quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A História de Adam: Pokémon Go, autismo, educação, tecnologia e sociedade



O vídeo acima, da BBC Brasil, que intitulei de "A História de Adam", descobri no Facebook, na página Infoco Tech, e como lá indica, trata-se de "breve reflexão sobre os benefícios do jogo e o pré-julgamento das pessoas". No caso, o jogo é o Pokémon Go, que virou mania mundial, e alvo, tanto de elogios como de críticas.
Como tudo na vida, há o lado positivo e negativo. Este vídeo mostra o lado positivo da tecnologia em geral e do jogo Pokémon Go, em especial: conheça a história do garoto Adam, de 17 anos, que por 5 anos preferiu ficar dentro de casa, jogando Minecraft, até surgir o Pokémon Go e tudo mudar.
Segunda a mãe, Adam sofre de ansiedade, e raramente saia à rua, e quando assim fazia, não durava mais que 2 minutos e voltava para casa... Através do jogo, Adam começou a conviver com as pessoas e estreitar os laços de mãe e filho, já que ela diz que ele vivia numa espécie de casulo.
Como demonstra o artigo Temos que pegar, temos que falar: POKÉMON: "O jogo está sendo usado como terapia para crianças hospitalizadas saírem dos leitos e se divertir, pessoas depressivas que viram no jogo uma válvula de escape para sair e socializar, milhares de pessoas estão se conhecendo e conversando fora das telinhas de seus smatphones e computadores, estão ‘descobrindo’ sua cidade, estão redescobrindo a maneira de fazer amigos no ‘quintal’...", e evidentemente, como qualquer recurso, seja eletrônico ou não, "Nada é totalmente bom, mas também não é totalmente ruim e cada um escolhe o que quer ver".
Portanto, tudo depende da utilização que damos às coisas, e o bom senso é algo que deve prevalecer, e ai está o papel social do educador, seja ele pai ou professor, de estimular a interatividade, mas também a criticidade do filho e do aluno.
Como este blog tem sempre destacado: "Novas tecnologias requerem novas metodologias". E sendo assim, se equipamentos trazem em si os conceitos de mobilidade, portabilidade, e convergência; converGENTE também devam ser as pessoas, e não robotizadas.
Abaixo, algumas possibilidades de uso pedagógico do jogo Pokémon Go na educação:

Aprendendo trigonometria e Teorema de Pitágoras na aula de matemática usando Pokémon Go

Um comentário: