artificialidade digital do que alguns humanos robotizados em sua superficialidade sem igual. Não sei se um dia as máquinas dominarão o mundo como em filmes de ficção, mas que muitos humanos parecem robotizados, isso sim, é real. E gestos cordiais de "Bom dia!", "Boa noite!" cada vez mais ficando restritos a apresentadores de telejornal. Daí o papel social de pais e professores, não em transformar filhos e alunos em robôs, mas em pessoas "humanas", apesar da redundância da expressão. E as tecnologias, tão criticadas, muitas vezes podem ser uma ótima aliada como no vídeo em questão que une arte, cultura, divertimento e que pode ser um pequeno exemplo de possibilidade educacional, sujeita a adaptação.
Como bem escreve Fernanda Orlandin em seu blog:

"Quando abrimos nossa mente nos libertamos da certeza. As coisas não são mais dadas como prontas, você acredita no que você quer e não ao que é condicionado. Percebe então, que quando se liberta um pedaço de você fica para trás. E você só se dá conta disso quando tem novos prazeres, quando descobre que a mudança não muda somente você, muda também seu meio e sua rota. Quem sabe, a única certeza que podemos ter é a dúvida. Não sabemos quem somos, porém chegamos perto disso quando nos encontramos, quando somos nós mesmos e fazemos o que realmente gostamos."

Se, de fato, a única certeza que temos na vida é a dúvida - que as certezas são sempre provisórias e as dúvidas permanentes -, como bem disse Paulo Freire: "Educar é ter a certeza do inacabamento", pois se não somos seres como os Transformers (robôs que se transformam em carros, aviões, etc), somos humanos em constante transformação. E a educação e a tecnologia podem ser grandes aliadas neste processo Transformador.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Ciranda Literária e o Sentimento do Mundo





Fotos 1, 2 e 3: Parque infantil da Praça Tamandaré em Rio Grande, RS, Brasil.



Fotos 4, 5 e 6: Praça em frente Igreja Matriz de São José do Norte, RS, Brasil.



Fotos 7, 8 e 9: Lancha El-Shaday que faz travessia entre São José do Norte e Rio Grande, RS, Brasil.



Fotos 10, 11 e 12: Próximo a Ponte Mauá em Jaguarão, RS, Brasil.



Fotos: 13, 14 e 15: Próximo a Ponte Mauá em Rio Branco, Uruguai.

As imagens acima são fotografias do projeto CIRANDA LITERÁRIA, uma iniciativa que começou de forma individual em 2012 por seu autor o educador, escritor e poeta José Antonio Klaes Roig, editor do blog Educa Tube Brasil, colocando de forma anônima livros em praças com uma mensagem pedindo apenas que o leitor socializasse aquele livro, após sua leitura.
Neste 2014 (18/12), acompanhado de seu filho Allan (9 anos), colocaram livros, primeiro no banco do Parque Infantil da Praça Tamandaré, em Rio Grande, RS, conforme fotos 1 a 3.
Ao compartilhar fotos e ideia no Facebook, eis que a colega e amiga professora, escritora e poeta Rita Germano adere de imediato à ideia e ao ideal e de conversas com ela, José Roig sugere o nome de Ciranda Literária, justamente pelo fato que o objetivo principal da ação que torna-se então um projeto literário não apenas distribuir livros de forma gratuita, mas de fazer circular, cirandar ideias e ideais.
Com a adesão voluntária da professora Rita, que passa também a distribuir livros, acontece o que o Educa Tube já tinha em 2012 mostrado através de postagem intitulada (vide link abaixo) do fenômeno de O primeiro seguidor e o efeito que causa isso na rede social, criando a partir disso uma ampliação da própria ação inicial. Sem o primeiro seguidor, o autor original é apenas um "maluco da aldeia" agindo de forma isolada. Com a adesão deste seguidor surge o embrião de uma rede social, neste caso, literária, girando em forma de ciranda de livros, e logo outros mais vão se associando a ação de forma expotânea:

O PRIMEIRO SEGUIDOR E A REDE SOCIAL

Em um segundo momento e no segundo dia (19/12/2014), José Roig e o filho distribuíram livros na cidade vizinha de São José do Norte, RS, Brasil, colocando-os nos bancos da Praça diante da Igreja Matriz (fotos 4 a 6), e no retorno a Rio Grande, deixou mais livros no banco da lancha que faz a travessia entre os dois municípios (fotos 7 a 9).
No terceiro dia, e na terceira cidade, em viagem de turismo a Jaguarão, foi colocado um livro próximo a Ponte Mauá (fotos 10 a 12) que liga esta cidade brasileira a Rio Branco, no Uruguai (fotos 13 a 15), e a ação literária passa a ter caráter internacional, já que ao atravessar para o Uruguai, pai e filho depositam também um livro do lado dos hermanos uruguaios. E mais surpreendente ainda, ao encontrar no exterior amigos brasileiros e uruguaios que já acompanhavam esta Ciranda Literária, via Facebook. Nas próximas viagens a outras cidades, José Roig continuará sua distribuição de livros, cirandeando :-))
O editor deste blog agradece a amiga Rita Germano por ter sido a primeira seguidora, por ter apoiado e divulgado através de sua rede social e ter aderido em coautoria ao projeto, que não ficará apenas na fase de distribuição de livros em locais públicos, contendo em sua primeira página um convite ao leitor que após leitura coloque em circulação o mesmo. José Roig e Rita Germano combinaram pra 2015 uma ação coletiva envolvendo escolas, professores, alunos e quiçá seus pais, noutra ciranda literária e social. :-))
Durante estas atividades, diversos amigos informaram a José Roig fazerem atividades semelhantes de distribuição de livros em locais públicos, como praças, parques, bancos de metrôs etc, algo que remete ao belo poema/livro Sentimento do Mundo, de Carlos Drummond de Andrade (vídeo abaixo), da descoberta de que pessoas em locais distantes sem conhecer a ação uns dos outros fazem gestos parecidos por conta de ideais comuns uns aos outros. Neste Caso, o amor à arte, cultura e, em especial, aos livros e à literatura:



E como sempre digo aos amigos que compartilham comigo suas descobertas e apoiam minhas ações: "Que a poesia dos dias nunca nos desampare", principalmente quando temos este Sentimento do Mundo, não de querer ser o melhor mas fazer o nosso melhor sempre. E que esta ciranda literária continue cirandando livros entre amigos e ilustres desconhecidos. :-))

Observação do Educa Tube Brasil:

No Dia Nacional da Poesia, 14/03/2015, o Jornal Agora, de Rio Grande, RS, Brasil, destacou iniciativa da colega e amiga Rita Germano, professora de língua portuguesa e parceira do projeto Ciranda Literária, que o adaptou à realidade escolar, desenvolvendo com seus alunos, conforme link para notícia que foi capa do referido jornal, logo abaixo:

Estudantes compartilham cultura deixando livros em locais públicos

domingo, 21 de dezembro de 2014

"A poesia da vida" é mais importante que a felicidade, por Edgar Morin




O vídeo acima Edgar Morin - A poesia da vida, trata-se, como o próprio nome indica, de fragmento de fala do sociólogo e filósofo francês, feita ao evento Fronteiras do Pensamento, e que "reflete sobre a fragilidade e a complexidade da felicidade. Para ele, o grande segredo da vida é favorecer elementos que permitam uma vida poética, repleta de momentos de êxtase e de alegria".
Vídeo que me foi presenteado via Facebook pela colega e amiga Elis Zampieri, educadora de Curitibanos, SC, Brasil, e editora do blog Sobre Educação, com a seguinte nota: "Isso é você!". Algo que me motiva, tanto como educador, escritor e poeta, pois realmente sempre digo aos amigos que compartilham comigo seus sonhos e projetos de trabalho e estudos - que são extensões de seu projeto maior de vida: "Que a poesia dos dias nunca nos desampare".
E falando em alto e bom som sobre a poesia dos dias e o poder da imaginação, do senso crítico, da autocrítica, da criatividade e tudo mais, de projetos literários e educacionais que desenvolvo utilizando audiovisuais, propagandas, cenas de filmes, animações etc (como o Clipes que parecem Curtas, por exemplo), lembrei-me do fantástico videoclipe abaixo TC - Everything For A Reason (Tudo por uma razão, tradução livre do blog), que lembra-me muito estes versos de Clarice Lispector: "Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento".



Também falando em "entendimento", tanto em sentido restrito como amplo, muitas vezes filhos e alunos só passam a entender o que de fato seus professores e pais lhes disseram quando jovens, quando, enfim, lhes chega junto a maturidade... É um exercício de alteridade sempre se colocar no lugar do outro, me todo educador deveria antes de pré-julgar dar o benefício da dúvida a si mesmo, de tentar conhecer o mundo dos mais jovens, mostrando-lhes também o seu atual e de quando foi mais novo. Este diálogo entre gerações facilita todo tipo de interação.
Há que também saber discutir o uso adequado de telas e espelhos, sejam elas de TV, internet, computador, jogos etc. Mas para isso, todo educador deve conhecer as possibilidades de seus usos tecnológicos, pedagógicos e sociais.
O videoclipe acima possibilita diversas interpretações e mergulhos tecnológicos, históricos, pedagógicos, filosóficos, poéticos e sociais. Podemos ser como a menina Alice que atravessando espelhos ou telas encontrará do outro lado um mundo diverso do seu.
Quando telas envolvem crianças, há que se cuidar para que sereias de banheira não se transformem em tubarões de alto mar... Há que se esclarecer os cuidados e os riscos que se enfrentam ao entrar em algum habitat que desconhecido, lidando com pessoas que julgamos ser o que dizem que são...
Arte, psicologia, filosofia, pedagogia, tecnologia e sociedade, possuem múltiplas formas de interação.

Um belo material para ler, ver, ouvir, refletir e repartir com seu grupo, rede social.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Da tecnologia à magia, novo espetáculo do Cirque du Soleil une coreografia e drones




O incrível vídeo acima SPARKED: A Live Interaction Between Humans and Quadcopters (Despertou: a interação entre humanos e máquinas, tradução live do blog), descobri no portal CanalTech, em que o mesmo divulgava a junção de arte e tecnologia do famoso Cirque du Soleil (ou Circo do Sol, é companhia circense canadense, criada em 1984), que usa dez (10) drones controlados por controle remoto em novo curta-metragem inovador que surpreende pela fabulosa sintonia e sincronia de movimentos entre um humano e máquinas.
Mais incrível ainda é saber que Sparked não utilizou nenhum tipo de técnica de animação ou computação gráfica. É tudo comando eletrônico em tempo real em uma coreografia maravilhosa, espelhando-se nos movimentos do homem.
Para quem gosta de ver o truque por trás da magia, eis que o próprio Cirque du Soleil preparou um vídeo making off (em inglês), para demonstrar o processo de produção do referido, intitulado SPARKED: Behind the Technology, conforme abaixo:



Pensando na questão do drone e suas diversas possibilidades, algumas artísticas, como o do Circe du Soleil, outras ambientais e históricas como já mostradas neste blog, vejam links ao final desta postagem, há também futuras possibilidades educacionais, imagino, da utilização de drones para mapear áreas em torno da escola, de acompanhar saídas de campo de professores e alunos, atingindo locais de difícil aceso, registrando tudo isso em vídeo, promovendo diversas experiências e expedições coletivas unindo informação e conhecimento.
Além disso, há a possibilidade de uso científico que pode unir as demais utilizações como é o caso do Projeto Drone Científico com Tecnologia Nacional, que conheci através de contato via Twitter de eletronPi, e que se trata também de campanha de financiamento coletivo promovida via internet, no portal Kickante.
O objetivo do projeto é conseguir angariar a quantia de R$ 48 mil reais para sua efetivação, considerando ainda que "Todos os Drones de Monitoramento construídos neste projeto serão doados para instituições que possam usá-los de forma efetiva. Menos o primeiro que ficará com a gente para continuar a pesquisa".
Para saber mais dessa iniciativa veja o vídeo a seguir que trata-se de projeto de Drone para Monitoramento Ambiental:



Abaixo, links para postagens no Educa Tube Brasil sobe uso de drones em diversas áreas:

Imagens espetaculares de golfinhos e baleias, capturadas por drones no meio do oceano (educação, tecnologia e meio ambiente)

Cartões-postais de Pripyat, Chernobyl (educação, meio ambiente, música e fotografia)

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

O Destino está Perto: curta-metragem em stop-motion com brinquedos viajando via Google Maps Street View


Address Is Approximate from The Theory on Vimeo.


O genial e comovente vídeo de animação em stop-motion acima, "Address Is Approximate" ou "O Destino está Perto", descobri no Twitter, via portal Meia Seis e trata-se de "fantástico projeto pessoal de Tom Jenkins (do grupo The Theory)", em que o mesmo conta a história de "Brinquedos solitários, abandonados sobre a mesa [que] fogem dos limites escuros do escritório e fazem uma viagem usando um carrinho de brinquedo e o Google Maps Street View".
Uma ideia simples e ao mesmo tempo criativa, original, bem humorada e inspiradora. Sim, inspiradora, pois como educador, penso na possibilidade de um projeto didático e multidisciplinar, envolvendo professores de geografia, história, ciências, arte etc para uma pequena viagem de "brincadeira" com seus alunos, utilizando um computador, um acesso com a internet e uma proposta pedagógica de viajar pelos conteúdos educacionais e pelo mundo sem sair da escola e sem custos adicionais que não a criatividade e a compatibilidade entre as disciplinas e as viagens que podem ser feitas coletiva e virtualmente. Viagens que podem ser com foco ambiental, indo aonde é de difícil acesso ou de alto custo, como com foco histórico, artístico, científico, social etc.
O Google Maps Street View é um recurso tecnológico que pode e deve ser incorporado ao fazer pedagógico, desde que planejado de forma integrada entre professores e alunos, visando descobertas mútuas com baixo custo e amplo conhecimento.
Abaixo, link para o referido recurso tecnológico que pode ser usado como recursos pedagógico, turístico e social:

STREET VIEW - GOOGLE MAPS

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Meu Amigo Nietzsche: o pensamento filosófico e o poder da leitura




O vídeo acima Meu Amigo Nietzsche, curta-metragem de Fáuston Silva, descobri visitando o portal Obvious e mais precisamente, lendo o texto Nietzsche: uma dinamite na filosofia, de autoria de Edivan Santtos, colunista, poeta e escritor.
Trata-se, como o próprio Edivan salienta: "Um pequeno vídeo que merecia ser exibido em todas as escolas de nível fundamental maior e médio. Algo que reflete o pensamento de Nietzsche e o poder da leitura".
Um vídeo sensível que mostra a vida de um menino que é mudada radicalmente quando descobre um misterioso livro no lixão. Um rico material para professores, não somente de filosofia e sociologia, mas de história, arte, língua portuguesa discutirem o papel do livro, da leitura e da literatura e da própria filosofia na sociedade.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Isto vai revolucionar a educação… por Derek Alexander Muller




O vídeo acima This Will Revolutionize Education (Isto vai revolucionar a educação…) de Derek Alexander Muller, professor de física, descobri via Twitter de Jorge Borges, editor do blog TIC, Educação e Web .
Conforme apresentação do vídeo do prof. Derek Muller: "Muitas tecnologias já prometia revolucionar a educação, mas até agora ninguém tem conseguido. Com isso em mente, o que poderia revolucionar a educação?".
Para ele, cinema, televisão, livro didático, computador e as mais recentes tecnologias, todas já foram consideradas possibilidades de revolução, quando na verdade são apenas uma parte da evolução da ciência na educação, mas não necessariamente uma revolução. O que concordo, pois sua argumentação é fruto de observação e experimentação.
Como o Educa Tube sempre ressalta: Nem sempre o novo significa de fato inovação, e sim, mais a novidade e sua adaptação de uma metodologia de um meio pelo outro e nem sempre uma nova forma de educar diante de um meio novo. Tanto que o celular, o tablet e outros recursos que trazem em si os conceitos de portabilidade e mobilidade são utilizados muitas vezes nas escolas de forma fixa, com o se fossem desktops, computadores pessoais fixados à mesas de trabalho, numa sala tradicional.
De acordo com Derek: "Você pode imaginar, por exemplo, que o cinema deve ter parecido uma tecnologia revolucionária de aprendizagem. Depois de tudo o que fizeram revolucionando o entretenimento, não conseguiam fazer incursões significativas em sala de aula. TV e vídeo parecem ser uma mais barata, mas eles também não conseguiram fazer jus às expectativas. Agora, há um excesso de informações e vídeos na internet de modo que devemos esperar que revolucionar a educação?".
Na opinião de D. A. Muller: "A aprendizagem é inerentemente uma atividade social, motivada e incentivada por interações com os outros".
Influenciado pelo construtivismo, pode-se ler nas entrelinhas de sua fala aquele sentimento de Paulo Freire de que "Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo" e neste mundo cada vez mais informatizado, os multimeios podem ser sim, um grande aliado, além do tempo-espaço tradicionais, possibilitando novas formas de interação.

Observação: Ativem as legendas CC (closed caption) na barra inferior da janela do vídeo, ao lado do ícone do relógio.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Uma Família Humana, Comida Para Todos (animação e campanha humanitária)




O vídeo acima, One Human Family, Food for All (Uma Família Humana, Comida Para Todos), descobri na rede social e trata-se de belíssima animação, "baseada em uma história ancestral sobre a fome e partilha, este vídeo faz parte da campanha da Caritas e teve a direção de arte de EALLIN (produtora de vídeos).
Conforme o portal CONTI outra: arte e afins: "A 'alegoria das colheres longas' nos ensina que quando lutamos para alimentar apenas a nós mesmos, todo mundo passa fome. Mas quando nos concentramos na fome do nosso vizinho, descobrimos que há maneiras de alimentar a todos".
Como educadores, às vezes utilizamos colheres longas (seja livros didáticos, TIC, mídias e redes sociais) sem nos darmos conta que por meios transversais, multi e interdisciplinares, de forma cooperativa (com outros professores) ou colaborativa (mediando atividades entre alunos), podemos atingir objetivos que parecem inicialmente inalcançáveis.
Mais do que a alimentação, propriamente dita, a todos os seres humanos, motivo do vídeo e da campanha, há que se saber alimentar nossos filhos e alunos de sonhos e realidades, afinal, pertencemos todos a grande família da espécie humana.

.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Abismo Horizontal e Ecomídia Marinha (vídeos ambientais para download)




O vídeo acima, Abismo Horizontal, descobri via Facebook da professora Vera Márcia Torronteguy, de Rio Grande, RS, Brasil e trata-se de belo material sobre extensa faixa litorânea que conforme mostra no mapa, abrange o balneário do Cassino (Rio Grande), as praia do Albardão e Hermenegildo (Santa Vitória do Palmar) e Barra do Chuí (Chuí), situadas no extremo sul do Rio Grande do Sul, Brasil, com uma rica diversidade ambiental.
Praias que devido sua localização e características climáticas e geográficas já foram consideradas no passado, por conta de sua costa como do "Diabo", pela numerosa quantidade de naufrágios, um deles, o navio Altair, que passados mais de três décadas, continua em "exposição" ao ar livre e é ponto turístico do município de Rio Grande, RS.
E em função da temática, faço um link (logo abaixo) desta postagem a outra mais antiga, publicada aqui no Educa Tube Brasil, com dois documentários sobre a mesma região, intituladas Um Mar Quase Doce e Litoral Selvagem, que podem ser baixados gratuitamente na página do Programa ECOMÍDIA MARINHA, da Universidade Federal do Rio Grande - FURG.

ECOMÍDIA MARINHA: VÍDEOS AMBIENTAIS PARA DOWNLOAD GRATUITO

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Cartões-postais de Pripyat, Chernobyl (educação, meio ambiente, música e fotografia)




O vídeo acima “Postcards from Pripyat, Chernobyl” (Cartões-postais de Pripyat, Chernobyl), descobri via Pavablog e trata-se de incrível expedição do fotógrafo Danny Cooke, que usou um drone para voar e documentar as ruínas da cidade de Chernobyl, na região de Pripyat, na Ucrânia, "que em 1986 teve o maior desastre nuclear da história, com mais de 56 mortes diretas e mais de 4000 indiretas – consequências das partículas radioativas espalhadas no ar -, [e] estima-se que o prejuízo financeiro da 9antiga] União Soviética com o evento foi de 18 bilhões de rublos.
Segundo dados: "O local é considerado um grande polo de estudo para especialistas que buscam entender a relação entre a natureza e as partículas nucleares". Tanto a usina, como a cidade foram abandonadas, e hoje é uma região fantasma, mas que por incrível que parece o verde tomou conta de ruas e prédios, numa resposta do próprio meio à agressão sofrida.
Um grande paradoxo: apesar de cidade fantasma, o verde (sinônimo de vida) se espalha por toda região, e daqui um tempo, provavelmente engolirá todos os prédios do local, escondendo a participação humana por aquelas bandas largas.
A natureza se regenera, apesar da região ser considerada imprópria para a vida por muito tempo por conta da radioatividade.
Um belíssimo vídeo que nos faz refletir sobre as belezas e tristezas humanas, conscientizar sobre a importância da preservação do meio ambiente, como dado histórico a ser lembrado sempre, como aula de geografia, pelo uso do drone (artefato normalmente associado a área militar, por suas incursões em áreas de conflito, mas que pode ser utilizado de forma pacífica também) e de arte e cultura também.
O drone é um ótimo artefato tecnológico com diversas possibilidades de uso social e educacional, como as imagens acima bem demonstram, fazendo-nos atingir locais que seriam inóspitos, perigosos, inacessíveis ao olhar humano.
Enfim, um material que serve a diversas propostas artísticas, culturais, tecnológicas, pedagógicas e sociais.
E aproveitando a oportunidade, recomendo logo abaixo, o fabuloso videoclipe I Won't Let You Down (Eu não vou falhar com você), da banda Ok Go, em que tudo indica, foi filmado sem cortes, graças ao uso de um drone para fazer imagens impressionantes do alto, mostrando a sincronia entre integrantes da banda e outros bailarinos, usando guarda-chuvas coloridos que são utilizados para estabelecer uma incrível forma de linguagem e comunicação.



Para finalizar esta postagem, direto do túnel do tempo, um videoclipe de canção de mesmo nome I Won't Let You Down, de Ph. D., mostrando as possibilidades do You Tube como um canal de vídeos, mas tempo como uma pequena máquina do tempo, que nos permite associar diversos conteúdos e recursos de vídeo, que fazem parte de nosso memória sentimental e podem ser aproveitados em formações como professores ou alunos, desde mera dinâmica de grupo ou sensibilização para outras atividades nas diversas áreas do conhecimento:



segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Matemática em geral e Geometria, em especial: o verdadeiro segredo para a criação dos personagens das animações da Pixar




O vídeo acima Numberphile: Math and Moviers (Pixar) (com legendas em inglês), descobri através das redes sociais, conhecendo o portal TIC aliadas à Educação, do Professor Edigley Alexandre, do Rio Grande do Norte, Brasil, que é graduado em Matemática, e leciona Geometria, Matemática e Física e se diz interessado em compartilhar o conhecimento matemático interligado à Tecnologia da Informação e da Comunicação.
Em sua postagem Matemática: o verdadeiro segredo para a criação dos personagens da Pixar (clique no link ao lado), que o Educa Tube toma a liberdade de reproduzir parcialmente, logo abaixo, o professor Edigley demonstra que:

"Na época do lançamento de filmes e animações em DVDs, adorava assistir os extras para ver, além de outras curiosidades, a parte técnica por trás da criação de cenários, personagens e tudo que diz respeito a computação gráfica.
A lembrança mais recente que tenho é da primeira animação de A Era do Gelo. Uma grande geleira desprende-se e cai provocando uma onda gigante. Nos extras esta onda nada mais é do que um cilindro em rotação.
Neste post compartilho uma extraordinária aplicação da Matemática na criação dos personagens nas animações da Pixar Animation Studios (fundada por Edwin Catmull e Steve Jobs em 1986).
O verdadeiro segredo dessa magia aparentemente intangível da casa não está na arte, mas na ciência. Sem a matemática pura e dura, muitas das histórias não teriam sido contadas como as conhecemos agora.
Um novo vídeo (acima), protagonizado pelo físico-chefe na Pixar, Tony DeRose, no portal matemático Numberphile, revela tudo isso. A chave não está nos uns e zeros dos computadores da empresa, mas na geometria".


Abaixo, indico a postagem do jornal El País, da Espanha, intitulada Como a Pixar usa a matemática para criar personagens apaixonantes (clique neste link), também sugerida pelo professor Edigley e que sintetiza numa frase todo o poder da matemática e da tecnologia no cinema atual de animação: "Tão importante quanto os roteiros são as formas geométricas sob a pele dos personagens".
Vídeos e textos que servem não somente aos professores de matemática e de informática, mas a todo educador para demonstrar ao aluno a importância da informação gerando conhecimento e entretenimento. Algo que o educador do século XXI precisa melhor utilizar, unindo o útil ao agradável, a tecnologia à educação em seu fazer pedagógico, contextualizando não apenas a matemática que existe em toda parte, mas a história e a inteligência coletiva que fez os primatas desceram das árvores, caminharem eretos, inventarem o fogo, a roda, os utensílios, as ferramentas e toda a parafernália tecnológica até os dias de hoje.

domingo, 23 de novembro de 2014

Lila: A beleza está nos olhos de quem vê (cinema, educação e sociedade)


"LILA" from Carlos Lascano on Vimeo.


O vídeo acima Lila, de Carlos Lascano, descobri via redes sociais no portal Conti Outra, e é um fabuloso curta-metragem que, de fato, mostra que "a beleza está nos olhos de quem vê".
Curta que mescla cenas de uma jovem que observa o mundo ao redor e vê arte em toda parte, com cenas de animação em belíssimos efeitos visuais. A arte pode sim mudar o nosso mundo e influenciar quem compartilha dele, sejam filhos ou alunos, pais ou professores.
A magia dos sonhos acordados nos fazem despertar para a beleza das pequenas coisas da vida, que se nem sempre são coloridas, podem ser (re)desenhadas e (re)pintadas por nós...
Como bem destaca o portal Conti Outra: “Temos a arte para não morrer da verdade” (Friedrich Nietzsche).
Um belo material para discutir a importância da arte e da cultura na educação e na sociedade.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Expressão corporal, uma linguagem universal a ser refletida além de telas, vidros e espelhos




O vídeo acima, Girl Makes Dolphin Laugh (Menina faz golfinho sorrir, tradução livre deste blog), descobri via redes sociais e trata-se de curiosa e divertida ação de uma jovem humana que desperta com suas acrobacias a atenção de um outro mamífero, só que um golfinho dentro de um aquário gigante.
Mais do que acrobacia, o Educa Tube percebeu este vídeo como um pequeno exemplo de interação entre seres de espécies distintas do reino animal que estabelecem um interessante contato imediato, ainda que mediado pelo vidro do tal aquário, mas que permite refletir sobre o poder da expressão corporal como uma linguagem universal, e que muitos educadores já se apropriaram deste recursos como meio de sensibilização de um público em sala de aula ou em alguma atividade extracurricular.
Saber se expressar, não somente com os códigos escritos e de fala, mas com todo o corpo e alma é um talento natural para alguns, mas que requer exercício diário para outros.
Atualmente, mais do que nunca, o alunado parece um peixe no aquário, diante de telas, sejam de fones celulares, notebooks, televisores etc e saber despertar a atenção destes para o ensino formal é um desafio tão grande como o da menina acrobata. Mas como ela, há que ser autêntico, divertido, criativo, irreverente, para que seus gestos, mais do que sincronia possuam sintonia com o público alvo, sejam eles jovens mamíferos da espécie humana ou jovens mamíferos golfinho...
Conforme apresentação do referido vídeo, a jovem Bonnie Anna atua na FunDipped Productions, que é uma companhia de circo teatro baseada em Orlando, Flórida (EUA), dedicada à educação e ao mesmo tempo entreter todas as idades.
A arte, cultura, e acima de tudo, afetividade, criatividade, empatia são formas de encantamento, de motivação, mas ninguém sensibiliza o outro, nem a si mesmo, se não fizer algo com gosto, com vontade, sinceridade, sejamos professores de educação física, educadores ambientais ou qualquer atividade que exerçamos em sociedade.
A própria inclusão de TIC, mídias e redes sociais no ambiente escolar requer essa troca de saberes para que volume imenso - como um oceano profundo - de informação torne-se um mar navegável de conhecimento a todos. Do contrário, seremos eternos peixes fora d'água.
Eis algumas reflexões, além do vidro que separa a jovem do golfinho, que esta postagem traz aos visitantes do Educa Tube.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

“Sala de Estar dos Videogames”: Portal "Arquivo da Internet' libera cerca de 900 jogos de fliperama na web




Imagem acima, trata-se de notícia socializada pelo CANAL DO ENSINO a respeito de iniciativa do portal “Internet Archive” (Arquivo da Internet, ONG que preserva a memória da rede mundial de computadores, [que] liberou cerca de 900 jogos de arcade ou fliperama que foram sucesso entre as décadas de 1970 e 1990 para serem jogados no computador por meio dos navegadores (de preferência o Firefox).
Ainda conforme notícia: "Os jogos fazem parte de um dos esforços da entidade voltado à manutenção de games, chamado de “Sala de Estar dos Videogames”, criado em dezembro de 2013. Já eram oferecidos títulos para consoles clássicos como Ataria 2600, Atari 7800 ProSystem, ColecoVision, Magnavox Odyssey 2 e Astrocade.
Para disponibilizar games comuns em fliperamas, a Internet Archive criou uma nova categoria, a “The Internet Arcade”. Os games, como “Super Pac-Man”, “Golden Axe” e “Street Fighter II”, podem ser jogados no computador, graças a um trabalho de adaptação, que, porém, não é perfeito (Veja aqui)".

Uma iniciativa que serve também como diálogo entre gerações de pais e filhos, professores e alunos sobre o imaginário de cada geração a partir desta "Sala de Estar dos Videogames", que pode proporcionar essa interação entre jovens e adultos.
Segundo Jason Scott, que integra o projeto JS MESS, há a intenção de "disponibilizar na internet emulações de todos os sistemas já criados, para que sejam executados por qualquer navegador. Já foram alvo do trabalho desse grupo os sistemas de consoles como Master System II, Neo Geo, Nintendo GameBoy, além do sistemas de computadores da Apple, Ataria, Comodore e Tandy.
Para Scott, algumas pessoas vão jogar títulos pela nostalgia, outras tentarão games dos quais nunca ouviram falar. 'Minha esperança é que um punhado, uma pequena porcentagem, começará a construir formas de usar esse material em pesquisa, em textos e remixando esses velhos games para entender seus contextos'".

Abaixo, link para visitar o referido portal de jogos:

ARQUIVO DA INTERNET - VIDEOGAMES

sábado, 18 de outubro de 2014

WhatsApp: Colégio usa aplicativo para se comunicar com pais de alunos e Projeto o utiliza para contar histórias a crianças




O vídeo acima Colégio usa WhatsApp para se comunicar com pais de alunos, descobri no Twitter do Olhar Digital e como o próprio nome indica, trata-se de iniciativa "Para aumentar a participação dos pais no processo de aprendizagem dos filhos e oferecer mais segurança, [em que] algumas escolas passaram a adotar ferramentas tecnológicas já bastante conhecidas do nosso dia a dia. Neste colégio, em São Paulo, os telefonemas e reuniões presenciais deixaram de ser o principal canal de comunicação entre pais e mestres".
O WhatsApp é um aplicativo "de mensagens multiplataforma que permite trocar mensagens pelo celular sem pagar por SMS. Está disponível para smartphones iPhone, BlackBerry, Windows Phone, Android e Nokia".
Pesquisando nos vídeos correlatos do portal do programa OLHAR DIGITAL, encontrei este interessante Projeto usa WhatsApp para contar histórias a crianças (abaixo):



Como disse Pedro Penteado, publicitário, usar algo individual (o celular e seu aplicativo) de forma colaborativa. Bela, simples e criativa iniciativa educacional, tecnológica e social. Educação, tecnologia, sociedade e solidariedade.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Jogos para a educação infantil e anos iniciais




A imagem acima é do portal Educação Infantil que reúne jogos educativos online para a educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental, divididos em categorias como Alfabeto, Coordenação Motora, Datas Comemorativas, entre outras atividades e possibilidades, descobri visitando o blog Oficina de Educação, da colega e amiga Gládis Leal Santos, educadora de Joinville, SC, Brasil.
Abaixo, link para o portal educacional:

JOGOS EDUCAÇÃO INFANTIL

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Sapato de moedas: animação de inestimável valor




O incrível vídeo acima Sapato de Moedas, descobri nas redes sociais e mais do que uma divertida animação em stop-motion brincando com o imaginário feminino - que é o gosto pelos sapatos - é um vídeo que serve para discutirmos criatividade, criticidade, arte, cultura e sociedade etc.; quando são reunidas dezenas de moedas com um resultado surpreendente.
Algo que serve para pensar a possibilidade de criação de outras animações deste tipo, em parceria entre professores e educadores, utilizando outros materiais.

sábado, 11 de outubro de 2014

O Castelo Mágico (oficina de criação literária com alunos de pré-escola)




O vídeo acima, O Castelo Mágico, trata-se uma História de fadas, resultado de oficina de Lego Poema com os pequenos escritores da pré-escola, turma da professora Daniele Medeiros, da EEEF Adelaide Alvim, Rio Grande, RS, Brasil, ministrada pelo educador José Antonio Klaes Roig (editor do Educa Tube Brasil), no dia 06/10/2014, durante I Feira do Livro da escola, utilizando de peças coloridas de montar (para mostrar como se formam palavras, frases e contos), livros infantis (pedindo que alunos selecionassem uma palavra ou imagem) e de slides da história “O menino que queria voar”, escrita por ele e ilustrada por seu filho Allan, em 2013.
Com estas palavras soltas no quadro verde da escola, em parceria com a prof. Dani, usando editor de texto e datashow fomos organizando-as em grupos, depois em frases de uma pequena narrativa infantil que tornou-se “O castelo mágico”.
Posteriormente, a professora Daniele aceitou o desafio deste educador de as crianças ilustrarem a própria história, reunindo texto e imagens no livro acima.
Um presente que este educador, escritor e poeta recebeu dos alunos e professores da EEEF Adelaide Alvim, quando da abertura da I Feira do Livro, do qual é patrono, no dia 10/10/2014 e que tem um valor profissional e sentimental incalculáveis. E que é uma ótima postagem para o Dia das Crianças. :-))

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Câmera colocada em camelo faz mapeamento de deserto pelo Google Street View




O vídeo acima, Explore Liwa with Google Maps - Google , descobri no Twitter, via Revista Superinteressante e trata-se de exploração pelo Google Street View (que é o mapeamento do Google Maps em 3 dimensões) de deserto nos Emirados Árabes Unidos, próximo ao Oásis de Liwa, um sítio agrícola de Al Gharbia (Região Oeste).
Conforme dados: "A câmera do Google foi carregada pelo camelo Raffia, de 10 anos, que passou um dia inteiro percorrendo o local".
O resultado pode ser visto no link abaixo:

Explore o deserto de Liwa com o Google Mapas

Pensando como educador, sem toda a sofisticação tecnológica do Google Maps, bem que os professores de uma escola poderia mapear o entorno da mesma com fotos e vídeos de seus alunos, capturados por câmeras fotográficas,m telefones celulares, tablets etc e montar depois uma exposição sobe este múltiplo olhar dos alunos sobre sua comunidade.
Mais que isso, todo bom educador deveria mapear o espaço de seu alunado, seja por fotografias e/ou entrevistas, para com essa base de dados pensar estratégias de interação educacional.
Abaixo, link para outras expedições de mapeamento do Google na Amazônia:

O Google Maps vai à Amazônia

domingo, 5 de outubro de 2014

A geometria da natureza: Vídeo em time-lapse mostra a formação de flocos de neve




O belíssimo vídeo acima, Snowtime (Tempo de neve), encontrei nas redes sociais, via portal Somente Coisas Legais e foi gravado pela técnica do time-lapse (processo cinematográfico em que a frequência de cada fotograma ou quadro - frame - por segundo de filme é muito menor do que aquela em que o filme será reproduzido. Quando visto a uma velocidade normal, o tempo parece correr mais depressa e assim parece saltar - lapsing).
Vídeo "gravado com ajuda de microscópio por Vyacheslav Ivanov" e que mostra o processo de cristalização de flocos de neve e toda sua beleza geométrica, que ocorre a todo instante na natureza.
Vendo este vídeo lembrei-me doutro vídeo que trabalha com questões matemáticas e geométricas, logo abaixo:

A NATUREZA DOS NÚMEROS

sábado, 4 de outubro de 2014

A Sinfonia do Gol: pentagrama musical diferenciado unindo arte e matemática




O vídeo acima, The Goal Symphony (A Sinfonia do Gol), descobri no portal Hypeness e trata-se de criativo projeto do grupo JWT (formado por Raphael Taira, Caio Lekecinskas e Flavio Bernardes de Paula) que une ilustração, animação, música e matemática em um resultado surpreendente, pois transforma em "pentagrama musical diferenciado" a movimentação dos jogadores durante a jogada de futebol que terminou em gol, durante a Copa do Mundo no Brasil, em 2014.
No vídeo acima é "musicada" a jogada que levou ao gol do jogador Neymar, do Brasil, contra Croácia (3 x 1 ), na abertura da Copa do Mundo.
Foram criadas músicas para os gols considerados os mais bonitos e os jogadores tornaram-se notas musicais, e a combinação destas notas e sua movimentação em campo, geraram uma pequena sinfonia.
Uma criativa e original ideia com um resultado que une diversas formas de arte e cultura aliadas à educação musical e matemática. Um exemplo cristalino da interdisciplinaridade que pode inspirar a educadores e ser adaptada a projetos educacionais.
Para ver e ouvir outros gols desta curiosa sinfonia, basta clicar no link abaixo:

THE GOAL SYMPHONY

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Construa uma Escola na Nuvem: O Desafio de Sugata Mitra




O vídeo acima Construa uma Escola na Nuvem, descobri nas redes sociais e trata-se de apresentação ao TED 2013 do pesquisador educacional Sugata Mitra, reconhecido mundialmente por conta de seu projeto Buraco no Muro, em que colocou um computador com internet entre o muro que separava a empresa em que trabalhava e uma das maiores favelas de Nova Deli, Índia, observando os resultados da interação de crianças com equipamento e língua (inglesa) que desconheciam. Uma metodologia que Mitra denominou de Ambientes de Aprendizado Auto-Organizáveis (AAAO) em que as crianças são convidadas ao desafio de aprenderem sozinhas - sem o auxílio direto de um professor - mas interagindo uns com os outros, ensinando e aprendendo de forma coletiva.
No vídeo em questão, mais que uma proposta, trata-se de um desafio que Mitra pede ao público: "ajudem-me a projetar a Escola na Nuvem, um laboratório de ensino na Índia, onde crianças podem explorar e aprender umas com as outras - usando recursos e monitoria da nuvem".
Sua fala inicia com um questionamento essencial neste século XXI: "Qual o futuro da aprendizagem?" E em seguida rememora a história da educação e da escola, considerando a primeira como a grande máquina administrativa burocrática criada pelo império britânico, 330 anos atrás e que ainda continua atual e imutável sob diversos aspectos, dentre eles, de que a escola continua sendo a máquina feita para produzir pessoas para a outra máquina, uma engrenagem social, que me lembrou o documentário Escolarizando o mundo: o último fardo do homem branco.
Mitra, em sua fala, declara algo que todos sabemos: a está escola obsoleta e sistema de ensino desatualizado. Espaço e tempo escolar do século XXI ainda tenta reproduzir espaço e tempo do século XIX e as TIC, ainda, penso eu, são vistas como ferramentas de repetição, mecanismos de robotização e nem tanto de criação. Prova disso está na assertiva de Sugata de que é preciso "saber ler com discernimento", pois do livro impreso ao e-book, ainda falta ler e interpretar um texto - independente do veículo em que está expresso - de forma clara, o que nem sempre ocorre, haja a vista as falsas polêmicas que ocorrem no cotidiano, fruto de leituras rasas sobre temas complexos.
Há de fato que a "educação preparar pessoas para um mundo que ainda não existe, para trabalhos que ainda não foram inventados" e equipamentos que ainda são ficção científica. E para isso, o sistema de ensino, a escola, os gestores públicos e escolares, os professores e a comunidade escolar precisam dialogar, conhecer uns aos outros, sem o qual será impossível estes desafios serem superados.
Pensar a escola na nuvem, perdoem-me o trocadilho, mas parece algo ainda nebuloso para boa parte dos educadores que ainda resistem a utilizar as TIC - Tecnologias da Informação e da Educação de forma pedagógica e não apenas recreativa em seu fazer pedagógico.
Mas a ideia que Sugata Mitra, a partir de suas experiências, nos brinda é de que ocorre "o aprendizado como o produto da auto-organização educacional" também, quando crianças e jovens, e também adultos são desafiados a tarefas em grupo, utilizando o que alguns denominam de "inteligência coletiva" que é essa soma de saberes que se organizam através de trocas de informações que gerem conhecimento mútuo. Algo extremamente relevante em um modelo civilizatório, ás vezes excludente, individualizante e consumista.
Há que se ter, apesar disso, o incentivo do professor para que esse processo seja acompanhado, como o próprio Mitra o fez, para que possa ser avaliado e dado continuidade... Afinal, já dizia Paulo Freire: "Ninguém nasce feito, é experimentando-nos no mundo que nós nos fazemos" e conforme texto atribuído ao escritor José Saramago: "Sabemos muito mais do que julgamos, podemos muito mais do que imaginamos".
Construir uma Escola na Nuvem é um dos grandes desafios da educação do século XXI, a medida que possibilita uma interação ampla, além do espaço e tempo tradicionais, permitindo que o professor crie pastas e material pedagógico para ser utilizado extraclasse e extracurricularmente em proveito de todos, estimulando estas trocas de saberes entre alunos, professores, escola e comunidade escolar. Imaginem disponibilizar vídeos e áudios, imagens e textos e tudo mais, produzido no ambiente escolar e fora dele, não apenas aos alunos, mas a outros professores da escola e inclusive aos pais e/ou responsáveis pelos alunos, que poderão não apenas acompanhar o processo de desenvolvimento escolar do aluno, como faz parte deste processo de escolarização além da própria escola, no ambiente familiar. Algo desafiador e inspirador, que Sugata Mitra nos convida a construir coletivamente, mundo afora.

Observação: Ativem legendas na barra inferior esquerda da janela do vídeo acima.

sábado, 27 de setembro de 2014

Câmera escondida na Autoescola – Direção Agressiva (Viver seguro no trânsito)




O vídeo acima Câmera escondida na Autoescola – Direção Agressiva, trata-se de campanha do portal Viver Seguro no Trânsito, que aproveitou o tema da Semana Nacional do Trânsito 2014 - Cidade para as pessoas: Proteção e Prioridade ao Pedestre e fez um teste com futuros motoristas.
Interessante a reação de pessoas que estão aprendendo a dirigir, diante das atitudes de um instrutor que quer ensiná-las a fazer coisas absurdas ao volante. Situações que usualmente o mau motorista faz no cotidiano.
Mesmo assim, sem saber que estavam sendo filmados, os aprendizes demonstram a sua inconformidade com o que esta sendo pedido. Assim acontece na vida escolar, quando o aprendiz percebe que o mau educador ou explica algo errado, ou demonstra inaptidão para a disciplina ou conteúdos ministrados.
Segundo dados da apresentação do vídeo no You Tube: "nosso trânsito é um dos mais violentos do mundo, fazendo em média 150 vítimas fatais todos os dias".
Abaixo, outro vídeo cujo tema é a segurança no trânsito, intitulado A última mensagem para Pedro, uma campanha sobre o risco do uso de celular no trânsito. Material feito para a Disciplina de processos psicológicos básicos, disciplina Psicologia UFSM, RS, Brasil:



quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A semente do nosso futuro: Pais colocam sementes em cápsula do tempo para serem plantadas pelos filhos no futuro




O vídeo acima A semente do nosso futuro, descobri no portal Hypeness e trata-se de iniciativa de empresa de tratores de homenagear o Dia dos Pais, a partir de uma ideia simples e ao mesmo tempo universal e atemporal: "Pais colocam sementes em cápsula do tempo para serem plantadas pelos filhos no futuro".
Como bem destaca o Hypeness: "A vida é o resultado de nossas escolhas e essa é uma metáfora perfeita do plantio. Viver é semear diariamente, e cada uma dessas sementes resulta em algum fruto no futuro. Talvez o maior exemplo disso seja a relação que temos com os nossos pais. Escolher ter um filho é plantar uma semente no mundo. É preciso muito cuidado, carinho, proteção, e atenção para que ela sobreviva às adversidades da vida e consiga gerar excelentes frutos. Não é um trabalho fácil. Por isso, homenagear os pais nunca é demais".
A empresa, segundo dados, "viajou pelo país atrás de histórias de pais que estão realizando o rito de passagem de suas propriedades para os filhos. Além de gravar as histórias das famílias em um mini-documentário emocionante, eles coletaram as melhores sementes da safra atual de cada propriedade. Eles então enviaram estas sementes para um laboratório, passando elas por um processo que garante que elas durem por muito tempo. Depois disso, as sementes ganharam cápsulas especiais, e foram entregues aos pais, para que eles pudessem presentear seus filhos, simbolizando a continuidade da vida".
De fato, algo que remete à educação enquanto sentido mais amplo de pais com filhos, professores com alunos, em que cada qual passa à geração futura parte de sua herança de vida... Ou como dizia um radialista de uma rádio do interior, quando o editor deste blog era menino: "Da vida se leva a vida que se leva".
Os filhos e os alunos são a semente que plantamos no presente, e o nosso presente poderá ser o futuro deles, plantado agora para ser colhido um dia.
Que tal, educadores - sejam pais ou professores - reunirem numa cápsula do tempo - como faço com meu filho - seus trabalhos, fotos, e outras coisas para ao final de cada ano rever e refletir sobre essa plantação de sonhos e projetos, para futura colheita de resultados positivos?
Os professores de história poderiam falar sobre outras cápsulas do tempo, através de fotos e jornais antigos, de uma biblioteca escolar, uma visita a um museu, digital ou não, etc.
O editor deste blog tem uma pasta - que breve será uma caixa - com desenhos, cartões, mensagens e outras coisas que seu filho lhe presenteia - como uma cápsula do tempo - para um dia, quando este for adulto fazer o mesmo com seu herdeiro. :-)) Os valores e limites que passamos aos filhos e alunos são nossa melhor semente, que um dia darão bons frutos...

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Comovente exercício de alteridade: Pais também engravidam




O vídeo acima, Huggies: Dad's pregnant too (Pais também engravidam), descobri no Pavablog e trata-se de campanha de empresa de produtos higiênicos para bebês, produzido pela filial da Argentina para o Dia dos Pais do ano passado.
Como destaca o blog: "A ação permitiu que os pais sentissem fisicamente em suas barrigas o mesmo que as mães, quando o bebê chuta ainda dentro do útero. Isso só foi possível graças a um cinto que reproduz em tempo real as sensações causadas pelos movimentos do bebê, oferecendo uma experiência inesquecível aos emocionados participantes. A criação foi da agência Ogilvy & Mather".
Uma bela iniciativa que envolve publicidade, tecnologia, educação e sociedade, e que é para o Educa Tbe Brasil um belíssimo exercício de alteridade (de se colocar no lugar do outro). Somente passando pelas sensações que o outro passa - no caso, uma mãe - é que alguém pode dar-se conta daquela realidade. É comovente ver a emoção de pais sentindo os movimentos do filho, como se estivessem dentro de si, algo único e só sentido em sua plenitude por uma mãe. Mas pais de fato engravidam quando gravitam em torno da barriga de uma mãe, acompanhando a maternidade de ambos. :-))
Assim deveriam ser pais e filhos, professores e alunos, também, colocando-se vez em quando, um no lugar do outro, conhecendo a realidade de cada um. Muitos dos problemas de relacionamento e choques de geração poderiam ser evitados com uma simples expedição ao mundo de outrem, além do próprio umbigo.
Um belo vídeo que se presta a diversas reflexões.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

"O que você está pensando?" : Vídeo mostra como a felicidade “editada” das redes sociais não é real




O vídeo acima What's on your mind? (O que você está pensando?), descobri no portal Hypness e "mostra como a felicidade 'editada' das redes sociais não é real".
Um material para refletir sobre o cotidiano digital e real, em que pessoas cada vez mais compartilham fotos, imagens, vídeos mas nem sempre se relacionam de fato uns com os outros. Algo que nos propõe a pensar se de fato a felicidade é tão maravilhosa como mostrada em perfis de redes sociais. Se é preciso viajar, se expor tanto para se sentir feliz...
O título do vídeo de Shaun Higton é uma alusão à frase do Facebook e questiona este conceito do que é ser feliz.
Como educador - pai e professor -, além de editor deste blog, penso que em matéria de felicidade e realização pessoal e profissional, os verdadeiros projetos de vida e de trabalho eficientes e sustentáveis são os mais simples, que permitem justamente a continuidade, seja no ambiente escolar, familiar, social. Coisa que fazemos por que gostamos, que permitem as trocas de experiências com amigos e colegas seja online ou off, seja em tempo real ou armazenado em blogs e perfis de redes sociais.
A realidade é que, em contraponto, existe muito projeto educacional interessante que é pouco divulgado, curtido e compartilhado, pois seus autores acham se tratar de algo simples que todos fazem. Ou que divulgando-os serão taxados de exibicionista. Tudo depende de bom senso. Mas é justamente essa simplicidade que poderá incentivar outros professores e alunos mundo afora, adaptando ideias interessantes feitas numa comunidade para uma outra realidade local.
Ser feliz é acima de tudo fazer algo simples, eficiente e que possibilita a aprendizagem mútua. E, evidentemente, quando compartilhado em rede, que seja feito com bom senso, autocrítica e autorização de terceiros envolvidos.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

HQ digital feita com 14 telas de equipamentos eletrônicos em sincronia e mobilidade




O vídeo acima, que descobri via Twitter da amiga Elenara Stein Leitão a partir de postagem do portal do Rodrigo Toledo, e que trata-se de clipe da música Knock Knock (algo como onomatopeia para uma batida numa porta), da banda ucraniana Brunettes Shoot Blondes, que utilizou 14 telas de equipamentos eletrônicos (6 iPhones, 4 iPads, 1 iPod e 3 MacBooks) para contar uma espécie de criativa e original HQ (história em quadrinhos) digital, que ocorre em sequência de uma tela para outra, demonstrando total sintonia, sincronia, convergência e mobilidade entre os aparelhos e os seus usuários.
Algo que une arte (curta-metragem, música, cinema) com tecnologia de ponta.
Um exemplo das inúmeras possibilidades de comunicação, interação e criação que tablets, iphones, ipads, notebooks e outros equipamentos eletrônicos podem proporcionar, não apenas na arte, mas na educação e na sociedade, se educadores - pais e/ou professores - possibilitarem que conceitos como mobilidade, portabilidade, convergência, interação, multifuncionalidade, multifocalidade e outros deixem de ser apenas focados em maquinários e passam a ser utilizados - além de teorias progressistas pra práticas conservadoras - junto com usuários, em especial, os alunos, permitindo que tais equipamentos - na maioria proibidos ou usados de forma recreativa no ambiente escolar e familiar possam ser pensados de forma artística, cultural, educativa e social.
Existem outras tantas possibilidades de utilização de inúmeras funções de smartphones, tablets, notebooks etc serem usados na educação, de forma instrutiva, e basta fazer uma pesquisa no mundo virtual para achar preciosidades como este vídeos e outros mais.
No vídeo e na reportagem não existe menção das técnicas utilizadas, mas pode-se notar que a animação foi feita em partes, cada uma disponibilizada em um equipamento (tela) para serem sincronizadas e utilizadas numa sequência pré-estabelecida. Uma narrativa visual sem diálogos que bem poderia ter sido feita em stop-motion, via apresentação de slides, depois gravada como arquivo de vídeo e baixada para os equipamentos.
Independente da maneira como foi feito e de quais softwares e recursos utilizados, o que mais importa neste vídeo é o conceito de mobilidade e convergência entre pessoas e suas telas.

domingo, 21 de setembro de 2014

#PensadoresTIC - Martha Gabriel fala sobre o papel do novo professor e o uso das TIC na educação




O vídeo acima #PensadoresTIC, trata-se de fala de Martha Gabriel, "pesquisadora brasileira - considerada uma das 100 maiores especialistas em tecnologia no mundo - que fala sobre o papel do novo professor e o uso das TIC na educação; e discute com exclusividade para o Instituto Claro o novo papel de professores e alunos em um mundo em que real e virtual estão cada vez mais interligados. Ela defende ideias centrais, como a de cibridismo, e afirma que os problemas que ainda enfrentamos de infraestrutura (como o acesso à banda larga longe do ideal) não podem impedir os avanços".
Para saber mais sobre o tema, leia a reportagem completa na série #PensadoresTIC, no link abaixo, e conheça conceitos como cibridismo (corpo virtual), professor digital e mediador do conhecimento:

#PensadoresTIC - Instituto Claro

De fato, o professor do século XXI precisa estar mais conectado ao mundo do aluno, seja de forma digital ou não. Requer que conheça certos recursos, experimentando-os sozinho, com outros colegas e, principalmente, com os alunos, para ver possibilidades pedagógicos para equipamentos tecnológicos. Enfim, para ensinar em tempos de TIC,m requer antes aprender as potencialidades das Tecnologias da Informação e da Comunicação no espaço escolar, pensando a educação além da sala de aula (via redes sociais digitais) e além do tempo e espaço escolares convencionais. O termo conectividade e mobilidades associados apenas aos equipamentos e não às pessoas envolvidas num ambiente de ensino-aprendizagem torna-se paradoxal, pois pessoas mais do que máquinas é que precisam ter esta mobilidade além do espaço físico tradicional - fazendo pequenos "tours" pelo entorno da escola - e conectando-se num sentido educacional e social, não apenas tecnológico. De nada adianta utilizar notebooks, tablets, telefones celulares na escola, se não houver uma conectividade do ponto de vista afetivo e educativo.
Eis o grande desafio da educação neste século: tornar realidade esta virtualidade. Promover a convergência não só de equipamentos mas de pessoas.
Se é uma geração audiovisual que lida diariamente, via celular e internet como vídeos, clipes, filmes, músicas, dança, esportes, games que são linguagens visuais, corporais etc, cabe ao professor tornar-se um arte educador e um mídia educador, incorporando ao seu fazer pedagógico recursos tecnológicos que seus filhos e alunos utilizam mais de forma recreativa, nem sempre educativa, tornando o lazer em aprendizagem e ensino mútuos, à medida que aluno e professor interajam como piloto e navegador em uma prova de conhecimento, como uma corrida de rally, em que quem dirige o veículo é o jovem alunado, mas quem orienta e conduz essa navegação é o professor. Mais que uma metáfora, um dilema e um desafio a serem ultrapassados para que todos sejam vencedores.

sábado, 20 de setembro de 2014

Uma lição de vida para quem costuma rir da desgraça alheia




O vídeo acima, Star Spangled Banner (Hino dos EUA), descobri nas redes sociais e trata-se de comovente gesto de apoio de um treinador à menina cantora, salvando-a das vaias de um ginásio lotado! Realmente, "Uma lição para quem costuma rir da desgraça alheia".
Conforme dados do portal Administradores:

"O fato ocorreu em 2003, quando a menina Natalie Gilbert, na época com 13 anos, foi selecionada para cantar o hino nacional dos Estados Unidos na abertura de um jogo da NBA, após vencer um concurso de calouros. Nos primeiros versos, a menina deu provas suficientes de que era uma ótima cantora. Mas, em um determinado momento, o nervosismo falou mais alto e ela esqueceu a letra.
Com o primeiro sinal de falha, a plateia reagiu instantaneamente, num misto de aplausos e vaias. A menina, então, desistiu de cantar e levou as mãos ao rosto. Foi quando apareceu ao seu lado Maurice "Mo" Cheeks, técnico dos Portland Trail Blazers. O treinador saiu do banco de seu time e foi até Natalie, para ajudá-la a cantar.
Maurice ficou ao lado da menina até o final da execução do hino, cantando com ela. E fez mais: convocou todo o público a cantar junto. No final, ambos saíram aplaudidos e Natalie claramente agradecida.
A pergunta, então, é: você estaria no lado dos aplausos ou das vaias? Fica a sugestão de reflexão".

Um gesto de solidariedade que uniu muito mais do que um treinador de basquete e uma jovem cantora, diante de um ginásio com 20 mil pessoas. Um abraço e o canto correto, diante de uma falha natural de memória por conta da pressão e a constatação que é em momentos de tensão que descobrimos o verdadeiro valor das pessoas. E de quanto é importante a experiência de um adulto para apoiar um jovem talentoso. O incentivo do treinador, cantando junto é a prova de que iniciativas como esta existem e precisam ser socializadas.
No ambiente escolar e familiar também faz-se necessário este incentivo do educador - seja pai ou professor - incentivando o filho e aluno, quando tava diante de desafios, quando se sente impotente diante das adversidades da vida. Afinal, que já viveu mais, em tese, tem uma experiência de vida e uma maturidade para passar aos mais novos.
Algo para assistir, refletir e debater, afinal, em situação similar aqui no Brasil, famosa cantora do passado (Vanusa) teve lapso de memória (trocando a letra do hino nacional, supostamente por conta de ingestão de medicação para labirintite) e além de não ter esse apoio, passou a ser ridicularizada nas redes sociais.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

A importância da arte e da cultura na formação do aluno e do cidadão




O vídeo acima, trata-se de fragmento da entrevista da escritora Martha Medeiros, ao Programa Roda Vida, da TV Cultura, SP< Brasil, falando sobre a importância da arte e da cultura na formação do cidadão e foi indicação via Facebook da colega e amiga Elis Zampieri, professora da educação especial de Curitibanos, SC, Brasil e editora do blog Sobre Educação.
Para Marta Medeiros - com total apoio do Educa Tube: "Boa educação não é só escola, boa educação não são só valores. Boa educação é também arte e cultura". Haja vista que as grandes experiências de aprendizagem envolvem de fato a arte, a cultura e toda a sociedade. Imaginem a grandeza das obra de autores variados como Villa-Lobos, na música; Portinari, nas artes plásticas; Monteiro Lobato, na literatura e outros tantos, na dança, teatro, esportes, etc, sem o trânsito entre o erudito ou clássico e o popular... Autores que se valorem do folclore, da cultura popular, para dar a sua arte a autenticidade de seu povo e que influenciaram, não apenas outros artistas, mas há muitos educadores. O próprio educador Paulo Freire destacou a importância da arte e cultura na educação. Rubem Alves fazia arte falando sobre educação.
Os grandes educadores se apropriam de cenas de filmes, de curtas-metragens, de pequenos vídeos, animações, comerciais, slides, etc para iniciar uma aula, palestra, projeto, como recurso metodológico e pedagógico, muito mais do que apenas dinâmica de grupo, pois a arte nos toca no que temos de mais profundo: a sensibilidade humana. Todos temos alguma aptidão para alguma forma de ate, e isto está em toda parte e cabe ao professor, o mestre, o maestro desta pequena orquestra sinfônica que existe em sua sala de aula perceber e reger sua turma, pensando cada aluno como um músico que toca um instrumento, mas que esse indivíduo faz parte de um grupo em que o todo (a sinfonia dos dias) é o mais importante, e que há momento nesta sinfonia para que entre violinos e violoncelos, ora piano, ora prato e bumbo; e assim por diante. E isto é a pura realidade, muito mais do que uma simples metáfora.
Abaixo, vídeo completo da entrevista e jornalista de Martha Medeiros ao Programa Roda Viva, em que fala sobre sua trajetória:



Vejam também (logo abaixo), vídeo correlato que encontrei no You Tube, sobre A importância da arte na educação:



Conforme apresentação do referido, no You Tube: "Arte é um importante trabalho educativo, pois procura, através das tendências individuais, encaminhar a formação do gosto, estimula a inteligência e contribui para a formação da personalidade do indivíduo". Algo que vem ao encontro do que o Educa Tube defende e divulga constantemente neste espaço de interação educacional e social. Arte e cultura na educação são também a expressão da cidadania de uma comunidade, unindo o particular ao universal, mostrando valores e limites da cada região.

Abaixo, alguns exemplos do cancioneiro popular que servem a boas reflexões no ambiente escolar:

Zélia Barbosa - Pau de arara (1978) - Álbum Canto Della Terra (Sertão Favela):



Heitor Villa-Lobos - O trenzinho do caipira (Bachianas brasileiras #2), em videoclip gravado numa estação de trem em Fortaleza, CE, Brasil, com voz incidental de Adriana Calcanhoto, àlbum Partimpim, a partir de poema de Ferreira Gullar:



Maria Bethânia e a Oração ao Tempo, canção de Caetano Veloso, com poema introdutório de Vinícius de Moraes:



Eta Nóis, Ney Matogrosso canta canção de Luhli e Lucina, no Programa Som Brasil (1981):



João Chagas Leite - Desassossegos, canto nativista no Galpão Crioulo, RS, Brasil:



quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Projeto "Conhecendo, construindo e encantando com poemas e poesias" (arte, cultura, educação e sociedade)




O vídeo acima, veiculado em setembro 2014 pela RBS TV Rio Grande-RS, trata-se do Projeto "Conhecendo, construindo e encantando com poemas e poesias", da EMEF Barão do Rio Branco, de Rio Grande, RS, Brasil, sob coordenação da professora Marilene Silva e apoio da equipe diretiva da instituição de ensino.
Iniciou a partir de oficina de oficina de criação literária, denominada Lego Poesia, projeto experimental criado pelo professor José Antonio Klaes Roig - editor do blog Educa Tube (http://educa-tube.blogspot.com) - que recebeu convite da escola para tal atividade, que consistia em utilizar peças coloridas de montar (tipo Lego) e livros de histórias infantis para despertar o interesse pela poesia nos alunos de 4º e 5º anos da referida escola. Oficinas que ocorreram nos anos de 2013 e 2014, e que resultaram, posteriormente, neste projeto elaborado pela prof. Marilene que expôs o resultado a pais, alunos e professores da escola, através de "Varal da Poesia", bem como conseguiu apoio da Padaria Gaúcha, da cidade, para estampar no papel de embrulho de pães (saco) os trabalhos poéticos (poema e poesias) dos alunos.

O projeto "Conhecendo, construindo e encantando com poemas e poesias", conforme sua autora, a professora Marilene Silva, "tem como objetivo trabalhar a poesia em sala de aula e o de estimular a oralidade, a criatividade e a reflexão a respeito de fatos da vida cotidiana de cada aluno e assim, através desse contato, estimular a escrita de poesias e atividades pedagógicas que proporcionem conhecimentos e descobertas".

Trabalhar educação, unindo arte, cultura e sociedade é uma maneira de promover a interação efetiva entre professor e aluno, estimulando o imaginário, a criatividade, o diálogo entre gerações.
O Educa Tube e, especialmente, seu editor, agradecem à EMEF Rio Branco pela possibilidade de poder apresentar aos alunos um projeto educacional experimental - Lego Poesia - que possibilitou, posteriormente, a criação pelos professores da escola de outros projetos, como a mostra de criatividade, a Feira do Livro e o "Conhecendo, construindo e encantando com poemas e poesias".
Viva a rede social educacional, que compartilha experiências de vida e de trabalho.

Abaixo, a bela poesia da aluna Ana Gabriela, do 4º ano, intitulada "Será que eu posso voar", inspirada na história "O menino que queria voar", conto escrito por mim, José Antonio Klaes Roig e ilustrada por meu filho Allan (de nove anos), inspirada na vida de meu pai, o artista plástico José Américo Roig, o Zeméco:



Observação: Para ver em tamanho maior a poesia, basta clicar duas vezes sobre a imagem.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Guerras de Brinquedo: curta que retrata batalha épica de pais utilizando brinquedos de seus filhos




O vídeo acima Toy Wars (Guerras de Brinquedo), com direção de Andrew McMurry e som de Matthew McMurry, descobri no portal Hypeness e trata-se de divertida, criativa e interessante curta-metragem que mostra pais utilizando os brinquedos de seus filhos para disputar uma batalha épica, com direito a efeitos especiais e um final surpreendente.
Pensando sempre num enfoque educacional vejo a questão da alteridade de pais se colocando no lugar dos filhos, voltando a ser crianças, inclusive pilotando carros minúsculos, usando sabres de luz e tudo mais.
O colocar-se no lugar do outro é essencial para todo educador, seja pai ou professor e este vídeo simboliza um pouco deste diálogo de gerações.
Para ampliar o debate com pais e filhos no ambiente escolar, sugiro que os professores assistam também outro curioso e divertido curta (logo abaixo), chamado GTA: Cheat Phone que é uma paródia sobre o jogo Grand Theft Auto (GTA), uma série famosa de jogos para computador em que o jogador precisa roubar carros e fugir da polícia. Um material para ensinar a diferença entre o real e a ficção, entre o game e a sociedade. Afinal, como demonstra o curta, o jogador consegue milagres apenas apertando teclas de um telefone celular, trocando de roupas, veículos etc com um simples toque, algo impossível na vida real. Da mesma forma que bater nas pessoas ou nos carros é algo que tem sérias consequências, quando além de uma simples simulação...



quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Trem veloz e câmera super lenta: jogando com a percepção de tempo (e breve reflexão sobre a educação)




O vídeo acima Stainless, 42 Street (excerpt), trata-se de uma série de vídeos, intitulada de "Inoxidável", a partir de nova técnica de filmar pessoas esperando o trem, criada pelo atista e fotógrafo húngaro Adam Magyar, e descobri no portal Hypeness.
A técnica consiste em: "Dentro de um vagão, munido de uma câmera de alta velocidade, Magyar capta a multidão de uma forma incrível, jogando com a percepção de tempo, uma vez que nos mostra o trem andando (e sabemos como ele anda rápido) ao mesmo tempo que as pessoas parecem congeladas. Pode parecer confuso (e é um pouco), mas olhando os vídeos você entende na hora. Magyar esteve em Nova York, nos EUA, Berlim, na Alemanha, e Tóquio, no Japão (na estação de Shinjuku, a mais movimentada do mundo), captando a 100.000 frames por segundo os grupos de pessoas que se aglomeravam nas plataformas. O resultado consegue mesmo criar essa sensação estranha de ver movimento por entre pessoas imóveis".
O resultado é de fato é fascinante, surpreendente, hipnotizante de ver o segundo o próprio autor é como “uma fila interminável de esculturas vivas reunidas na mesma linha de metrô, na mesma direção, com a mesma intenção de tomar o trem para ser pego e levado pelo fluxo urbano. Todos os seus movimentos abrandaram, eles estão graciosos e inoxidáveis, prendendo a respiração esperando o trem chegar à estação”.
Parece aquele efeito Matrix, do cinema. E o mais curioso é que apenas uma criança, aos 2 minutos do vídeo filmado na Alexanderplatz, Alemanha (vídeo logo abaixo), pela agitação natural, parece que tem vida, em torno de tantas estátuas vivas. A criança, por sinal, se estimulada através da arte e cultura, esporte e brincadeiras, pode dar grandes saltos para o futuro.
Alguns educadores, ao não se atualizarem, parecem muito com seres estáticos numa plataforma à espera de um futuro que nunca chega, com os pés enraizados no passado.
Como educador, percebo que em alguns casos, a educação avançou demais como discurso progressista, mas ainda com uma prática conservadora. Algo que tem a ver como o "paradoxo do Curupira": olhos voltados ao futuro, pés virados para o passado.
E esta impressão, ironicamente, tem a ver com o próprio processo de captação destas imagens, feita por Magyar, pois segundo o próprio, teve diversas dificuldades para tornar-se realidade, "como o fato de seguranças dos metrôs e trens não permitirem o uso do seu equipamento fotográfico". Lembra-me escolas e professores que, por receio e/ou desconhecimento, proíbem o fone celular na sala de aula, quando este pode ser uma ótima ferramenta de interação, se usada dentro de um propósito educacional, afinal, um smartphone pode filmar, gravar áudio, conectar-se à internet, baixar aplicativos os mais criativos e diversos, etc.
Os avanços tecnológicos são como o trem veloz, mas sua utilização efetiva, no ambiente escolar, de forma criativa e pedagógica, e não apenas recreativa, ainda são lentos como a imagens em questão. Um grande desafio para a educação do século XXI acelerar este processo entre os que continuam no passado e os que adentram o futuro... Entre os que 5 anos antes da aposentadoria já desaceleram e são refratários a tudo que é novo, e àqueles que utilizam as TIC, mídias e redes sociais apenas como uma novidade.
Afinal, como bem falou recentemente Pierre Levy, filósofo francês: "Precisamos programar cabeças para construir o conhecimento coletivo". Levy faz uma projeção: "O futuro terá combinações de metadados. Assim, eles serão capazes de relacionar conhecimentos a partir de conexões semânticas. A partir daí criamos uma uma inteligência coletiva e reflexiva". Para tanto, precisamos nos desprender de certos conceitos e reorganizar nossa forma de ver e ser neste novo mundo. Para o filósofo: "A educação ficou travada em um momento anterior da comunicação" e neste contexto, os vídeos, aqui disponibilizados vão ao encontro desta situação.
Um ótimo material visual para assistir, refletir e debater a questão do tempo-espaço na escola, família e sociedade.
Abaixo, mais alguns vídeos de Adam Magyar:





Abaixo, link para conhecer mais sobre a técnica fotográfica criada por Adam Magyar:

EINSTEIN'S CAMERA

domingo, 7 de setembro de 2014

Onde está Wally?, das páginas dos livros, agora também em jogo online




A imagem acima, trata-se de Where is Wally? (Onde está Wally?), jogo online (link abaixo), inspirado no livro de mesmo nome, referente a personagem de série inglesa de livros infantis, criada por Martin Handford em 1987, e que descobri via Pavablog.

ONDE ESTÁ WALLY? (JOGO ONLINE)

Conforme postagem do Pavablog: "As publicações, que tinham diversos temas como pano de fundo – entre eles história mundial, praias e o futuro – desafiavam os leitores a acharem, em meio a muitas (MUITAS) figuras o rapaz de óculos redondos e roupa listrada. Ainda é possível encontrar as versões físicas do clássico, porém há de se destacar que existe uma alternativa 'online'.
O jogo 'Onde está Wally' pode ser acessado na web e traz novos desafios. Além da já conhecida busca pelo 'fujão', o game apresenta uma lista de outros elementos que devem ser encontrados no cenário"
.
Uma boa oportunidade para unir literatura e tecnologia, e incentivar os alunos a lerem imagens, procurando a personagem, para depois experimentar outros tipos de livros da biblioteca escolar.

sábado, 6 de setembro de 2014

Instituto Alana e vídeos sobre educação: iniciativas de mobilização em prol da criança






As imagens acima, respectivamente, são do canal de vídeos e do portal do INSTITUTO ALANA, que "é uma organização sem fins lucrativos criada em 1994 que tem como missão fomentar e promover a assistência social, a educação, a cultura, a proteção e o amparo da população em geral, visando a valorização do homem e a melhoria da sua qualidade de vida, conscientizando-o para que atue em favor de seu desenvolvimento, do desenvolvimento de sua família e da comunidade em geral, sem distinção de raça, cor, posicionamento político partidário ou credo religioso".
Vejam abaixo link para o canal:

INSTITUTO ALANA - Canal de Vídeos

Lá, dentro do amplo acervo de temas, recomendo os vídeos sobre educação, link a seguir, com rico material para reflexão, debate e divulgação no ambiente escolar:

VÍDEOS SOBRE EDUCAÇÃO - INSTITUTO ALANA

O Educa Tube, visitando o portal do INSTITUTO ALANA, descobriu outras incríveis iniciativas de mobilização social, como os projetos Outro Olhar, Marinha Farinha, Prioridade Absoluta, Território do brincar, Ciranda filmes, entre outros, conforme links e breves apresentações de cada, logo abaixo:

OUTRO OLHAR (nasce com a missão de inspirar mais e mais pessoas a honrarem a diversidade ao seu redor. Para isso, busca romper com os paradigmas sobre as pessoas com síndrome de Down, reconhecendo em suas singularidades e competências um passo essencial para a construção de um futuro melhor);

CRIANÇA E CONSUMO (O objetivo do Projeto Criança e Consumo é divulgar e debater ideias sobre as questões relacionadas à publicidade dirigida às crianças, assim como apontar caminhos para minimizar e prevenir os prejuízos decorrentes dessa comunicação mercadológica);

MARIA FARINHA FILMES (é uma produtora audiovisual que acredita no poder transformador de uma história bem contada. A parceria com o Alana rendeu documentários que já foram vistos mais de 10 milhões de vezes – entre eles o “Criança, a alma do negócio”, “Muito Além do Peso” e “Tarja Branca”);

PRIORIDADE ABSOLUTA (O site do projeto compartilha experiências de mobilização e de advocacy, além de modelos de carta, petições, denúncias e ações judiciais, para que os operadores do direito possam atuar em favor das crianças. O Prioridade Absoluta tem o apoio da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB);

TERRITÓRIO DO BRINCAR (é um trabalho de pesquisa, documentação e sensibilização sobre a cultura da infância brasileira, coordenado pela educadora Renata Meirelles e pelo documentarista David Reeks e correalizado pelo Instituto Alana. Os dois viajaram pelo Brasil por dois anos e o registro dessa jornada - em filmes, fotos, textos e áudios – se transformou em publicações, documentários, exposições e diálogos sobre a infância brasileira);

CIRANDA FILMES (A Ciranda nasceu em 2014, como a primeira Mostra de Cinema focada em educação e infância do Brasil. Correalizada pelo Instituto Alana, Circuito Cinearte e Aiuê Produtora de Conteúdo, com patrocínio do Instituto Alana e Instituto Península, a primeira edição da mostra foi realizada durante três dias em São Paulo e contou com a exibição de filmes e rodas de conversa divididos em três eixos: nascimento e infância, espaços de aprendizagem e movimentos de transformação);

SLOW KIDS (O movimento Slow Kids defende a desaceleração da rotina da criança e a valorização do tempo livre na infância. Correalizado pelo Instituto Alana e pela produtora Respire Cultura, sua primeira edição aconteceu em 2013, no Parque da Água Branca, em São Paulo. Em 2014, o Slow Kids chegou ao Museu da Casa Brasileira. Em comum: pais e filhos curtindo juntos um dia de muita brincadeira e cinema ao ar livre, piquenique, músicas e oficinas),

CATRAQUINHA (Parceria do Alana com o Catraca Livre, o Catraquinha valoriza, em seu conteúdo, a construção de uma cidade cada vez mais acolhedora à infância e às crianças. Com a proposta de aproximar a cidade das famílias que nela habitam e de descortiná-la como “cidade-educadora”, o Catraquinha reúne informações relevantes sobre tudo o que interessa a pais, educadores e familiares – de agenda cultural a projetos transformadores para a infância, de matérias que questionam o lugar que os pequenos ocupam hoje a inovadoras propostas de ocupação do espaço público).